• A RESPONSABILIDADE SOCIAL E POLÍTICA DO ESTADO!

    15 janvier 2015 | Reflexão | Admin
  • Dentro das realidades deste país, sobretudo neste contexto de mudanças de mentalidade que se quer e que é sobretudo necessário, as atitudes e os comportamentos, sociais e políticos, devem ser sumariamente revestidos de boa conduta. Este estádio de exigência tem a sua controvérsia, no nosso contexto, pela constante prática de actos contrários à saudável vivência social e política, baseada nas discórdias do dia-a-dia e, sobretudo, na horizontal conduta nacional de valorização de valores e princípios que nunca fizeram parte do nosso substrato tradicional e cultural.

    Se outrora fomos classificados de muitos nomes e feitios, excelência na sub-região, pelos nossos hábitos culturais e tradicionais, e sempre numa dimensão de procura do bem-estar, vejamos os vestígios da convivência nas nossas tabancas no interior do país onde se conservam os hábitos de manutenção dos espaços comuns, sejam eles espirituais ou materiais, para salvaguardar um saudável convívio social, hoje, particularmente nos grandes centros urbanos, somos confrontados com uma autêntica bagunça à medida da própria destreza social.

    Uma tamanha desordem assistimos nas nossas instituições civis e públicas que, mesmo quando criadas condições básicas para apenas organizarem o seu regular funcionamento, surpresas não surpreendentes acabam sempre por acontecer … os imprevistos da nossa terra.

    Normalmente é sempre uma questão de orçamento cultural, na interpretação de cada um. As despesas são sempre superiores do que a previsão inicial, oscilação de mercado. Um vasto mercado a servir este imenso sistema.

    As relações sociais são marcadas hoje pelo aprumado sentido patrimonialista na defesa de ideias de tirar vantagem sobre o outro, produzindo pobreza e violência gratuita, para um bem-estar individual ou restrito.

    A sociedade não se tem pugnado pela produção de bons hábitos sociais e políticos, provocando sim a sua gradual fragmentação, lutas entre famílias, virtudes inactivas e ética de aventura, como dizia Jacome Ratton. Uma sociedade e uma política perversa que não estimula o exercício da cidadania activa e onde os representantes eleitos interessam-se mais pela sua própria sobrevivência política, ignorando os demais que os elegeram. Um verdadeiro paradoxo, um assunto para outros pronuncios.

    Esta convivência desordenada e anárquica tem levado a uma crescente onda de macrocefalia do estado, gerando promiscuidade e injustiça política e social, onde o processo de integração social não tem sido estendível ao comum dos cidadãos.

    Este problema acentua-se pela falta de políticas públicas condutoras à reestruturação das instituições da república e que à muito têm provado interacções desestruturadas, onde ninguém mede o que deve e o que não deve fazer, sobrepondo o seu individualismo aos interesses da colectividade, assim como os da hierarquia.

    A ausência da democracia social tem levado alguns sectores sociais ao desaparecimento, promovendo outras de cariz pseudosocial, obstinados a uma política de puro silogismo, e levando o cidadão comm a um isolamento social, voluntário ou não, que se traduz numa falta de auto-estima induzida pela ausência de uma classe representativa de valores e princípios sociais e políticos, moral e eticamente aceitáveis e ainda, pela inexistência de instituições públicas que interpelam para a sua urgente materialização.

    Esta condição tem levado a sociedade a uma morte por auto-destruição pela depressão social e política subjacente.

    O modelo social e político aqui, coloca o cidadão numa dependência de pequenos benefícios sociais e políticos em troca de uma obediência sem folgo, perigando a sua liberdade, individual ou colectiva. E ainda, diminuindo-lhe as suas capacidades cognitivas e expondo-lhe a uma fragilidade social e política pouco motivante para estabilidade desejável.

    À sociedade, a responsabilidade de participar neste recomeço que agora se apresenta esperançoso, convidando a uma mudança de mentalidades que se espera na protecção dos valores e princípios sociais e políticos, na liberdade, na diferença, de um pensamento que abranja a população na melhoria do acesso aos direitos sociais e políticos e na garantia de todos contribuírem para uma sociedade sem ghetos étnicos e religiosos camuflados, onde a focalização para os interesses comuns seja o reconhecimento e o respeito devido a todos aqueles que deram as suas vidas e as suas ambições, hipotecando a sua juventude ao longo do percurso que teve o seu momento histórico nas matas de Boé, com a proclamação da nossa nacionalidade.

    Se ontem foi possível com a participação de todos, hoje mais do que nunca, nesta abertura de espírito, de reaproximação às nossas origens culturais e tradicionais constituintes do tecido social e político, nô ermondadi, seja o momento e o espaço próprio.

    A quem o direito … a quem a responsabilidade? A todos!

    Ricardo Rosa

  • APELO

    27 janvier 2016 | Cultura
    APELO

    É nessa manhã que eu gostaria de me acordar para que olhares dos meninos, jovens e velhos me possam transmitir esperanças que já me abandonaram forças que já não consigo sentir nestes momentos de passos irreversíveis de construir uma sociedade justa, mais social, sem maldade Nesta manhã de apelos para mais união, sem vingança gostaria de ver esperanças nas feições de cada [...]

    Read more

    A SOLUÇÃO DA CRISE ESTÁ À MÃO DE SEMEAR

    «Kadda kusa ku si kumsada i ta tem si fim son si Deus ka misti ki kata kaba!» (Tudo o que começa acaba; só não acaba se Deus não quiser!) – José Carlos Schwarz músico guineense. A crise que se vive na Guiné-Bissau começou algures mas, para não esgravatar a história recente do PAIGC, Partido vencedor das últimas eleições gerais, vamos situar o ponto de partida na Assembleia [...]

    Read more

    A CAMINHO DA RECONCILIAÇÃO NACIONAL

    A comissão preparatória da conferência nacional “caminhos para paz e o desenvolvimento” realizou no sábado um retiro em Canchungo com o objectivo de identificar, elaborar, e ajustar as definições do conceito reconciliação e adaptá-lo de forma a preparar os passos que se seguirão. O Padre Domingos da Fonseca presidente da comissão preparatória da Conferencia Nacional Caminho para[...]

    Read more

    O QUE FAZ CORRER JOMAV E DSP?

      “A nosso ver, a única alternativa à Paz é a própria Paz. Com a paz, e aqui destacamos o papel dos partidos políticos, da comunicação social, das confissões religiosas e de outras organizações da sociedade civil, com a paz sentimos a nossa irmandade a penetrar nas profundezas do âmago da nossa guinendade, do nosso sistema de valores. Com a paz galvanizamo-nos para desenvolver[...]

    Read more

    Reações: LGDH acusa Presidente da República de ignorar esforços dos parceiros

    O secretário Nacional da Comunicação e porta-voz da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) garantiu, hoje, na sede da organização em Bissau, que o derrube do Governo pelo Presidente da República foi uma decisão isolada e projetada. Durante a comunicação a imprensa Alex Bassuko Santos Lopes disse que, infelizmente, perante todo este cenário José Mário Vaz optou por uma decisão [...]

    Read more

    PM Embaló promete incentivar partidos a acabarem com a crise política no país

    O novo primeiro-ministro Umaro Sissoco Embaló disse que vai falar com todos os partidos representados no parlamento para incentiva-los a acabarem com a crise política que assola o país há 15 meses. Empossado no cargo na sexta-feira pelo Presidente José Mário Vaz, o novo primeiro-ministro partiu no sábado para uma visita de trabalho ao senegal onde, disse, que ia fazer o ponto da [...]

    Read more

    O Movimento dos Cidadãos Livres (MCL) reclamou esta quarta-feira, através de uma nota, a criação de um tribunal constitucional que, teria como propósito dirimir os conflitos e averiguar a constitucionalidade das leis e decisões decorrentes do exercício dos titulares de cargos públicos. Neste ótica, o MCL recomenda uma revisão profunda da Constituição da República, de forma a [...]

    Read more

      O coordenador nacional dos Assuntos dos peregrinos admitiu, hoje, em Bissau, a culpa em nome do Alto comissariado para Peregrinação aos lugares Sagrados do Islão pela não participação dos muçulmanos guineenses no cumprimento do quinto pilar do islão. O pedido de desculpas aos que não conseguiram deslocar-se à Meca foi feito publicamente em conferência de imprensa. Dino [...]

    Read more

    A Deontologia como dimensão éticO-PROFISSIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICO - ALGUMAS EMULAÇÕES - Os Servidores públicos são pessoas que prestam serviços ao Estado e às entidades da Administração Pública, com remuneração paga pelos cofres públicos, sendo responsáveis pelo desenvolvimento dos Serviços Públicos, e consequentemente do País, a partir de contribuições que, [...]

    Read more

    Li atentamente e na íntegra o discurso do Senhor Presidente da República (PR), José Mário Vaz, a propósito da actual crise guineense. Parece-me objectivo e claro. Antes, tinha lido também a comunicação do Senhor Primeiro Ministro (PM), Domingos Simões Pereira. Bastante clara quanto ao seu objectivo. No essencial há apenas uma conclusão a tirar: perda de confiança mútua. A [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>