• A RESPONSABILIDADE SOCIAL E POLÍTICA DO ESTADO!

    15 janvier 2015 | Reflexão | Admin
  • Dentro das realidades deste país, sobretudo neste contexto de mudanças de mentalidade que se quer e que é sobretudo necessário, as atitudes e os comportamentos, sociais e políticos, devem ser sumariamente revestidos de boa conduta. Este estádio de exigência tem a sua controvérsia, no nosso contexto, pela constante prática de actos contrários à saudável vivência social e política, baseada nas discórdias do dia-a-dia e, sobretudo, na horizontal conduta nacional de valorização de valores e princípios que nunca fizeram parte do nosso substrato tradicional e cultural.

    Se outrora fomos classificados de muitos nomes e feitios, excelência na sub-região, pelos nossos hábitos culturais e tradicionais, e sempre numa dimensão de procura do bem-estar, vejamos os vestígios da convivência nas nossas tabancas no interior do país onde se conservam os hábitos de manutenção dos espaços comuns, sejam eles espirituais ou materiais, para salvaguardar um saudável convívio social, hoje, particularmente nos grandes centros urbanos, somos confrontados com uma autêntica bagunça à medida da própria destreza social.

    Uma tamanha desordem assistimos nas nossas instituições civis e públicas que, mesmo quando criadas condições básicas para apenas organizarem o seu regular funcionamento, surpresas não surpreendentes acabam sempre por acontecer … os imprevistos da nossa terra.

    Normalmente é sempre uma questão de orçamento cultural, na interpretação de cada um. As despesas são sempre superiores do que a previsão inicial, oscilação de mercado. Um vasto mercado a servir este imenso sistema.

    As relações sociais são marcadas hoje pelo aprumado sentido patrimonialista na defesa de ideias de tirar vantagem sobre o outro, produzindo pobreza e violência gratuita, para um bem-estar individual ou restrito.

    A sociedade não se tem pugnado pela produção de bons hábitos sociais e políticos, provocando sim a sua gradual fragmentação, lutas entre famílias, virtudes inactivas e ética de aventura, como dizia Jacome Ratton. Uma sociedade e uma política perversa que não estimula o exercício da cidadania activa e onde os representantes eleitos interessam-se mais pela sua própria sobrevivência política, ignorando os demais que os elegeram. Um verdadeiro paradoxo, um assunto para outros pronuncios.

    Esta convivência desordenada e anárquica tem levado a uma crescente onda de macrocefalia do estado, gerando promiscuidade e injustiça política e social, onde o processo de integração social não tem sido estendível ao comum dos cidadãos.

    Este problema acentua-se pela falta de políticas públicas condutoras à reestruturação das instituições da república e que à muito têm provado interacções desestruturadas, onde ninguém mede o que deve e o que não deve fazer, sobrepondo o seu individualismo aos interesses da colectividade, assim como os da hierarquia.

    A ausência da democracia social tem levado alguns sectores sociais ao desaparecimento, promovendo outras de cariz pseudosocial, obstinados a uma política de puro silogismo, e levando o cidadão comm a um isolamento social, voluntário ou não, que se traduz numa falta de auto-estima induzida pela ausência de uma classe representativa de valores e princípios sociais e políticos, moral e eticamente aceitáveis e ainda, pela inexistência de instituições públicas que interpelam para a sua urgente materialização.

    Esta condição tem levado a sociedade a uma morte por auto-destruição pela depressão social e política subjacente.

    O modelo social e político aqui, coloca o cidadão numa dependência de pequenos benefícios sociais e políticos em troca de uma obediência sem folgo, perigando a sua liberdade, individual ou colectiva. E ainda, diminuindo-lhe as suas capacidades cognitivas e expondo-lhe a uma fragilidade social e política pouco motivante para estabilidade desejável.

    À sociedade, a responsabilidade de participar neste recomeço que agora se apresenta esperançoso, convidando a uma mudança de mentalidades que se espera na protecção dos valores e princípios sociais e políticos, na liberdade, na diferença, de um pensamento que abranja a população na melhoria do acesso aos direitos sociais e políticos e na garantia de todos contribuírem para uma sociedade sem ghetos étnicos e religiosos camuflados, onde a focalização para os interesses comuns seja o reconhecimento e o respeito devido a todos aqueles que deram as suas vidas e as suas ambições, hipotecando a sua juventude ao longo do percurso que teve o seu momento histórico nas matas de Boé, com a proclamação da nossa nacionalidade.

    Se ontem foi possível com a participação de todos, hoje mais do que nunca, nesta abertura de espírito, de reaproximação às nossas origens culturais e tradicionais constituintes do tecido social e político, nô ermondadi, seja o momento e o espaço próprio.

    A quem o direito … a quem a responsabilidade? A todos!

    Ricardo Rosa

  •   O coordenador nacional dos Assuntos dos peregrinos admitiu, hoje, em Bissau, a culpa em nome do Alto comissariado para Peregrinação aos lugares Sagrados do Islão pela não participação dos muçulmanos guineenses no cumprimento do quinto pilar do islão. O pedido de desculpas aos que não conseguiram deslocar-se à Meca foi feito publicamente em conferência de imprensa. Dino [...]

    Read more

    12 décembre 2009 | Djumbai

    Clicar aqui para Abrir o Djumbai          

    Read more

    A CAMINHO DA RECONCILIAÇÃO NACIONAL

    A comissão preparatória da conferência nacional “caminhos para paz e o desenvolvimento” realizou no sábado um retiro em Canchungo com o objectivo de identificar, elaborar, e ajustar as definições do conceito reconciliação e adaptá-lo de forma a preparar os passos que se seguirão. O Padre Domingos da Fonseca presidente da comissão preparatória da Conferencia Nacional Caminho para[...]

    Read more

    Ex-presidente Serifo Nhamadjo fala da crise política : «Eu não faria parte do problema, mas sim da solução» -

    O ex-Presidente da República de Transição, Manuel Serifo Nhamadjo, culpa os veteranos do PAIGC pela crise profunda do partido libertador cujos militantes e dirigentes estão em rota de colisão.   Em entrevista exclusiva à Rádio Makaré-FM, o ex-Chefe de Estado afirmou que “não se pode resolver um problema intensificando-o.” “Se fossemos nós a gerir esse conflito, garanto que [...]

    Read more

    QUEBEC (CANADÁ) - Ernesto Dabó: Uma descoberta incomum

    No ano passado, Ernesto Dabó lançou Lembrança, um disco fabuloso, gravado com músicos de Quebec, mas infelizmente passou despercebido aqui. Na Guiné-Bissau, é muito diferente, pois o cantor-autor-compositor é considerado um dos pais da música moderna guineense. Diz-se mesmo que Dabo é Vigneault (grande autor-compositor-intérprete de Quebec) da Guiné-Bissau. Aqui ele encontrou seus [...]

    Read more

    AS FINANÇAS PÚBLICAS DA GUINÉ-BISSAU : PROBLEMAS E SOLUÇÕES

    O orçamento, citando G. Jéze “( …) é um acto político.” Isto porque ele “(…) é o reflexo financeiro da política governamental, na medida em que, qualquer que seja o programa político, terá necessariamente as consequências sobre as receitas e sobre as despesas e é por isso que é votado por políticos eleitos, que representam o povo no Parlamento. O orçamento reflete uma visão[...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET

    República da   Guiné-Bissau MINISTÉRIO DAS PESCAS PROJET REGIONAL DES PECHES EN AFRIQUE DE L’OUEST P119380 et P122182 IDA Grant Number H6530 – GW; GEF Grant Number 99597   SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET POUR LA SELECTION D’UN CONSULTANT INDIVIDUEL POUR L’ETUDE SUR LA TAXATION DES CAPTURES REALISEES PAR LES FLOTTES ETRANGERES ET NATIONALES DANS LA ZONE ECONOMIQUE [...]

    Read more

    República da Guiné-Bissau MINISTÉRIO DAS PESCAS ¬¬DIRECÇÃO GERAL DA FORMAÇÃO E APOIO AO DESENVOLVIMENTO DAS PESCAS PROJET REGIONAL DES PECHES EN AFRIQUE DE L’OUEST (PRAO GUINEE-BISSAU) SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET POUR LA SELECTION D’UN CONSULTANT POUR L’ELABORATION DU MANUEL DE PROCEDURES ADMINISTRATIVES, COMPTABLES ET FINANCIERES DU PRAO-GUINEE BISSAU [...]

    Read more

    Depois da crise política e institucional fazer o quê?

    Carlos Correia é o nome indicado pelo presidente do PAIGC, com aprovação do Bureau Político, como “candidato alternativo ao cargo de Primeiro-Ministro” (número 2 do artigo 40 dos estatutos do PAIGC). O Presidente da República, deu anuência e, a Guiné-Bissau tem um novo Primeiro-Ministro. Desta feita, um HOMI GARANDI, competente, experiente, de poucas palavras. PAIGC está de [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>