• O mundo é constituído de Homens excepcionais em todos os domínios; podem ser bons assim como maus em certas especialidades. É imprescindível que o homem que aspira a exercer funções de liderança nas instituições públicas, imperativamente, abdique do valor egocêntrico.

    O diálogo é a única riqueza de um verdadeiro partido político, porque, dialogando é que os homens conseguem excluir qualquer possibilidade de serem governados pelo ego. Numa sociedade como a nossa, que já conheceu e que vive em instabilidades constantes, pensamos que os homens deveriam deixar de lado os seus interesses primários (o Poder), para dar lugar aos interesses da colectividade (o bem-estar social do povo) porque o povo já nem sabe o que fazer das asneiras dos intelectuais egocêntricos da nossa classe política.

    O líder africano que criou o Partido do povo (PAIGC) dizia assim: “O nosso povo africano sabe muito bem que a serpente pode mudar de pele, mas é sempre uma serpente.” Será que o PAIGC tornou-se numa serpente graças ao concurso do egocentrismo, ou o Cabralismo é que mudou de cor?

    Os erros que caracterizam o funcionamento do PAIGC afectam consideravelmente a vida social e política da Guiné-Bissau, sem contar com o descrédito que tudo isso causa à imagem do país e à sua credibilidade internacional.

    O conflito descabido, entre o Presidente da República e o Presidente do PAIGC, é completamente desnecessário. A génese dessa guerra o egocentrismo que se vive neste partido há muitos anos.

    Não podemos ignorar que o PAIGC enquanto partido é um laboratório da desgraça nacional que produz golpes e contragolpes. Mas a minha questão É: Porque é que toda esta capacidade em fabricar golpes e contragolpes não é posta em função do desenvolvimento do bem-estar social e política da Guiné-Bissau? A asneira e o egocentrismo que primam sobre a vontade de entendimento nos últimos tempos no partido consomem uma energia intelectual considerável fazendo com que ninguém consiga tirar proveito das suas capacidades reais e nem coloca-las devidamente ao serviço do povo e do país.

    Este povo que não dispõem de recursos intelectuais necessários para se defender das aldrabices dos intelectuais mal-intencionados, é como um indivíduo julgado, que aguarda a sentença condenatória. Políticos sem preparação, intelectuais silenciosos que não emitem opiniões, que não dão provas da sua valia, que vivem ao sabor de vontades políticas manipulados por gente sem escrúpulo, são condenados a viver obcecados pelo incentivo imoral que é chegar ao poder custe o que custar.

    “Há pessoas que amam o poder, e outras que têm o poder de amar” disse Bob Marley. Um grande pensador da política, Max Weber, faz diferença entre os homens que vivem pela política e os homens que vivem da política. Ele explica que aquele que vive pela política, para ele a política tem valor inestimável, faz dele o projeto da sua vida, que lhe dá a vontade de viver e de lutar por uma causa; é por esta causa que todo o homem sério vive. Ele é o verdadeiro político que pode deixar de lado o seu ego e meter a sua capacidade e seu carisma ao serviço dos outros. Aquele que vive da política, não conhece o valor nem a causa; ele está na política por causa dos benefícios do poder, a saber: o enriquecimento pessoal, que implica a total afirmação do egocentrismo para poder atingir o seu objectivo primário – poder do dinheiro.

    O país está em ruínas e o povo inquieto; a comunidade internacional está farta das quezílias sem fim; doutra parte, os intelectuais egocêntricos bloquearam o país numa guerra sem nexo animados pela ambição de viver do poder, poder que não lhes pertence, porque, na democracia, o poder é do povo, que confia-o a quem quiser, quando quiser, através de um processo universalmente aceite chamado “jogo democrático”.

    Os nossos políticos deviam colocar de lado o ego para se aplicarem ao trabalho do desenvolvimento do país. O povo está a espera de uma verdadeira guerra contra a pobreza e que a vitória final seja gloriosa e que beneficie todos, sem excepção e sem qualquer distinção da cor, raça, etnia ou credo religioso.

    Um bom dirigente é aquele que sabe que, ser um bom político não é difícil basta saber respeitar a vontade do povo e criar os mecanismos necessários para defender os seus interesses sem egocentrismo, mas com grande carisma.

    Para concluir queria, muito respeitosamente, aconselhar o Presidente da República e o presidente do PAIGC a privilegiarem o diálogo; que o bom senso prevaleça; que deixem  pelo caminho o egocentrismo porque o Homem que detém o Poder deve ser moderado, muito moderado.

    Adulai INDJAI

  • ENTRENÓS KU NÓS : Desafio ao PRS - Partido da Rebovação Social

    “A Liberdade Mental deve ser da autoria do Próprio Individuo”- Dr. Kumba Yalá Desde as eleições muito tenho escrito sobre a Guiné- Bissau, mas nunca tinha dedicado umas linhas ao maior partido da Oposição. Melhor, ao Partido do arco da governação. Um partido que, num total de 102 deputados na assembleia da república, por ter 41 deputados merece toda a atenção de todos os [...]

    Read more

    O líder do Movimento Patriótico manifestou-se sexta-feira contra uma eventual constituição de um Governo de unidade nacional, mostrando a sua inexistência na Constituição da República. Por isso, defende que se não for o PAIGC, se não for uma nova maioria, então que se dissolva a Assembleia Nacional Popular permitindo ao povo eleger novos parlamentares. José Paulo Semedo lembrou [...]

    Read more

    ANTONIO GUTERRES E O NOVO SECRETARIO-GERAL DA ONU

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas escolheu, esta quinta-feira, por unanimidade e aclamação o antigo primeiro-ministro português António Guterres como secretário-geral da organização. "O Conselho de Segurança recomenda à Assembleia-Geral que o senhor António Guterres seja designado como secretário-geral das Nações Unidas, entre 1 de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de [...]

    Read more

    A Associação de Saneamento Básico, Protecção de Água e Ambiente (ASPA) da Região de Bafatá iniciou, ontem, o repovoamento do Parque Natural de Bomma em Bafatá com árvores de variedades locais. Os trabalhos desenvolvidos nos últimos dias devem-se ao mau tempo que assola aquela região, que derrubou várias árvores de grande porte. Por essa razão, a ASPA vai semear quatro tipos de [...]

    Read more

    Condé admite falhas na gestão da mediação da CEDEAO e UA Alpha Condé, presidente em exercício da União Africana, admitiu estq quinta-feira em Paris falhas na gestão da mediação da CEDEAO e da organização panafricana, incapaz de por cobro ao impasse em Bissau tendo defendido a necessidade de alterar a constituição guineense. Alpha Condé é também o chefe de Estado da Guiné [...]

    Read more

    QUE SAÍDAS PARA A POLÍTICA INTERNA E EXTERNA DA GUINÉ-BISSAU?

      A recente visita do soberano marroquino ao país, Rei Mohamed VI, induziu-me a esboçar uma pequena reflexão sobre a diplomacia, área em que para além da minha formação, possuo como background mais de 30 anos de experiência efectiva, passados no desempenho de várias funções tanto ao nível do país, como no estrangeiro. No momento em que estão ser dados os primeiros passos no [...]

    Read more

    O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou esta quarta-feira aos políticos guineenses para aplicarem o Acordo de Bissau para acabar com o impasse político que o país vive. O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou esta quarta-feira aos políticos guineenses para aplicarem o Acordo de Bissau para acabar com o impasse político que o país vive. Num comunicado [...]

    Read more

    Mamadu Iaia Djaló, líder do Partido da Nova Democracia (PND), demitiu-se esta sexta-feira das funções de conselheiro especial do Presidente da República por questões de "honestidade política". Em carta dirigida ao Presidente José Mário Vaz, o líder do PND justifica a sua decisão alegando "questões de princípios, coerência, transparência e honestidade política" como motivos que o[...]

    Read more

    GUINEENSES NAS RUAS DE BISSAU CONTRA JOSÉ MÁRIO VAZ

    Manifestantes exigiram, este sábado (25.03), na Guiné-Bissau, a demissão do Presidente da República. Segundo os movimentos sociais, José Mário Vaz é o principal responsável pela crise que se arrasta no país. Centenas de pessoas foram às ruas da capital guineense, Bissau, no sábado (25 de março), para exigir a renúncia do Presidente José Mário Vaz. A manifestação pacífica foi [...]

    Read more

    Em resposta ao apelo das organizações da sociedade civil guineense agrupadas na Aliança Nacional para Paz e Democracia que decidiu avançar para desobediência civil a nível nacional, hoje, o Sindicato  dos Motoristas e Rodoviários da Guiné-Bissau (SMR) revelou que não vai aderir à iniciativa, por considerar os atuais acontecimentos no país de cunho político e que devem ser resolvidos [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>