• Crime organizado ganha força nas ilhas da Guiné-Bissau

    28 avril 2016 | Sociedade | Admin
  • Quando lhe apontaram uma pistola, Armando Nhaga virou costas e fugiu da pista de aviação da ilha de Bubaque, Guiné-Bissau, onde trabalha como guarda.

    Armando, 60 anos, testemunhou ao longo da última década a aterragem de voos clandestinos que se suspeita estarem ligados ao tráfico de cocaína da América do Sul para a Europa.

    « Na hora em que chegavam diziam-me: ‘sai’. E eu saía. Não ficava para ver o que faziam. Não queria problemas. Eu tinha medo e fugia, corria para casa na vila », Bubaque, onde nasceu e reside com uma família de 10 filhos.

    « Eu só tenho esta catana. É o meu trabalho », cortar o capim que cresce na pista de aviação com um quilómetro de extensão, em terra batida, e onde há sempre mais vacas a pastar que aviões.

    Quem já viajou nas pequenas aeronaves turísticas para Bubaque, capital do arquipélago dos Bijagós, sabe que a primeira passagem rente à pista serve para assustar os animais e só depois se tenta aterrar.

    Quando está programada a chegada de turistas há um funcionário dos serviços de imigração que se desloca ao local e faz o registo dos passageiros – sendo que, hoje, as leis aprovadas pelo Governo só deixam ali aterrar aviões que tenham descolado de Bissau.

    « Mas podem continuar a aterrar outros que violem as regras », reconhece Mário Valentim, administrador local da ilha – representante do Estado, à falta de autarquias no país.

    « Os aviões podem chegar que nós não temos meios para lá ir investigar », nem viaturas, nem combustível, acrescenta.

    A presença de crime organizado abrandou, depois de em 2013 as autoridades norte-americanas terem capturado militares da Marinha guineense envolvidos no tráfico de cocaína, mas o arquipélago continua a servir de esconderijo.

    Numa operação realizada em Agosto de 2015, a Interpol detectou nas ilhas cinco pessoas que « entraram como turistas, mas tinham um mandado de captura internacional », recorda Mário Valentim.

    « Esta zona insular é vulnerável », realça Luís Cabral, secretário de Estado da Administração Interna.

    « Os malfeitores aproveitam-se da situação e por isso entendemos por bem que temos que reforçar as estruturas », acrescenta.

    Na última semana, as Nações Unidas inauguraram na ilha um escritório permanente que se espera tenha, desde logo, um efeito « dissuasor », explicou à Lusa,

    Antero Lopes, um dos responsáveis pela missão política da ONU na Guiné-Bissau.

    « Haverá uma série de planos que se poderão implementar e que não seria possível se não tivéssemos uma presença permanente no terreno », referiu.

    De acordo com Antero Lopes, « os próprios parceiros internacionais e nacionais precisam de um ponto de contacto » para « troca de informações » e « convergência de esforços para responder a necessidades de investigação ».

    Pelo ar ou pelo mar, através das mais diversas embarcações, o arquipélago dos Bijagós, com cerca de 80 ilhas e ilhéus, continua praticamente sem vigilância e o novo escritório da ONU é um primeiro passo.

    Outros poderão ser dados se as forças de segurança e autoridades da Guiné-Bissau partilharem melhor os meios que já foram oferecidos nos últimos anos a cada uma delas – barcos, viaturas e equipamentos.

    Esse apelo à eficiência foi feito durante uma conferência sobre segurança marítima que decorreu a par da inauguração do espaço permanente das Nações Unidas.

    Foi também anunciado o plano, apoiado por parceiros internacionais, de construir uma esquadra e instalações para a Polícia Judiciária.

    O tempo o dirá se as ideias vão passar à prática rapidamente ou se se vão juntar à antiga placa que, numa das ruas de Bubaque, sinaliza os terrenos destinados à PJ.

    A ferrugem que corrói o letreiro mostra que o combate ao crime é uma intenção antiga, inacabada.

  • “(…) Arrependi-me de fazer esta enumeração de problemas porque o leitor da Guiné, depois de a ler, dirá logo ao primeiro amigo que tudo isso é desnecessário (se não disser qualquer nome feio) porque sempre se viveu sem se saber das condições de vida do preto e a Guiné progrediu sem isso e até porque desses inquéritos não resultará aumento de volume de negócios ou de riqueza [...]

    Read more

    República da Guiné-Bissau MINISTÉRIO DAS PESCAS ¬¬DIRECÇÃO GERAL DA FORMAÇÃO E APOIO AO DESENVOLVIMENTO DAS PESCAS PROJET REGIONAL DES PECHES EN AFRIQUE DE L’OUEST (PRAO GUINEE-BISSAU) SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET POUR LA SELECTION D’UN CONSULTANT POUR L’ELABORATION DU MANUEL DE PROCEDURES ADMINISTRATIVES, COMPTABLES ET FINANCIERES DU PRAO-GUINEE BISSAU [...]

    Read more

    Não é por acaso que o Presidente da República, José Mário Vaz, não marcou presença, quando devia presidir o acto da celebração da efeméride do 3 de Agosto e a cerimônia de entrega das obras de requalificação da Praça dos Mártires de Pindjiguiti que veio a ser, presidido pelo presidente da ANP, Cipriano Cassamá, que no seu discurso se preocupou em tecer elogios ao governo e trazer a[...]

    Read more

    A SOLUÇÃO DA CRISE ESTÁ À MÃO DE SEMEAR

    «Kadda kusa ku si kumsada i ta tem si fim son si Deus ka misti ki kata kaba!» (Tudo o que começa acaba; só não acaba se Deus não quiser!) – José Carlos Schwarz músico guineense. A crise que se vive na Guiné-Bissau começou algures mas, para não esgravatar a história recente do PAIGC, Partido vencedor das últimas eleições gerais, vamos situar o ponto de partida na Assembleia [...]

    Read more

    “Toka-Toka”: servindo o povo entre elogios dificuldades e depreciações

    TOKA-TOKA é o transporte urbano mais usado de Bissau, mais barato, mas também o mais agitado. Começa a circular às 06 horas e só pára entre às 21 e 22 horas, das periferias ao centro da cidade. Todos passam pelo maior centro comercial do país, o Mercado Municipal de Bandim, onde se vende de tudo para todos os gostos e necessidades, e, em função de qualquer situação financeira. [...]

    Read more

    PR JOMAV exonera secretário de estado da Ordem Pública

    O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, exonerou hoje o secretário de Estado da Ordem Pública, Francisco Malam Djata, segundo um decreto presidencial divulgado à imprensa «É o senhor Francisco Malam Djata exonerado de funções de secretário de Estado da Ordem Pública», lê-se no diploma. O decreto, que não avança as razões para a exoneração de Francisco Malam Djata [...]

    Read more

    PR JOMAV ESTÁ Satisfeito COM O "AMBIENTE QUE VIVE HOJE NA GUINÉ BISSAU" MAS ... HÁ QUESTÕES QUE INTIMAM O GUINEENSE "A alteração da Constituição não é matéria da competência do Presidente da República, é matéria da competência dos guineenses e dos políticos. É uma matéria da exclusiva competência do povo e compete ao povo falar sobre isso", disse no dia 13 de setembro (era [...]

    Read more

    QUE SAÍDAS PARA A POLÍTICA INTERNA E EXTERNA DA GUINÉ-BISSAU?

      A recente visita do soberano marroquino ao país, Rei Mohamed VI, induziu-me a esboçar uma pequena reflexão sobre a diplomacia, área em que para além da minha formação, possuo como background mais de 30 anos de experiência efectiva, passados no desempenho de várias funções tanto ao nível do país, como no estrangeiro. No momento em que estão ser dados os primeiros passos no [...]

    Read more

    Presidente da Liga investido para mandato de quatro anos: PGR promete tudo fazer para que os direitos humanos sejam respeitados

    Augusto Mário da Silva foi investido esta terça-feira ao cargo de presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH), numa cerimónia presidida pelo Procurador-Geral da República, para um mandato de quatro anos. O presidente da LGDH foi eleito no 3º Congresso Ordinário da organização realizado no dia 16 de Maio passado. O PGR Hermenegildo Pereira, expressou o compromisso público[...]

    Read more

    Minino di nha Terra

    27 janvier 2016 | Cultura
    Minino di nha Terra

    Minino di nha Terra Lundjo ma perto santado ma sin pressa gritos sunhos misti bidá bardade má ‘sperança cu confianca nó cumpanher minino ku na lanta ka bu dissa é robau mass kil ky di bó, bu liberdade dirito di vive na bu terra sin sinti kumá abó y di kintal sin cunsi trato de mufino Minino di nha terra É terra y ká kintal di nin Presidente y ká bulanha di políticos[...]

    Read more

    Veja mais artigos >>