• FALAR RECONCILIAÇÃO FAZER EXCLUSÃO

    28 novembre 2015 | Reflexão | Admin
  • Dá muito jeito falar de reconciliação na Guiné-Bissau, porque no mercado politico nacional é produto que se procura desesperadamente, a ponto de, na maioria dos casos, comprarmos gato por lebre sem nos importarmos com o bichano que compramos. Precisamos dela como de água no deserto.
    Essa dramática necessidade, paradoxalmente tem sido aproveitada mais para se ocupar centros de decisão e daí implementar processos de exclusão. Nas campanhas eleitorais ou outras, todos juram a pés juntos serem pela reconciliação, unidade, paz, desenvolvimento, contra a divisão, tribalismo, etc, etc. .  Mal atingem o poleiro, na maioria dos casos, inexplicavelmente, transformam-se nos mais corrosivos adversários dos seus próprios interesses e deveres essenciais, que são a defesa da legalidade, equidade e sensatez no exercício das suas funções, de jeito a impedirem caminho a factores promocionais de conflitos geradores de mais ódio, divisão e subdesenvolvimento.
    Este comportamento merece um estudo muito sério, porque é irracional e prejudica em primeiro lugar os responsáveis por ele, quando são políticos com a missão de governar o país. A meu ver, dirigir, seja a que escala for, implica que se seja capaz de, em circunstância alguma, se esquecer que se está a agir em nome e para defesa dos interesses das pessoas. Para que isso suceda com qualidade e satisfação da maioria, deve-se selecionar o staf, tendo por critério principal a competência, capacidade e disponibilidade de e para o trabalho. Nunca excluir por clientelismo ou outros “ismos” do estilo, porque isso é contrário à qualidade, factor sem o qual, boa governação não se consegue instalar. A título de exemplo, notemos que sempre que a cólera assola o país, ninguém se descuida com a qualidade da água e outros alimentos que consome, porque disso pode depender o fim do fulano ou fulana. Isso é um ensinamento particularmente recomendável para quem está a governar. O inverso sempre levou à desgraça, porque as sociedades também sobrevivem graças à qualidade do que consomem, nomeadamente, do cardápio politico-governamental.
    Ao nos darmos conta de que as exonerações e nomeações que temos vindo a conhecer nos últimos tempos, numa elevada percentagem de casos, são trocas algo bizarras, se balançarmos, em termos relativos, as competências envolvidas. Em muitos casos, a mediocridade substituiu a competência e experiência. E o que mais me surpreende e entristece, acreditem ou não, é o facto de que a composição da presente equipa no poder é um paradigma desejável para qualquer sociedade desde que constituído segundo outros critérios.
    Se tivermos em conta a procedência e a história das relações políticas dos integrantes, nomeadamente do elenco governamental, diríamos que estamos face a um caso suis generis de reconciliação e integração, pois que semelhante amálgama ninguém acreditava que extravasasse o domínio do virtual. Mas porque o guineense ganha todos os “mundiais” da originalidade pela negativa, esta equipa entendeu fazer da exclusão um objectivo estratégico, alegadamente porque vale mais trabalhar com um incompetente da sua confiança do que com quem pensa e seja capaz de fazer, para estarem seguros nos respectivos postos. Esta incongruência é simplesmente horrível, na medida em que está a suceder numa época em que o nosso país é o maior depositário de provas provadas de que a exclusão é a “mãe “ de todas as degraças. Lamentavelmente insistimos em desgraçar o país, por continuarmos a privilegiar a aberração de proceder “ao preenchimento da escala hierárquica administrativa com quadros partidários ou “clientes”, em detrimento das competências e qualificações exigidas pelas funções. Não espanta por isso ver-se à frente de cargos profissionalmente exigentes, indivíduos pouco capacitados que, em função da sua lealdade pessoal para com o seu chefe (patrono), são convidados a ocupar esses cargos para os quais estão motivados, mas para que nunca foram tecnicamente preparados” 1.
    Nós somos um povo pobre num país rico, porque temos muito pouco capital humano (intelectual) para investir no desenvolvimento e fazemos da exclusão um instrumento de combate às diferenças de pensamento e postura na classe politica, nomeadamente. Pena: quem exclui não conclui.
    Em jeito de fecho, é com acentuada vénia que cito um pensamento expresso pelo saudoso Comissário Principal, Francisco Mendes (Chico Té): “Não é preciso que toda a gente seja do partido. O que é preciso, é que toda a gente seja patriota”.
    ——————————————-
    1. Álvaro Nóbrega,
    “ A LUTA PELO PODER NA GUINÉ-BISSAU”, pag: 182
    Ernesto Dabo
  • “Toka-Toka”: servindo o povo entre elogios dificuldades e depreciações

    TOKA-TOKA é o transporte urbano mais usado de Bissau, mais barato, mas também o mais agitado. Começa a circular às 06 horas e só pára entre às 21 e 22 horas, das periferias ao centro da cidade. Todos passam pelo maior centro comercial do país, o Mercado Municipal de Bandim, onde se vende de tudo para todos os gostos e necessidades, e, em função de qualquer situação financeira. [...]

    Read more

    PAIGC DIVIDIDO, O PAÍS À DERIVA!

    Após as últimas eleições tidas como justas e transparentes, ainda não percebi quando foi findado o governo de transição. Até agora não senti esse corte. Sinto que ainda vivemos na transição para a estabilidade e tranquilidade verdadeira e necessária! Verdadeira no sentido transparente: sem “jogos e joguinhos”, sem dia de “cair”. Estamos sempre na espectativa! Todo este [...]

    Read more

    A presidente da Rede de Segurança e Paz para Mulheres no Espaço da CEDEAO (REMSICAO) apelou, hoje, segunda-feira, ao mundo, que pautem pela paz, porque só assim poderemos dialogar para resolver todas as questões e, consequentemente, obter a estabilidade e a paz. Elisa Pinto fez saber, numa entrevista alusiva a data, que a organização tem desenvolvido várias ações em prol das mulheres e[...]

    Read more

    PR JOMAV exonera secretário de estado da Ordem Pública

    O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, exonerou hoje o secretário de Estado da Ordem Pública, Francisco Malam Djata, segundo um decreto presidencial divulgado à imprensa «É o senhor Francisco Malam Djata exonerado de funções de secretário de Estado da Ordem Pública», lê-se no diploma. O decreto, que não avança as razões para a exoneração de Francisco Malam Djata [...]

    Read more

    Assaltada por um vazio, deito a mão ao actual livro de cabeceira, a compilação “Pensar para Melhor Agir”, das intervenções do Fundador das nacionalidades GB e CV, Amilcar Cabral, no Seminário de Quadros, 1969. E leio: “ Alguns camaradas, mesmo entre os que estão sentados nesta sala, têm a tendência de procurar comodidades à medida que crescem as suas responsabilidades. Há [...]

    Read more

    GUINEENSES NAS RUAS DE BISSAU CONTRA JOSÉ MÁRIO VAZ

    Manifestantes exigiram, este sábado (25.03), na Guiné-Bissau, a demissão do Presidente da República. Segundo os movimentos sociais, José Mário Vaz é o principal responsável pela crise que se arrasta no país. Centenas de pessoas foram às ruas da capital guineense, Bissau, no sábado (25 de março), para exigir a renúncia do Presidente José Mário Vaz. A manifestação pacífica foi [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas.   Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo [...]

    Read more

    CRISE POLÍTICA PERSISTE GUNÉ-BISSAU NUM BECO SEM SAÍDA?

    José Mário Vaz, cidadão guineense eleito Presidente da República da Guiné-Bissau na segunda volta das eleições presidenciais, a 17 de Maio de 2014, tem vindo a ser objecto de duras críticas e ataques de cidadãos particulares e partidos políticos. Em consequência disso, em alguns círculos murmura-se e chega-se ao ponto de considerá-lo o «PIOR PRESIDENTE DA REPÚBLICA QUE A [...]

    Read more

    Mudanças climáticas: Ministério da Educação promete integrar matéria ambiental no sistema de ensino

    Maria Odete Semedo falava durante a cerimónia de lançamento do Calendário 2016 sobre “O Parque natural dos Tarrafes do Rio Cacheu, face às Mudanças Climáticas” produzidas pela ONG Tiniguena. De acordo com a ministra, pretende-se com a iniciativa facultar aos estudantes e as comunidades conhecimentos e habilidades para melhorar as suas formas de lidar com problemas ambientais. [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>