• FALAR RECONCILIAÇÃO FAZER EXCLUSÃO

    28 novembre 2015 | Reflexão | Admin
  • Dá muito jeito falar de reconciliação na Guiné-Bissau, porque no mercado politico nacional é produto que se procura desesperadamente, a ponto de, na maioria dos casos, comprarmos gato por lebre sem nos importarmos com o bichano que compramos. Precisamos dela como de água no deserto.
    Essa dramática necessidade, paradoxalmente tem sido aproveitada mais para se ocupar centros de decisão e daí implementar processos de exclusão. Nas campanhas eleitorais ou outras, todos juram a pés juntos serem pela reconciliação, unidade, paz, desenvolvimento, contra a divisão, tribalismo, etc, etc. .  Mal atingem o poleiro, na maioria dos casos, inexplicavelmente, transformam-se nos mais corrosivos adversários dos seus próprios interesses e deveres essenciais, que são a defesa da legalidade, equidade e sensatez no exercício das suas funções, de jeito a impedirem caminho a factores promocionais de conflitos geradores de mais ódio, divisão e subdesenvolvimento.
    Este comportamento merece um estudo muito sério, porque é irracional e prejudica em primeiro lugar os responsáveis por ele, quando são políticos com a missão de governar o país. A meu ver, dirigir, seja a que escala for, implica que se seja capaz de, em circunstância alguma, se esquecer que se está a agir em nome e para defesa dos interesses das pessoas. Para que isso suceda com qualidade e satisfação da maioria, deve-se selecionar o staf, tendo por critério principal a competência, capacidade e disponibilidade de e para o trabalho. Nunca excluir por clientelismo ou outros “ismos” do estilo, porque isso é contrário à qualidade, factor sem o qual, boa governação não se consegue instalar. A título de exemplo, notemos que sempre que a cólera assola o país, ninguém se descuida com a qualidade da água e outros alimentos que consome, porque disso pode depender o fim do fulano ou fulana. Isso é um ensinamento particularmente recomendável para quem está a governar. O inverso sempre levou à desgraça, porque as sociedades também sobrevivem graças à qualidade do que consomem, nomeadamente, do cardápio politico-governamental.
    Ao nos darmos conta de que as exonerações e nomeações que temos vindo a conhecer nos últimos tempos, numa elevada percentagem de casos, são trocas algo bizarras, se balançarmos, em termos relativos, as competências envolvidas. Em muitos casos, a mediocridade substituiu a competência e experiência. E o que mais me surpreende e entristece, acreditem ou não, é o facto de que a composição da presente equipa no poder é um paradigma desejável para qualquer sociedade desde que constituído segundo outros critérios.
    Se tivermos em conta a procedência e a história das relações políticas dos integrantes, nomeadamente do elenco governamental, diríamos que estamos face a um caso suis generis de reconciliação e integração, pois que semelhante amálgama ninguém acreditava que extravasasse o domínio do virtual. Mas porque o guineense ganha todos os “mundiais” da originalidade pela negativa, esta equipa entendeu fazer da exclusão um objectivo estratégico, alegadamente porque vale mais trabalhar com um incompetente da sua confiança do que com quem pensa e seja capaz de fazer, para estarem seguros nos respectivos postos. Esta incongruência é simplesmente horrível, na medida em que está a suceder numa época em que o nosso país é o maior depositário de provas provadas de que a exclusão é a “mãe “ de todas as degraças. Lamentavelmente insistimos em desgraçar o país, por continuarmos a privilegiar a aberração de proceder “ao preenchimento da escala hierárquica administrativa com quadros partidários ou “clientes”, em detrimento das competências e qualificações exigidas pelas funções. Não espanta por isso ver-se à frente de cargos profissionalmente exigentes, indivíduos pouco capacitados que, em função da sua lealdade pessoal para com o seu chefe (patrono), são convidados a ocupar esses cargos para os quais estão motivados, mas para que nunca foram tecnicamente preparados” 1.
    Nós somos um povo pobre num país rico, porque temos muito pouco capital humano (intelectual) para investir no desenvolvimento e fazemos da exclusão um instrumento de combate às diferenças de pensamento e postura na classe politica, nomeadamente. Pena: quem exclui não conclui.
    Em jeito de fecho, é com acentuada vénia que cito um pensamento expresso pelo saudoso Comissário Principal, Francisco Mendes (Chico Té): “Não é preciso que toda a gente seja do partido. O que é preciso, é que toda a gente seja patriota”.
    ——————————————-
    1. Álvaro Nóbrega,
    “ A LUTA PELO PODER NA GUINÉ-BISSAU”, pag: 182
    Ernesto Dabo
  • RAMOS HORTA, VAI VENCER A BATALHA CONTRA O TEMPO?

    No fim do mês de Janeiro corrente, o Senhor José Ramos Horta vai iniciar o exercício das suas actividades como Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas na República da Guiné-Bissau. Apesar da minha profunda convicção, de que anima-o a intenção de trabalhar em prol da paz e da estabilidade, e que esse sentimento é sincero, permita-me dizer que não acredito que vai [...]

    Read more

    12 décembre 2009 | Djumbai

    Clicar aqui para Abrir o Djumbai          

    Read more

    Depois da crise política e institucional fazer o quê?

    Carlos Correia é o nome indicado pelo presidente do PAIGC, com aprovação do Bureau Político, como “candidato alternativo ao cargo de Primeiro-Ministro” (número 2 do artigo 40 dos estatutos do PAIGC). O Presidente da República, deu anuência e, a Guiné-Bissau tem um novo Primeiro-Ministro. Desta feita, um HOMI GARANDI, competente, experiente, de poucas palavras. PAIGC está de [...]

    Read more

    Região de Bafatá: CONAEGUIB e RAJ realizam encontro nacional

    A terceira edição do campo de formação, estudo, trabalho, primeiro encontro de desenvolvimento comunitário, adiado para o mês Agosto iniciou no sábado em Bafatá. O encontro organizado pela Confederação Nacional dos Estudantes da Guiné-Bissau (CONAEGUIB) e a Rede das Associações Juvenis (RAJ) reúne organizações vindas de diferentes quadrantes do território nacional. O [...]

    Read more

    No âmbito do Dia Nacional da literatura e poesia, a Associação Guineense dos Escritores (AGE) homenageou hoje, no Clube do Bairro d´Ajuda, o pioneiro da música guineense, José Carlos Schwartz. A iniciativa visa atribuir valor, como é habitual, à uma figura falecida ou viva, ligada a literatura ou música. As atividades comemorativas foram marcadas com récitas de poesias, atuação [...]

    Read more

    A QUEDA DO GOVERNO NÃO É NOVO E NÃO PASSA DO “DÉJÀ-VU”

    O gesto de demissão do Governo bissau-guineense, procedido ontem (12.08,2015) pela S Ex. Sr. Presidente da República da Guiné-Bissau é mau, uma loucura!  Mas enfim, ele não é novo e não passa do “déjà-vu” dos últimos 21 anos da instituição e “exercício” da nossademocracia pluralista, multipartidária e parlamentar. As 1aseleições de 1994 constituiram o pontapé de [...]

    Read more

    Depois de duas semanas de grande turbulência, o programa do Governo de Carlos Correia acabou por passar na Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, mas os narcotraficantes latino-americanos tudo farão para que o Estado guineense continue fraco, pois só assim servirá os seus interesses. Com muita dificuldade, o PAIGC conseguiu substituir os deputados que não haviam inicialmente [...]

    Read more

    A antena da Guiné-Bissau da Rede de Paz e Segurança para as Mulheres no Espaço da CEDEAO (RPSME) promoveu, hoje, uma marcha das mulheres pela paz e estabilidade, para ultrapassar a atual crise vigente na Guiné-Bissau. O evento decorreu do aeroporto Osvaldo Vieira à Praça dos Heróis Nacionais, uma distância de cerca de sete quilómetros A responsável da organização na Guiné-Bissau[...]

    Read more

    «Não há crise política na Guiné-Bissau, mas sim impasse institucional» - Soares Sambu, ministro dos Negócios Estrangeiros A situação na Guiné-Bissau foi novamente objecto de um debate no Conselho de Segurança da ONU. O relatório do secretário-geral não é muito otimista, se o impasse persistir. O Conselho de Segurança mantém as sanções e acredita que esta medida permitiu [...]

    Read more

    PIRÂMIDE INVERTIDA!

    15 janvier 2015 | Reflexão
    PIRÂMIDE INVERTIDA!

    “O poder tende a corromper, e o poder absoluto corrompe absolutamente”. Exatamente aqui está o perigo de quem detém o poder. A linha para manter o caráter livre deste perigo é muito tênue. E poucos são os que conseguem entrar na esfera do poder e sair intacto. Considero que só os verdadeiros líderes no sentido lato da questão conseguem essa proeza. Os que nasceram para servir[...]

    Read more

    Veja mais artigos >>