• FALAR RECONCILIAÇÃO FAZER EXCLUSÃO

    28 novembre 2015 | Reflexão | Admin
  • Dá muito jeito falar de reconciliação na Guiné-Bissau, porque no mercado politico nacional é produto que se procura desesperadamente, a ponto de, na maioria dos casos, comprarmos gato por lebre sem nos importarmos com o bichano que compramos. Precisamos dela como de água no deserto.
    Essa dramática necessidade, paradoxalmente tem sido aproveitada mais para se ocupar centros de decisão e daí implementar processos de exclusão. Nas campanhas eleitorais ou outras, todos juram a pés juntos serem pela reconciliação, unidade, paz, desenvolvimento, contra a divisão, tribalismo, etc, etc. .  Mal atingem o poleiro, na maioria dos casos, inexplicavelmente, transformam-se nos mais corrosivos adversários dos seus próprios interesses e deveres essenciais, que são a defesa da legalidade, equidade e sensatez no exercício das suas funções, de jeito a impedirem caminho a factores promocionais de conflitos geradores de mais ódio, divisão e subdesenvolvimento.
    Este comportamento merece um estudo muito sério, porque é irracional e prejudica em primeiro lugar os responsáveis por ele, quando são políticos com a missão de governar o país. A meu ver, dirigir, seja a que escala for, implica que se seja capaz de, em circunstância alguma, se esquecer que se está a agir em nome e para defesa dos interesses das pessoas. Para que isso suceda com qualidade e satisfação da maioria, deve-se selecionar o staf, tendo por critério principal a competência, capacidade e disponibilidade de e para o trabalho. Nunca excluir por clientelismo ou outros “ismos” do estilo, porque isso é contrário à qualidade, factor sem o qual, boa governação não se consegue instalar. A título de exemplo, notemos que sempre que a cólera assola o país, ninguém se descuida com a qualidade da água e outros alimentos que consome, porque disso pode depender o fim do fulano ou fulana. Isso é um ensinamento particularmente recomendável para quem está a governar. O inverso sempre levou à desgraça, porque as sociedades também sobrevivem graças à qualidade do que consomem, nomeadamente, do cardápio politico-governamental.
    Ao nos darmos conta de que as exonerações e nomeações que temos vindo a conhecer nos últimos tempos, numa elevada percentagem de casos, são trocas algo bizarras, se balançarmos, em termos relativos, as competências envolvidas. Em muitos casos, a mediocridade substituiu a competência e experiência. E o que mais me surpreende e entristece, acreditem ou não, é o facto de que a composição da presente equipa no poder é um paradigma desejável para qualquer sociedade desde que constituído segundo outros critérios.
    Se tivermos em conta a procedência e a história das relações políticas dos integrantes, nomeadamente do elenco governamental, diríamos que estamos face a um caso suis generis de reconciliação e integração, pois que semelhante amálgama ninguém acreditava que extravasasse o domínio do virtual. Mas porque o guineense ganha todos os “mundiais” da originalidade pela negativa, esta equipa entendeu fazer da exclusão um objectivo estratégico, alegadamente porque vale mais trabalhar com um incompetente da sua confiança do que com quem pensa e seja capaz de fazer, para estarem seguros nos respectivos postos. Esta incongruência é simplesmente horrível, na medida em que está a suceder numa época em que o nosso país é o maior depositário de provas provadas de que a exclusão é a “mãe “ de todas as degraças. Lamentavelmente insistimos em desgraçar o país, por continuarmos a privilegiar a aberração de proceder “ao preenchimento da escala hierárquica administrativa com quadros partidários ou “clientes”, em detrimento das competências e qualificações exigidas pelas funções. Não espanta por isso ver-se à frente de cargos profissionalmente exigentes, indivíduos pouco capacitados que, em função da sua lealdade pessoal para com o seu chefe (patrono), são convidados a ocupar esses cargos para os quais estão motivados, mas para que nunca foram tecnicamente preparados” 1.
    Nós somos um povo pobre num país rico, porque temos muito pouco capital humano (intelectual) para investir no desenvolvimento e fazemos da exclusão um instrumento de combate às diferenças de pensamento e postura na classe politica, nomeadamente. Pena: quem exclui não conclui.
    Em jeito de fecho, é com acentuada vénia que cito um pensamento expresso pelo saudoso Comissário Principal, Francisco Mendes (Chico Té): “Não é preciso que toda a gente seja do partido. O que é preciso, é que toda a gente seja patriota”.
    ——————————————-
    1. Álvaro Nóbrega,
    “ A LUTA PELO PODER NA GUINÉ-BISSAU”, pag: 182
    Ernesto Dabo
  • GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    12 décembre 2009 | Djumbai

    Clicar aqui para Abrir o Djumbai          

    Read more

    MANCHAS DE PÓLVORA NA ROSEIRA E NO CAPIM

    Luis Carlos Alves de Melo*  Disna, i ka di aos ku tera tindji di burmedju, ku sukuru bisti bom dia (não é de hoje que a terra se tinge de vermelho, e que a luz se transforma em escuridão). A citação com a qual este artigo principia ilustra um dos capítulos de uma obra pouco difundida na esfera cultural: trata-se do livro Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim[1], da poetisa guineense [...]

    Read more

    SINDEPROF desmente declarações da ministra da Educação sobre pagamento de salários aos professores

     “É triste quando um alto responsável de um órgão da soberania do país se dá ao luxo de fazer tais declarações”, lamentou Armando Vaz do SINDEPROF esta terça-feira. Conforme o sindicalista, «infelizmente», desde o anuncio da ministra, segunda-feira  qualquer professor que já passou pelos bancos saiu de lá muito chocado pois, «nenhum dinheiro foi colocado nos bancos». [...]

    Read more

    O PAIGC PADECE DE AMNÉSIA?

    A Guiné-Bissau aspira uma vida simples e segura, uma governação baseada no pragmatismo, porque o contexto político e social da nossa Pátria amada se encontra muito complicado o que mergulhando os cidadãos num desespero difícil de descrever. A classe política em si, não constitui um povo. É ele que ordena e coordena o quadro governativo, que proporciona o bom convívio entre o povo e o[...]

    Read more

    FALTA DE IODO COMPLICA SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA

    A Direcção-Geral da Prevenção e promoção de Saúde através da Direcção do Serviço de Alimentação, Nutrição e Sobrevivência das Crianças, com o apoio do UNICEF procedeu terça-feira a cerimônia de entrega da Máquina de Iodização de sal bem como equipamentos informáticos com os respectivos assessórios. Após a entrega, o Representante do UNICEF na Guiné-Bissau, Abubacar [...]

    Read more

    Depois de duas semanas de grande turbulência, o programa do Governo de Carlos Correia acabou por passar na Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, mas os narcotraficantes latino-americanos tudo farão para que o Estado guineense continue fraco, pois só assim servirá os seus interesses. Com muita dificuldade, o PAIGC conseguiu substituir os deputados que não haviam inicialmente [...]

    Read more

      O coordenador nacional dos Assuntos dos peregrinos admitiu, hoje, em Bissau, a culpa em nome do Alto comissariado para Peregrinação aos lugares Sagrados do Islão pela não participação dos muçulmanos guineenses no cumprimento do quinto pilar do islão. O pedido de desculpas aos que não conseguiram deslocar-se à Meca foi feito publicamente em conferência de imprensa. Dino [...]

    Read more

    Minino di nha Terra

    27 janvier 2016 | Cultura
    Minino di nha Terra

    Minino di nha Terra Lundjo ma perto santado ma sin pressa gritos sunhos misti bidá bardade má ‘sperança cu confianca nó cumpanher minino ku na lanta ka bu dissa é robau mass kil ky di bó, bu liberdade dirito di vive na bu terra sin sinti kumá abó y di kintal sin cunsi trato de mufino Minino di nha terra É terra y ká kintal di nin Presidente y ká bulanha di políticos[...]

    Read more

    Sistema Eleitoral, Justiça Eleitoral e os Desafios do Aprofundamento da Democracia

    Rui Jorge Semedo Sistema Eleitoral, Justiça Eleitoral e os Desafios do Aprofundamento da Democracia No âmbito da 3ª Sessão do ciclo de Conferências que marcou a comemoração do 30º aniversário do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (INEP), cRui Jorge Semedo, Mestre em Ciências Políticas, enquanto convidado prestou o seu contributo com o tema “Sistema eleitoral, justiça [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>