• Ex-presidente Serifo Nhamadjo fala da crise política : «Eu não faria parte do problema, mas sim da solução» –

    12 février 2016 | Entrevista | Admin
  • O ex-Presidente da República de Transição, Manuel Serifo Nhamadjo, culpa os veteranos do PAIGC pela crise profunda do partido libertador cujos militantes e dirigentes estão em rota de colisão.
     
    Em entrevista exclusiva à Rádio Makaré-FM, o ex-Chefe de Estado afirmou que “não se pode resolver um problema intensificando-o.”
    “Se fossemos nós a gerir esse conflito, garanto que não se chegaria ao extremismo que se verifica. Tenho plena certeza disso porque a resolução de qualquer problema está em duas partes. Se alguém quisesse criar problema far-lhe-ia ver que não estava interessado nisso; far-lhe-ia ver que tinhamos que procurar soluções. Eu não faria parte do problema, mas, faria tudo para ser parte da solução do problema”, garantiu Nhamadjo.
    No entender do ex-Presidente da República de Transição, “enquanto não houver parte que ceda, demonstrando humildade, não iremos a lado nenhum. Duas pessoas quando se digladiam, não se pode meter ao meio pois aumenta a crise, faz crescer ódios e as perspetivas de vingança tornam-se cada vez maiores”.
    Sobre as contradições internas no PAIGC, que resultaram na expulsão de 15 dirigentes e a consequente perda de mandatos na ANP, como deputados, o ex-chefe de Estado garante que em nenhum momento se pode sancionar um deputado por emitir a sua opinião.
    “Ora, se isso foi tão baralhado ao ponto de se dizer que pode-se tirar-lhe o mandato para expulsa-lo, bem, as interpretações, como se diz, “cada um, leva à sua razão”. Mas, quem pode dirimir esse conflito são os próprios atores que estão em conflito porque, eles, sendo da mesma casa política, tratando-se, suponho eu, de gente que tem os mesmos objetivos para o país deviam ver a melhor saída negociada ao invés de chegar ao extremismo, isto é, até ao ponto de tentarem expulsar-se uns aos outros”, explica Nhamadjo.
    Na opinião do ex-chefe de Estado, as partes “chegaram nesta fase, a meu ver, por falta de capacidade de negociação, falta de capacidade de diálogo, falta de paciência e, talvez, falta de humildade”.
    “As pessoas não podem pretender continuar, como se fazia no passado em que bastava ser de opinião contrária para ser apontado como inimigo”, disse.
    Para El Hadj Serifo Nhamadjo, os principais responsáveis pela crise no PAIGC são os veteranos que deviam servir de “reserva moral” aos mais novos. Mas que, infelizmente, não souberam jogar o seu papel de “apaziguadores”.
    “Eu culpo, em grande medida, dois grupos: os mais velhos e os históricos, que deviam segurar a máquina do Partido não para serem executores mas, para serem núcleo de reserva moral que devia estar no Partido. Quando nós, os mais jovens, estivéssemos errados, que nos mostrassem que o caminho adotado não era o melhor, que nos dissessem “erramos nessa via, não errem na mesma via”. Manter-se como reserva moral de aconselhamento para ajudar os jovens que têm cada vez maior ambição de fazer mais e melhor para dar continuidade à brilhante luta do PAIGC para se poder trabalhar como deve ser. Mas, infelizmente, quando há um pequeno problema os históricos dividem-se e, por arrasto, levam os jovens”, afirmou o ex-Presidente da República.
    Recorde-se que Manuel Serifo Nhamadjo foi deputado, presidente do conselho de administração da ANP, presidente da ANP, e, mais recentemente Presidente da República durante o período de transição política que se seguiu ao golpe de estado de 2012. Depois das eleições de 2014, foi felicitado pela forma como conduziu o processo de transição no país.
    É considerado em muito meios como um potencial candidato a liderança do PAIGC e também, um potencial presidencial nas próximas eleições.

     

  • UM GOVERNO DE CONSENSOS

    Dos resultados saídos das eleições, dos apelos da comunidade internacional e das vontades políticas internas, tendo como pano de fundo o espírito da inclusão, assim se formou o XXI governo da República da Guiné-Bissau empossado no passado dia 4 de Julho de 2014 pelo Presidente da República. Um governo liderado pelo Eng° Domingos Simões Pereira, Presidente do partido vencedor das [...]

    Read more

    Não é por acaso que o Presidente da República, José Mário Vaz, não marcou presença, quando devia presidir o acto da celebração da efeméride do 3 de Agosto e a cerimônia de entrega das obras de requalificação da Praça dos Mártires de Pindjiguiti que veio a ser, presidido pelo presidente da ANP, Cipriano Cassamá, que no seu discurso se preocupou em tecer elogios ao governo e trazer a[...]

    Read more

    Assaltada por um vazio, deito a mão ao actual livro de cabeceira, a compilação “Pensar para Melhor Agir”, das intervenções do Fundador das nacionalidades GB e CV, Amilcar Cabral, no Seminário de Quadros, 1969. E leio: “ Alguns camaradas, mesmo entre os que estão sentados nesta sala, têm a tendência de procurar comodidades à medida que crescem as suas responsabilidades. Há [...]

    Read more

    QUEM VAI FAZER GUERRA NA GUINÉ?

    A crise em que o país está mergulhado há mais de um ano, pelos vistos, está a criar imagens virtuais que provocam ilusões ópticas em muita gente. Surgem profetas de mau agouro pressagiando devir próximo de um holocausto no país numa altura em que, acima de tudo, precisa-se de entendimento, paz e estabilidade. Não falam de mortos mas os subentendidos terríficos dos discursos que [...]

    Read more

      O coordenador nacional dos Assuntos dos peregrinos admitiu, hoje, em Bissau, a culpa em nome do Alto comissariado para Peregrinação aos lugares Sagrados do Islão pela não participação dos muçulmanos guineenses no cumprimento do quinto pilar do islão. O pedido de desculpas aos que não conseguiram deslocar-se à Meca foi feito publicamente em conferência de imprensa. Dino [...]

    Read more

    GUINE-BISSAU: REFLETINDO EM NOME DAS GERAÇÕES FUTURAS EIS ALGO PARA PENSAR…

    Desde o início da sua história, a Guiné-Bissau tem sido sempre um país diverso. Se você ler os boletins culturais e/ou outras publicações emitidas pelas autoridades portuguesas durante a época colonial, descobre que o território que constitui a Guiné-Bissau era ainda mais diversificada na década de 1940 do que é hoje. Após a independência, mais particularmente nos anos 80, as [...]

    Read more

    Crime organizado ganha força nas ilhas da Guiné-Bissau

    Quando lhe apontaram uma pistola, Armando Nhaga virou costas e fugiu da pista de aviação da ilha de Bubaque, Guiné-Bissau, onde trabalha como guarda. Armando, 60 anos, testemunhou ao longo da última década a aterragem de voos clandestinos que se suspeita estarem ligados ao tráfico de cocaína da América do Sul para a Europa. "Na hora em que chegavam diziam-me: 'sai'. E eu saía. Não [...]

    Read more

    ANTONIO GUTERRES E O NOVO SECRETARIO-GERAL DA ONU

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas escolheu, esta quinta-feira, por unanimidade e aclamação o antigo primeiro-ministro português António Guterres como secretário-geral da organização. "O Conselho de Segurança recomenda à Assembleia-Geral que o senhor António Guterres seja designado como secretário-geral das Nações Unidas, entre 1 de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de [...]

    Read more

    ONG turca doa cinco toneladas de géneros alimentícios às pessoas carentes

    Cinco toneladas de géneros alimentícios foram doados pela ONG turca (HASSENE) sedeada na Alemanha às crianças necessitadas da Guiné-Bissau através da Associação Juvenil para a Reinserção Social (AJURES). Arroz, leite, açúcar e maionese, fazem parte do lote de géneros doados no âmbito da Segunda Edição da tradicional jornada de distribuição de géneros alimentícios durante o [...]

    Read more

    Greve de professores: SINDEPROF agenda marcha pacífica de reivindicação contra o silêncio do governo

    O SINDEPROF (Sindicato Democrático dos Professores) agendou uma marcha pelas ruas de Bissau esta quinta-feira como forma de chamar a atenção para as causas da reivindicação em curso. É necessário acompanhar a actual greve da classe com uma marcha pacífica no sentido de informar a opinião pública nacional e internacional sobre a posição do governo relativamente as reivindicações da[...]

    Read more

    Veja mais artigos >>