• AS FINANÇAS PÚBLICAS: Problemas e Soluções (2)

    15 septembre 2014 | Reflexão | Admin
  • O pagamento do salário, na Guiné-Bissau, constitui um das questões que afectam consideravelmente o funcionamento normal das instituições do país e, consequentemente, contribui para a sua fragilização, originando distorções e injustiças gritantes na sua Administração Pública. A título ilustrativo, verifica-se que o salário auferido por um servente é pago 60 vezes pelo mais alto salário praticado, sendo o subsídio auferido por um Ministro quatro vezes superior ao seu salário. E, na Assembleia Nacional Popular, o salário de um condutor paga dois salários a um quadro superior da Administração Pública, enquanto que em alguns Ministérios que geram as receitas, o número de contratados supera o de funcionários.

    Toda esta problemática está estreitamente relacionada com a fraca capacidade de arrecadação de receitas (44 291 523 600,00 FCFA), que se traduz na fraca taxa de pressão fiscal do país (8,76%) em relação ao seu PIB, estimado em 505 611 000 000,00 de francos CFA, contra 17% no quadro da convergência no seio da UEMOA.

    A título de exemplo, em 2012, dum total de receitas de 40 924 milhões de FCFA arrecadadas, os salários consumiram 24 566 milhões de FCFA (Vide Relatório do FMI sobre as consultas ao abrigo do Artigo IV, Maio de 2013, p. 58, Tabela 6), representando um rácio de 63,1% da massa salarial em relação às receitas fiscais, contra o limite de 35% estabelecido no quadro da convergência no seio da UEMOA. Uma situação que impõe a urgente reforma fiscal e medidas de racionalização das despesas públicas, sobretudo, no tocante à necessidade de implementação, por um lado, da TVA, que resulta da Directiva n. 02/2009/CM/UEMOA, de 27 DE Março da UEMOA e, por outro, de uma Tabela Salarial Única para a Administração do Estado, numa perspectiva de racionalização das despesas públicas e da justiça salarial.

    A adopção destas medidas pode contribuir para a diminuição do peso do salário relativamente às receitas, proporcionando, assim, ao Estado, consignar uma parte considerável de receitas decorrente do acréscimo proporcionado pela TVA aos programas de investimento no sector social e produtivo. Neste contexto, fazendo incidir as taxas de 20% e de 5%, estabelecidas pela UEMOA, respectivamente, sobre bebidas alcoólicas, produtos de perfumaria e carros de alta cilindrada e sobre os produtos alimentares, o impacto desta reforma no custo de vida será relativamente menor, se tivermos em consideração que, actualmente, a taxa de IGV que incide sobre todos os produtos, incluindo, os produtos alimentares, é de 17,5%, representando uma arrecadação de receitas em torno de 9 000 000 000,00 de FCFA.

    1.IMPLICAÇÃO ORÇAMENTAL DA REFORMA FISCAL E SUSTENTABILIDADE DAS DESPESAS PUBLICAS

    Com a implementação da TVA – um imposto que incide sobre o consumo – face à uma média de importação de mercadorias no montante de 33.382.500.000,00 de FCFA, o país pode arrecadar uma receita fiscal subestimada de, aproximadamente, cerca de 20.743.140.000,00 de FCFA. O que representa, por um lado, um acréscimo de cerca de 44,13% em relação ao montante global das receitas arrecadadas em 2012 (47 000.000.000,00 de FCFA) e, por outro, um aumento de 4% das receitas em relação ao PIB, elevando, deste modo, a Taxa de Pressão Fiscal do país, de 8,76% para 12,76% do PIB, no primeiro ano da sua implementação, reduzindo, consequentemente, o distanciamento da Guiné-Bissau em relação à média dos oito países da UEMOA, que se situa em 14,63%, conforme se pode verificar no relatório do Fundo Monetário Internacional sobre as consultas com a Guiné-Bissau ao abrigo do Artigo IV (Maio de 2013, p.38,Tabela B4).

    Assim, o país poderá passar a arrecadar um total de receitas subestimado em cerca de 67 mil milhões de FCFA, reduzindo, deste modo, o nosso défice orçamental, de acordo com os vários cenários de arrecadação de receitas efectuados, sem contar com as receitas provenientes da TVA que igualmente devem incidir sobre as rendas de casa e prestações de serviços. Uma situação que poderá contribuir consideravelmente para a redução do rácio da massa salarial em relação às receitas fiscais a um nível razoável no âmbito dos critérios de convergência no seio da UEMOA.

    Nesta perspectiva, a arrecadação das receitas da TVA pode, de per si, cobrir largamente as despesas com os salários e permitir o funcionamento normal da Administração Pública, reduzindo drasticamente as suas actuais fragilidades e, sobretudo, a dependência do país em relação ao exterior, em matéria de pagamento de salários.

    2.OPERACIONALIZAÇÃO DA REFORMA FISCAL

    Ao Governo competirá operacionalizar a urgente reforma fiscal de que o país necessita, adoptando medidas que consubstanciem os objectivos preconizados, no âmbito da elaboração da proposta do OGE, o mais urgente possível, contemplando, nomeadamente:

    1. a)A implementação da Directiva n. 02/98/CM/UEMOA, de 22 de Dezembro relativa àharmonização das legislações dos Estados membros e modificada pela Directiva n. 02/2009/CM/UEMOA, de 27 DE Março;
    2. b)A introdução e/ou a efectiva cobrança, nomeadamente, de seguintes impostos de:
    3. Solidariedade Nacional (equivalente ao anterior imposto de Reconstrução Nacional);
    4. Democracia;

    iii.              Predial Urbana.

    1. A TABELA ÚNICA SALARIAL PARA ADMINISTRACAO PUBLICA: racionalização das despesas e reposição da justiça salarial

    A Tabela única visa tão-só a correção de injustiças salariais decorrente da desproporcionalidade das tabelas dos diferentes departamentos, serviços e instituições do Estado e a sua racionalização, numa perspectiva de redistribuição da riqueza nacional e da eficiência da gestão orçamental, bem como da criação de condições do bem-estar dos funcionários e servidores do Estado, melhorando consideravelmente o seu nível de vida e de produtividade. Uma política pública, sublinhe-se, que pressupõe a urgente reforma fiscal de modo a permitir a sustentabilidade e racionalização das despesas com o funcionamento eficiente da Administração Pública.

    A presente proposta de Tabela Única Salarial contempla um único quadro geral de remuneração que aproxima as diferentes categorias hierarquizadas da Administração do Estado, criando, consequentemente, condições para uma melhor motivação dos funcionários e servidores no que diz respeito à sua produtividade.

    Ademais, a proposta da Tabela Única Salarial contempla ainda, por um lado, a diminuição de altos salários e o seu alinhamento entre os diferentes órgãos de soberania do país e, por outro, o aumento substancial relativamente aos baixos salários, na tentativa de se encontrar um equilíbrio, proporcionando, ao mesmo tempo, que sejam efectuados os descontos legais obrigatórios de 6%, nos termos do Decreto-Lei n.11/2012, relativo ao Estatuto de aposentação dos funcionários e servidores do Estado, para o Fundo de Pensões de funcionários e servidores do Estado – qua há muito deixou de existir entre nós -, estimado, anualmente, em cerca de 2,1 mil milhões de FCFA, numa perspectiva de melhor garantir a futura aposentação destes, com a vantagem de sua eventual capitalização através da construção de habitações sociais, assim como, os descontos para encargos com a saúde (0,5%), na perspectiva da universalização da protecção social, e dos impostos profissionais e de selos.

    4.MEDIDAS DE ACOMPANHAMENTO     

    A operacionalização efectiva da reforma fiscal preconizada depende, na nossa perspectiva, da implementação ao nível da Administração Pública, nomeadamente, das normas relativas à:

    1. a)Carreira;
    2. b)Avaliação do desempenho dos funcionários;
    3. c)Implementação dos programas de capacitação e reciclagem dos funcionários no quadro da Escola Nacional de Administração, que deve funcionar na directa dependência do Chefe do Governo, por tratar-se de um centro de formação profissional superior que visa qualificar os altos quadros da Administração do Estado, sem prejuízo da existência, no seio das Universidades públicas ou privadas, de Faculdades de Administração para a formação de quadros superiores com base em numerus clausus;
    4. d)Reestruturação e formação do pessoal do serviço da Administração da Inspecção dos Impostos, erigindo-o num corpo de funcionários responsáveis pelos controlos fiscais;
    5. e)Instituição da Taxa Progressivasobre a importação do arroz visando o estímulo interno à produção deste cereal e à garantia da segurança alimentar da população;
    6. f)Transposição para a ordem interna da Directiva N. 06/2009/CM/UEMOA, de 26 de Junho, relativa às normas orçamentais visando a instauração no seio da União de regras que permitam uma gestão transparente e rigorosa das finanças públicas, com o propósito de confortar o crescimento económico.

    Em conclusão, estas parecem, do nosso ponto de vista, as medidas urgentes que devem ser adoptadas como forma de reduzir o grau da dependência do país em relação ao exterior, pelo menos, no que concerne ao pagamento de salários e ao funcionamento razoável do aparelho administrativo do país, num período em que se verifica uma drástica diminuição, se não o esgotamento, de ajudas internacionais ao desenvolvimento. Ademais, convém referir-se que, no seio da UEMOA, apenas a Guiné-Bissau não implementou, até à data presente, a reforma fiscal na sequência da Directiva n. 02/2009/CM/UEMOA, de 27 DE Março, que ajudou a resolver os problemas dos países partes do processo de integração económica no seio da UEMOA. A implementação desta Directiva, em nossa opinião, é de relativa facilidade, na medida em que a própria Pauta Aduaneira contempla, nomeadamente, uma coluna relativa à TVA. Uma situação que facilita o controlo das mercadorias importadas e da incidência sobre as mesmas da respectiva da TVA, que será arrecadada pelo comerciante mediante faturação e entregue ulteriormente nos serviços da administração fiscal que, para a sua gestão eficiente, pode-se recorrer ao software e aos equipamentos adequados e já em uso nos Países parceiros da integração económica.

  • PR JOMAV exonera secretário de estado da Ordem Pública

    O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, exonerou hoje o secretário de Estado da Ordem Pública, Francisco Malam Djata, segundo um decreto presidencial divulgado à imprensa «É o senhor Francisco Malam Djata exonerado de funções de secretário de Estado da Ordem Pública», lê-se no diploma. O decreto, que não avança as razões para a exoneração de Francisco Malam Djata [...]

    Read more

    A DÍVIDA HIPOTECA O FUTURO DO PAÍS

    O Homem íntegro é incorruptível; aquele cuja integridade leva a agir de acordo com as suas convicções, sem fazer qualquer concessão que ponha em causa a sua honra e dignidade. Esse homem pode ser um político? Qual é o preço da convicção de um governante? Pode ser negociado? Será que, em nome da chefia, pode-se negociar as convicções de um povo? Claro que não! Assim diria um [...]

    Read more

    Crime organizado ganha força nas ilhas da Guiné-Bissau

    Quando lhe apontaram uma pistola, Armando Nhaga virou costas e fugiu da pista de aviação da ilha de Bubaque, Guiné-Bissau, onde trabalha como guarda. Armando, 60 anos, testemunhou ao longo da última década a aterragem de voos clandestinos que se suspeita estarem ligados ao tráfico de cocaína da América do Sul para a Europa. "Na hora em que chegavam diziam-me: 'sai'. E eu saía. Não [...]

    Read more

    A Associação de Saneamento Básico, Protecção de Água e Ambiente (ASPA) da Região de Bafatá iniciou, ontem, o repovoamento do Parque Natural de Bomma em Bafatá com árvores de variedades locais. Os trabalhos desenvolvidos nos últimos dias devem-se ao mau tempo que assola aquela região, que derrubou várias árvores de grande porte. Por essa razão, a ASPA vai semear quatro tipos de [...]

    Read more

    “CARTÃO DE VISITA” DA GUINÉ-BISSAU - ABÚ CANTA E ENCANTA BISSAU COM ÁLBUM “MAIS UM CHANCE”

    O jovem músico, Abubacar Bailó Camará (Abú) que para alguns críticos da música guineense “é uma promessa da nova geração de músicos capaz de levar o bom nome do país aos grandes palcos internacionais”, trouxe ao público o seu primeiro álbum discográfico intitulado “Mais Um Chance.” Eram por volta das 22 horas e alguns minutos do dia 10 do corrente mês que o jovem músico,[...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas.   Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo [...]

    Read more

    Guineenses residentes em Itália, nomeadamente, estudantes, enfrentam dificuldades devido a falta de passaportes.Até esta data as autoridades não cumpriram a promessa de regularizar essa situação. Eis o que um estudantes relatou a GN: « Estávamos aflitos com o problema de passaportes caducados, solicitamos a intervenção das autoridades competentes para a resolução do caso e o [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    Ex-presidente Serifo Nhamadjo fala da crise política : «Eu não faria parte do problema, mas sim da solução» -

    O ex-Presidente da República de Transição, Manuel Serifo Nhamadjo, culpa os veteranos do PAIGC pela crise profunda do partido libertador cujos militantes e dirigentes estão em rota de colisão.   Em entrevista exclusiva à Rádio Makaré-FM, o ex-Chefe de Estado afirmou que “não se pode resolver um problema intensificando-o.” “Se fossemos nós a gerir esse conflito, garanto que [...]

    Read more

    Da Guiné portuguesa à Guiné-Bissau O RETRATO DE UM PAÍS A SERPEAR NO «MAR DE ESCOLHOS» E INCERTEZAS

    A Guiné-Bissau, Pátria de Cabral, de Homens valorosos e corajosos, está situada na costa ocidental da África. Presumo que o(a) leitor(a) já terá ouvido falar deste lindo país que nos últimos anos tem ocupado as primeiras páginas dos maiores jornais do mundo que, diariamente, editam milhares de exemplares e são consultados on-line por milhões de leitores. Passou nos telejornais e nas [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>