• A SOLUÇÃO DA CRISE ESTÁ À MÃO DE SEMEAR

    31 mars 2017 | Editorial | Admin
  • «Kadda kusa ku si kumsada i ta tem si fim son si Deus ka misti ki kata kaba!» (Tudo o que começa acaba; só não acaba se Deus não quiser!) – José Carlos Schwarz músico guineense.

    A crise que se vive na Guiné-Bissau começou algures mas, para não esgravatar a história recente do PAIGC, Partido vencedor das últimas eleições gerais, vamos situar o ponto de partida na Assembleia Nacional Popular, concretamente, no acto da não aprovação do Programa (e Orçamento Geral) do primeiro Governo da Legislatura liderado por Domingos Simões Pereira, Presidente do partido maioritário no parlamento. O nascimento do Grupo dos 15 Deputados do PAIGC que, que alegadamente contra as instruções superiores partidárias VOTARAM ABSTENÇÃO ao Programa do Governo e a consequente penalização que sofreram abriu um novo capítulo na vida do Partido de Cabral. A demissão posterior do Governo pelo Presidente da República, em Julho de 2015, foi, efectivamente, a gota d’água que fez transbordar o copo, cok todas as consequências inerentes.

    Hoje em dia passados tantos meses sobre a fatídica data, depois de se terem sucedido CINCO Governos pelas mãos do Presidente da República; não obstante a intervenção de pessoas de boa vontade e de organizações diversas, internamente, e, a nível externo – aqui pode-se contar organizações sub-regionais e regionais, personalidades políticas diversas para finalizar nos apelos das Nações Unidas através da sua representação e do Conselho de Segurança – chega-se a esta simples constatação que, pelos vistos, tem vindo a ser negligenciada pelas partes desde início da crise: A SOLUÇÃO PASSA PELO DIALOGO INTERNO. A SOLUÇÃO DA CRISE ESTÁ NAS MÃOS DOS GUINEENSES, DELES DEPENDE EM ULTIMA INSTÂNCIA.

    O facto do célebre Acordo de Conakry (aqui deve-se abrir parênteses para louvar as iniciativas que levaram à sua opção como forma ideal de solucionar a crise) ter falhado por não satisfazer as partes envolvidas, deve ser razão bastante para que os que têm a “faca e o queijo nas mãos” pensem noutras saídas susceptíveis de conduzir ao desfecho da crise que, em abono da verdade, já dura tempo de mais. A leitura simples que se pode fazer da crise é que, dividiu a sociedade literalmente; está a emperrar o andamento do país, o seu relacionamento com organizações de desenvolvimento e países amigos e parceiros de longa data, e, gradualmente está a arrastá-lo a uma situação de incerteza quanto ao seu devir próximo. Daí que, já não há espaço para a continuidade da crise. Não! Se José Mário Vaz insiste na sua posição, cabe ao PAIGC, pela sua responsabilidade histórica e presente, buscar outra saída, CUSTE O QUE CUSTAR. Neste caso, a MELHOR SAÍDA é MUDAR ESTRATÉGIA de tratamento desta crise que começa pela REINTEGRAÇÃO DOS 15 SEM CONDIÇÕES. Esse gesto, por mais incrível que possa parecer, longe de fragilizar Domingos Simões Pereira, vai dar-lhe um outro estatuto e projectar uma nova imagem interna e externamente. Não significará a PERDA DE UMA GUERRA, nem tão pouco a perda de qualquer PRESTÍGIO. É bom pensar que, no horizonte, se perfila 2018, ano da realização da eleição legislativa e, por sinal ano da realização do Congresso do PAIGC, acto importante, procedimento indispensável para a sua participação no escrutínio.

    Não se deve negligenciar qualquer elemento, qualquer dirigente que à sua volta reúne um grupo significativo de camaradas, 40 por cento, sob pena de criar fissura difícil de colmatar. A situação que se vive é espelho dessa realidade. Se se observar bem a gestão e execução do poder político não será preciso fazer um grande exercício intelectual para responder a esta pequena questão: QUEM DETÉM O PODER REAL EM BISSAU?

    Respondida esta questão, chega-se à conclusão de que, diga-se o que se disser, DOMINGOS SIMÕES PEREIRA deve aceitar mudar a sua estratégia, redesenhar, redefinir as eventuais soluções que podem acabar de vez com a crise política. Resolvida a crise interna, negociar com José Mário Vaz não será tarefa difícil visto que certamente não interessa a este manter o braço-de-ferro com o PAIGC até as eleições devido, eventualmente, à sua intenção de recandidatura. Nesse caso, quanto maiores consensos tiver maior garantia terá de concretizar a sua REELEIÇÃO em 2019. Pelos vistos algum trabalho está em curso nesse sentido.

    KAMARADA DIMINGU TEM KU OSA! – confidenciou um “Camarada” do PAIGC.

  • CRISE POLÍTICA PERSISTE GUNÉ-BISSAU NUM BECO SEM SAÍDA?

    José Mário Vaz, cidadão guineense eleito Presidente da República da Guiné-Bissau na segunda volta das eleições presidenciais, a 17 de Maio de 2014, tem vindo a ser objecto de duras críticas e ataques de cidadãos particulares e partidos políticos. Em consequência disso, em alguns círculos murmura-se e chega-se ao ponto de considerá-lo o «PIOR PRESIDENTE DA REPÚBLICA QUE A [...]

    Read more

    A CAMINHO DA RECONCILIAÇÃO NACIONAL

    A comissão preparatória da conferência nacional “caminhos para paz e o desenvolvimento” realizou no sábado um retiro em Canchungo com o objectivo de identificar, elaborar, e ajustar as definições do conceito reconciliação e adaptá-lo de forma a preparar os passos que se seguirão. O Padre Domingos da Fonseca presidente da comissão preparatória da Conferencia Nacional Caminho para[...]

    Read more

    ENCONTRO/CONVÍVIO EM LISBOA DIA DA COMUNIDADE GUINEENSE EM PORTUGAL

    Os guineenses residentes em Portugal reuniram-se, no sábado dia 10 de Novembro, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, para um djubaiinformal sobre a vida da comunidade na diáspora e a atual situação que se vive na Guiné-Bissau.  Espetáculos musicais, desfile de moda, lançamento de livros, exposição de artesanato e gastronomia foram os ingredientes da festa que começou a tarde e terminou[...]

    Read more

    O líder do Movimento Patriótico manifestou-se sexta-feira contra uma eventual constituição de um Governo de unidade nacional, mostrando a sua inexistência na Constituição da República. Por isso, defende que se não for o PAIGC, se não for uma nova maioria, então que se dissolva a Assembleia Nacional Popular permitindo ao povo eleger novos parlamentares. José Paulo Semedo lembrou [...]

    Read more

    A Plataforma das Organizações da Sociedade Civil para Democracia Cidadania e Direitos Humanos (POSCDCDH) afirmou, hoje em conferência de imprensa que, é urgentíssimo a formação de um Governo constitucional, a fim de desbloquear o país e continuar efetuar esforços para o seu desenvolvimento. Caso contrário, diz a organização, o atraso na sua formação pode comprometer a abertura do [...]

    Read more

    No âmbito do Dia Nacional da literatura e poesia, a Associação Guineense dos Escritores (AGE) homenageou hoje, no Clube do Bairro d´Ajuda, o pioneiro da música guineense, José Carlos Schwartz. A iniciativa visa atribuir valor, como é habitual, à uma figura falecida ou viva, ligada a literatura ou música. As atividades comemorativas foram marcadas com récitas de poesias, atuação [...]

    Read more

    A Deontologia como dimensão éticO-PROFISSIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICO - ALGUMAS EMULAÇÕES - Os Servidores públicos são pessoas que prestam serviços ao Estado e às entidades da Administração Pública, com remuneração paga pelos cofres públicos, sendo responsáveis pelo desenvolvimento dos Serviços Públicos, e consequentemente do País, a partir de contribuições que, [...]

    Read more

    NOVO PGR PROMETE “FAZER JUSTIÇA”

    O novo Procurador-geral da República prometeu, ontem (07/10), “fazer a justiça”, através da promoção da acção penal e da defesa da legalidade “até à exaustão “. Estas palavras do Hermenegildo Pereira foram proferidas momentos depois do acto de transferência de poderes, esta terça-feira em Bissau, do antigo PGR, Abdú Mané ao novo número Um do Ministério Público (MP). [...]

    Read more

    RAMOS HORTA, VAI VENCER A BATALHA CONTRA O TEMPO?

    No fim do mês de Janeiro corrente, o Senhor José Ramos Horta vai iniciar o exercício das suas actividades como Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas na República da Guiné-Bissau. Apesar da minha profunda convicção, de que anima-o a intenção de trabalhar em prol da paz e da estabilidade, e que esse sentimento é sincero, permita-me dizer que não acredito que vai [...]

    Read more

    A QUEDA DO GOVERNO NÃO É NOVO E NÃO PASSA DO “DÉJÀ-VU”

    O gesto de demissão do Governo bissau-guineense, procedido ontem (12.08,2015) pela S Ex. Sr. Presidente da República da Guiné-Bissau é mau, uma loucura!  Mas enfim, ele não é novo e não passa do “déjà-vu” dos últimos 21 anos da instituição e “exercício” da nossademocracia pluralista, multipartidária e parlamentar. As 1aseleições de 1994 constituiram o pontapé de [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>