• Crime organizado ganha força nas ilhas da Guiné-Bissau

    28 avril 2016 | Sociedade | Admin
  • Quando lhe apontaram uma pistola, Armando Nhaga virou costas e fugiu da pista de aviação da ilha de Bubaque, Guiné-Bissau, onde trabalha como guarda.

    Armando, 60 anos, testemunhou ao longo da última década a aterragem de voos clandestinos que se suspeita estarem ligados ao tráfico de cocaína da América do Sul para a Europa.

    « Na hora em que chegavam diziam-me: ‘sai’. E eu saía. Não ficava para ver o que faziam. Não queria problemas. Eu tinha medo e fugia, corria para casa na vila », Bubaque, onde nasceu e reside com uma família de 10 filhos.

    « Eu só tenho esta catana. É o meu trabalho », cortar o capim que cresce na pista de aviação com um quilómetro de extensão, em terra batida, e onde há sempre mais vacas a pastar que aviões.

    Quem já viajou nas pequenas aeronaves turísticas para Bubaque, capital do arquipélago dos Bijagós, sabe que a primeira passagem rente à pista serve para assustar os animais e só depois se tenta aterrar.

    Quando está programada a chegada de turistas há um funcionário dos serviços de imigração que se desloca ao local e faz o registo dos passageiros – sendo que, hoje, as leis aprovadas pelo Governo só deixam ali aterrar aviões que tenham descolado de Bissau.

    « Mas podem continuar a aterrar outros que violem as regras », reconhece Mário Valentim, administrador local da ilha – representante do Estado, à falta de autarquias no país.

    « Os aviões podem chegar que nós não temos meios para lá ir investigar », nem viaturas, nem combustível, acrescenta.

    A presença de crime organizado abrandou, depois de em 2013 as autoridades norte-americanas terem capturado militares da Marinha guineense envolvidos no tráfico de cocaína, mas o arquipélago continua a servir de esconderijo.

    Numa operação realizada em Agosto de 2015, a Interpol detectou nas ilhas cinco pessoas que « entraram como turistas, mas tinham um mandado de captura internacional », recorda Mário Valentim.

    « Esta zona insular é vulnerável », realça Luís Cabral, secretário de Estado da Administração Interna.

    « Os malfeitores aproveitam-se da situação e por isso entendemos por bem que temos que reforçar as estruturas », acrescenta.

    Na última semana, as Nações Unidas inauguraram na ilha um escritório permanente que se espera tenha, desde logo, um efeito « dissuasor », explicou à Lusa,

    Antero Lopes, um dos responsáveis pela missão política da ONU na Guiné-Bissau.

    « Haverá uma série de planos que se poderão implementar e que não seria possível se não tivéssemos uma presença permanente no terreno », referiu.

    De acordo com Antero Lopes, « os próprios parceiros internacionais e nacionais precisam de um ponto de contacto » para « troca de informações » e « convergência de esforços para responder a necessidades de investigação ».

    Pelo ar ou pelo mar, através das mais diversas embarcações, o arquipélago dos Bijagós, com cerca de 80 ilhas e ilhéus, continua praticamente sem vigilância e o novo escritório da ONU é um primeiro passo.

    Outros poderão ser dados se as forças de segurança e autoridades da Guiné-Bissau partilharem melhor os meios que já foram oferecidos nos últimos anos a cada uma delas – barcos, viaturas e equipamentos.

    Esse apelo à eficiência foi feito durante uma conferência sobre segurança marítima que decorreu a par da inauguração do espaço permanente das Nações Unidas.

    Foi também anunciado o plano, apoiado por parceiros internacionais, de construir uma esquadra e instalações para a Polícia Judiciária.

    O tempo o dirá se as ideias vão passar à prática rapidamente ou se se vão juntar à antiga placa que, numa das ruas de Bubaque, sinaliza os terrenos destinados à PJ.

    A ferrugem que corrói o letreiro mostra que o combate ao crime é uma intenção antiga, inacabada.

  • GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    A DÍVIDA HIPOTECA O FUTURO DO PAÍS

    O Homem íntegro é incorruptível; aquele cuja integridade leva a agir de acordo com as suas convicções, sem fazer qualquer concessão que ponha em causa a sua honra e dignidade. Esse homem pode ser um político? Qual é o preço da convicção de um governante? Pode ser negociado? Será que, em nome da chefia, pode-se negociar as convicções de um povo? Claro que não! Assim diria um [...]

    Read more

    Reações: LGDH acusa Presidente da República de ignorar esforços dos parceiros

    O secretário Nacional da Comunicação e porta-voz da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) garantiu, hoje, na sede da organização em Bissau, que o derrube do Governo pelo Presidente da República foi uma decisão isolada e projetada. Durante a comunicação a imprensa Alex Bassuko Santos Lopes disse que, infelizmente, perante todo este cenário José Mário Vaz optou por uma decisão [...]

    Read more

    SINDEPROF desmente declarações da ministra da Educação sobre pagamento de salários aos professores

     “É triste quando um alto responsável de um órgão da soberania do país se dá ao luxo de fazer tais declarações”, lamentou Armando Vaz do SINDEPROF esta terça-feira. Conforme o sindicalista, «infelizmente», desde o anuncio da ministra, segunda-feira  qualquer professor que já passou pelos bancos saiu de lá muito chocado pois, «nenhum dinheiro foi colocado nos bancos». [...]

    Read more

    Assaltada por um vazio, deito a mão ao actual livro de cabeceira, a compilação “Pensar para Melhor Agir”, das intervenções do Fundador das nacionalidades GB e CV, Amilcar Cabral, no Seminário de Quadros, 1969. E leio: “ Alguns camaradas, mesmo entre os que estão sentados nesta sala, têm a tendência de procurar comodidades à medida que crescem as suas responsabilidades. Há [...]

    Read more

    «Não há crise política na Guiné-Bissau, mas sim impasse institucional» - Soares Sambu, ministro dos Negócios Estrangeiros A situação na Guiné-Bissau foi novamente objecto de um debate no Conselho de Segurança da ONU. O relatório do secretário-geral não é muito otimista, se o impasse persistir. O Conselho de Segurança mantém as sanções e acredita que esta medida permitiu [...]

    Read more

    A antena da Guiné-Bissau da Rede de Paz e Segurança para as Mulheres no Espaço da CEDEAO (RPSME) promoveu, hoje, uma marcha das mulheres pela paz e estabilidade, para ultrapassar a atual crise vigente na Guiné-Bissau. O evento decorreu do aeroporto Osvaldo Vieira à Praça dos Heróis Nacionais, uma distância de cerca de sete quilómetros A responsável da organização na Guiné-Bissau[...]

    Read more

    Para evitar pagamento criadores de gado resistem à vacinação de animais

    "Estamos a deparar com alguns entraves provocados pela resistência de algumas pessoas em vacinar os gados, alegando falta dinheiro; mas, pela injeção de cada animal cobramos um preço muito simbólico”. O esclarecimento é do vice-presidente da Associação dos Criadores de Gado, aquando do início da campanha de vacinação de gado hoje na cidade de Bafatá. Os trabalhos desenvolvidos [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas.   Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo [...]

    Read more

    Greve de professores: SINDEPROF agenda marcha pacífica de reivindicação contra o silêncio do governo

    O SINDEPROF (Sindicato Democrático dos Professores) agendou uma marcha pelas ruas de Bissau esta quinta-feira como forma de chamar a atenção para as causas da reivindicação em curso. É necessário acompanhar a actual greve da classe com uma marcha pacífica no sentido de informar a opinião pública nacional e internacional sobre a posição do governo relativamente as reivindicações da[...]

    Read more

    Veja mais artigos >>