• Baciro Djá «nem aqueceu a poltrona»: como vice-presidente do paigc vai voltar ou não à chefia do próximo governo?

    10 septembre 2015 | Sonho Guineense | Admin
  • Baciro Djá foi primeiro-ministro de 13 de Agosto a 09 de Setembro de 2015. Substituiu Domingos Simões Pereira, cujo Governo foi demitido um dia antes, a 12 de Agosto, pelo Presidente da República alegadamente no uso das prerrogativas que a Lei Magna do país lhe confere situação seguida por fortes contestações de uma larga franja do PAIGC, algumas formações políticas, algumas organizações da sociedade civil e pessoas singulares que se julgaram no dever de exprimir dessa forma a sua solidariedade com o chefe do maior partido.

    Teoricamente a sua nomeação devia servir para apaziguar os ânimos e acabar com a crise política. Mas não foi o caso. O PAIGC, igual a si próprio, foi até às primeiras consequências. Quais serão as últimas?

    Domingos Simões Pereira chefiava o Governo desde Julho de 2014 na sequência dos resultados eleitorais de Abril de 2014, vencidas pelo PAIGC cujos estatutos lhe conferem esse direito. Das dificuldades que teve e tem para liderar o PAIGC não vamos falar. Apenas há que dizer que a sua configuração, a sua dimensão, exige um líder com maior experiência política, mais tarimbado, para poder dar conta das especificidades que o caracterizam como movimento de libertação com muitos anos de exercício do poder, que por força da mudança da conjuntura política mundial hoje exerce o poder que obteve através de eleições consideradas justas, transparentes, livres e democráticas.

    Nem tão pouco vamos referir as dificuldades de dirigir o Governo

    O mais difícil para qualquer Primeiro-Ministro é, dúvida não haja, como navegar no novo e complexo panorama político que se materializa a olhos vistos.

    Está provado que o Guineense tem como um dos seus principais “dotes” a sua incapacidade de GERIR AS VITÓRIAS, os ganhos, sobretudo, políticos… (Para outras esferas não avançamos.)

    Evidente é que tanto o PAIGC como o PRS estão divididos. É mais que certos que isso terá as suas implicações internas em cada uma das duas formações políticas que são as maiores do país.

    O PRS depois de aturados debates da sua Comissão Política que, segundo fontes bem colocadas, não foram nada pacíficas nem fáceis, acabou por avalizar a constituição do Governo. Enquanto “fiel da balança” política do país, o PRS, mais uma vez, jogou muito bem. Resultado: acabou por averbar cinco Ministérios e cinco Secretarias de Estado; três Regiões e duas direções-gerais….

    No primeiro Governo, para garantir uma governação tranquila, sem agitações na Assembleia Nacional Popular, o então Primeiro-Ministro chamou para o elenco governamental personalidades das formações políticas com assento parlamentar. Chamou o executivo GOVERNO DE INCLUSÃO.

    Para muitos, a iniciativa de Domingos Simões Pereira era simplesmente “un coup de maître”. De facto foi. Governou tranquilamente, a oposição manteve-se muda e calada, digo muda, todos os pacotes legislativos foram aprovados sem delongas e nem contestações dignas de tal nome.

    As divisões internas do PAIGC, sobretudo da parte dos que não eram propriamente da sua sensibilidade, não puderam fazer mais do que acompanhar o presidente do Partido na governação do Partido fazendo de contas que tudo ia bem quando na realidade nem tudo estava conforme porque algumas feridas do congresso de Cacheu ainda não estavam completamente saradas.

    O Governo demissionário para garantir uma governação tranquila e estável, teve que firmar um pacto de estabilidade governativa.

    Em ambos os casos, o vai vem é feito pelo PAIGC o detentor do poder por via da sua vitória eleitoral em 2014, que carece de entendimento com o PRS para efetivamente garantir uma legislatura sem sobressaltos e uma tranquilidade parlamentar.

    Neste momento aguarda-se o próximo passo de José Mário Vaz, depois do revés que sofreu com a decisão do STJ que declara inconstitucional a nomeação do Primeiro-Ministro.

    Do Presidente da República espera-se a correção dos passos que levam ao cumprimento das formalidades legais que enformam a nomeação do Primeiro-Ministro. Como se diz estes dias em Bissau, deve-se ter em conta os interesses superiores da Pátria e não as questões particulares.

    De Domingos Simões Pereira espera-se um comportamento a altura do líder de um Partido do vulto do PAIGC. Se a sua pessoa é a causa das atribulações, não há que insistir pois isso poderá levar o país a uma situação imprevisível.

    Depois do muito que se fez, de todas as formas e feitos, do mais baixo ao mais alto golpe, a hora é de paz e tranquilidade e… para pensar no coletivo e não no singular.

    Humberto Monteiro

  • RETROSPECTIVA DE 2016 NA GUINE-BISSAU

    Cronologia Janeiro  1 de Janeiro -  O Chefe de Estado, José Mário Vaz, reconheceu que no ano de 2016 perfilaram-se vários desafios que devem ser resolvidos para que se possa cimentar as bases de um desenvolvimento sustentável. 11 - As bancadas parlamentares do PRS e do PAIGC chegaram a consenso quanto ao agendamento da sessão extraordinária para o próximo dia 18, a fim de, [...]

    Read more

    "OS SOLIDÁRIOS"

    3 octobre 2017 | Reflexão
    &quote;OS SOLIDÁRIOS&quote;

    A chefe nenhum falta solidariedade. Por esta qualidade ser parilhada, os que a partilham são solidários, ou seja, pessoas entre as quais há responsabilidade recíproca e que por isso agem de forma mancomunada. Mais que em qualquer outra esfera de actividade humana, é na política que este fenómeno é observável. Por conseguinte, ter qualquer chefe político, por único responsável duma [...]

    Read more

    Mais um ano de vida e de luta foi contornado por este nosso jornal cuja luta tenaz tem sido desde a sua fundação servir os seus leitores, o país em geral, cada vez mais e com elevada qualidade. É um desafio que sempre aceitamos e procuramos encarar com serenidade, seriedade, honestidade, profissionalismo, cientes dos nossos limites materiais, financeiros e humanos. O ano que agora findou, [...]

    Read more

    BACIRO EMBALÓ ASSASSINADO EM GÃ MAMUDO : &quote;REGISTO BIOGRÁFICO&quote;

    Acontece que no dia 19/08/2016, aladje Baciro Embalo, mais conhecido por Aladje Baciro Embalo, mais conhecido por Aladje Sidi Cantchungo barbaramente assassinado a tiro, a queima roupa, junto a porta da sua casa, em Gã Mamudo, sector de Mansoa região de Oio, por um homem desconhecido. O aladje Seidi Cantchungo, foi surpreendido pelo assassino, quando se preparava para ir realizar a sua [...]

    Read more

    QUE SAÍDAS PARA A POLÍTICA INTERNA E EXTERNA DA GUINÉ-BISSAU?

      A recente visita do soberano marroquino ao país, Rei Mohamed VI, induziu-me a esboçar uma pequena reflexão sobre a diplomacia, área em que para além da minha formação, possuo como background mais de 30 anos de experiência efectiva, passados no desempenho de várias funções tanto ao nível do país, como no estrangeiro. No momento em que estão ser dados os primeiros passos no [...]

    Read more

    Serviço comunitário MTN irá investir cerca de treze milhões de francos CFA em Faculdades de Medicina de Bissau e Bafatá

      A empresa de Telecomunicação MTN em parceria com Ministério de Saúde publica irão investirem, acerca de treze milhões de francos cfa para as faculdades de medicina de Bissau e de Bafata com salas de informática completa, no quadro da jornada 21 dias do serviço à comunidade. A revelação foi feita hoje pelo Diretor-geral desta empresa de telecomunicação Jabulane [...]

    Read more

    É O DÉCIMO ERRO DO PAIGC E DE DSP?

    PAIGC DECLINOU O CONVITE DO PM EMBALÓ PARA INTEGRAR O GOVERNO NO ÂMBITO DO ACORDO DE CONAKRY. AONDE CONDUZIRÁ ESSA ATITUDE? DESEMBOCARÁ EM GANHOS POLÍTICOS QUE LEVARÃO À REABILITAÇÃO, REAFIRMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO PAIGC COMO A MAIOR FORÇA POLÍTICA DO PAÍS OU, SIMPLESMENTE, A UMA CATASTRÓFICA DERROTA DE CONSEQUÊNCIAS IMPREVISÍVEIS? Joga-se para ganhar e não para perder. [...]

    Read more

    Mamadu Iaia Djaló, líder do Partido da Nova Democracia (PND), demitiu-se esta sexta-feira das funções de conselheiro especial do Presidente da República por questões de "honestidade política". Em carta dirigida ao Presidente José Mário Vaz, o líder do PND justifica a sua decisão alegando "questões de princípios, coerência, transparência e honestidade política" como motivos que o[...]

    Read more

    ACORDO DE CONAKRY: FIM DA CRISE OU CRISE EM STAND BY?

      "Ter razão não dá razão", diz-se algures. A crise despoletada em Agosto de 2015 com a demissão do primeiro Governo da legislatura pelo Presidente da República, levou que tentativas várias fossem feitas para serenar os ânimos (no círculo do PAIGC), enquanto em níveis mais amplos, multilaterais, eram desenvolvidas iniciativas e acções que acabaram por envolver a comunidade [...]

    Read more

    Mudanças climáticas: Ministério da Educação promete integrar matéria ambiental no sistema de ensino

    Maria Odete Semedo falava durante a cerimónia de lançamento do Calendário 2016 sobre “O Parque natural dos Tarrafes do Rio Cacheu, face às Mudanças Climáticas” produzidas pela ONG Tiniguena. De acordo com a ministra, pretende-se com a iniciativa facultar aos estudantes e as comunidades conhecimentos e habilidades para melhorar as suas formas de lidar com problemas ambientais. [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>