• GUINE-BISSAU: REFLETINDO EM NOME DAS GERAÇÕES FUTURAS EIS ALGO PARA PENSAR…

    6 octobre 2016 | Reflexão | Admin
  • Desde o início da sua história, a Guiné-Bissau tem sido sempre um país diverso. Se você ler os boletins culturais e/ou outras publicações emitidas pelas autoridades portuguesas durante a época colonial, descobre que o território que constitui a Guiné-Bissau era ainda mais diversificada na década de 1940 do que é hoje.

    Após a independência, mais particularmente nos anos 80, as autoridades nacionais da Guiné-Bissau começaram a dar-nos uma falsa sensação de hegemonia cultural sob a capa de uma unidade nacional vibrante. Esta unidade nacional forjada, foi pensada para ser o para-fogo para uma sobrevivência política continuada que muitos descrevem como um regime “Unitário“, impulsionada para sustentar o seu poder e evitar abrir mão do seu sentido de dominância.

    Refletindo muitos outros movimentos independentistas e partidos políticos em todo o contine06sido historicamente visto como o inimigo da hegemonia sociopolítica. Esta foi também a “porta de entrada” para a consolidação política do país, de acordo com a regra de um partido político e uma elite. Indivisível.

    À medida que mais pessoas se tornam instruídas e academicamente formadas – graças a essa mesma regra política, para ser justo, – hoje, muitas das estruturas políticas e institucionais do país são incapazes de lidar com a sedição do multiculturalismo intelectual. Resultado: apreensão, desespero, falhas (muitas vezes reacionárias) ideias e ações políticas, todos com raízes numa matriz de cultura política que igualam a Guiné-Bissau a um partido único.

    Agora, há muitas décadas, todas as estruturas políticas e administrativas da Guiné-Bissau foram interligadas através de um nível simplista de abordagem do poder centralizado, sem dúvida, ligada por uma cultura de não prestação de contas à população em geral. Ter esquecido ou ignorado esta ligação umbilical ao passado político, manifestações, como a diversidade, etnicidade, práticas religiosas, tradicionalismo e multiculturalismo, todos parecem ter perdido seu significado e importância. Para ser franco, os políticos optaram por esquecer ou obscurecer os seus próprios fundos étnicos e culturais, ricos, em prol da hegemonia política, muitas vezes, disfarçada de unidade nacional.

    Todos estes desenvolvimentos políticos e fatos históricos impõem a seguinte questão:

    já se perguntou por que Amílcar Cabral e outros grandes líderes do PAIGC foram capazes de se unir com sucesso numa ainda mais diversificada e menos instruída Guiné Portuguesa na década de 1960?

    À medida que procuramos respostas, muitos de nós caímos sobre questões da unidade política como o caminho mais fácil para a saída. Mas, acredite-se ou não, a política de unidade acabará por emergir ou solidificar, mas será através de um processo natural demorado que vai levar anos para construir através da sensibilização e da educação, valorizando e respeitando as premissas essenciais de elementos sociais, culturais e religiosos das nossas sociedades.

    Através de imagens históricas de vídeos e fotografias, muitos daqueles que têm seguido e estudado Amílcar Cabral podem tê-lo visto andando pelas tabancas em todo o território da província de Portugal. E aqueles que o estudaram dirão como Cabral estava com vontade de encontrar e recrutar camponeses para se juntarem à luta, ele não tentou forçar a hegemonia (cultural ou política) entre os guineenses. Pelo contrário, Cabral optou respeitar a diversidade e maximizar o seu potencial. Mais importante ainda, abraçou cada membro da população “indígena” da então Guiné portuguesa.

    Além disso, tanto quanto eu fui inspirado por Cabral e aprendi com os seus ensaios, escritos e discursos, eu não ousaria reivindicar ser um especialista em “pensamento de Cabral” mas é amplamente conhecida a sua capacidade de construir pontes entre as zonas urbanas e rurais e, sobretudo, através de todas as etnias e origens culturais. Da mesma forma, ele realmente abraçou todas as ideias brilhantes dos poucos compatriotas que estavam academicamente e tecnicamente equipados e dispostos a dar o seu tempo e as suas vidas a uma causa comum maior – a independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde.

    Na verdade, Cabral foi capaz de desafiar o pensamento convencional e – contra todas as probabilidades e desafios – ele conduziu campanhas políticas, diplomáticas e militares excecionais, que são muitas vezes referenciadas como os melhores exemplos de vitórias nacionais contra os poderes coloniais na África.

    Agora, vamos avançar rapidamente para hoje e prepare-se para ser confrontado com uma nação muito pouco convencional cujas instituições estão dispostas a submergir nas águas lamacentas de intolerância política, juntamente com a ganância, corrupção e egoísmo.

    Mas, lembre-se disto: Cabral teve muito menos recursos intelectuais e tecnológicos disponíveis para si do que os disponíveis hoje para nós. No entanto, ele conseguiu superar humildemente os desafios através da compreensão, compromisso, trabalho de equipa e sacrifício.

    Como Guiné-Bissau esforça-se para encontrar um caminho viável para avançar, não devemos esquecer o preço pago por Cabral e outros, para que a Guiné-Bissau e Cabo Verde se tornem nações independentes. À luz desta luta da heroica e profunda luta pela liberdade, muitos dos nossos cidadãos, bem como a comunidade internacional pode estar a questionar se existem lições culturais, sociológicas e políticas que podem ser aprendidas a partir de um dos movimentos de guerrilha mais patrióticos e corajosos da África.

    Estou absolutamente certo de que há muitas lições, se as gerações que se seguiram ousarem olhar ao redor e aprender com a história e com aqueles que ainda restam algures. E eu também estou absolutamente certo de que qualquer tipo de hegemonia não constitui uma pré-condição nacional e não vai levar a uma coexistência social e política pacífica. Como foi mostrado em muitos países, inclusive em África, o multiculturalismo pode ser compatível com unidade e democracia, desde que não se perca o espírito humano da humanidade e o sentido de humanidade e da comunidade.

    Pode estar a questionar se os temas que acabo de expor aqui são as principais questões que impedem o país desenvolver. Se me perguntar, provavelmente responderia com um firme “não”. Na verdade muitos desses temas, os problemas, os desafios e as preocupações estão de tal maneira misturados que poderá ter dificuldades em compreender o alcance dos problemas com que a Guiné-Bissau se depara. No entanto, esta exposição – que reflete a minha opinião pessoal – pode oferecer alguns indicadores sobre a complexidade “sociocultural“ de uma turbulência política aparentemente interminável.

    Assim, o desafio de encontrar todas as causas dos nossos problemas está em nós, todos nós. Mas, vai ter coragem de olhar em volta e desafiar-se a si mesmo, como um verdadeiro patriota, em nome de cada Guiné-Bissau, independentemente da sua origem social, cultural e religiosa ou vai estar disposto a deitar ao rio tudo pelo qual as pessoas que vieram antes, que nos representavam, lutaram e perderam a vida? E, encontrar todas as causas tem que começar com uma verdadeira compreensão do nosso tecido social – incluindo os valores e premissas – que dão sentido à nossa história e existência como uma nação pluralista.

    Felizmente ainda não é demasiado tarde e a Guiné-Bissau vai ser capaz de falar em harmonia e a uma só voz, mas a medida do nosso progresso também deve contar com a riqueza das nossas opiniões, posições e ações.

    Assim, mesmo falando em vozes diferentes, os nossos desígnios nacionais devem ser orientados para promessas muito nobres: dignificar o nosso povo, recuperar a confiança, elevar as esperanças e as aspirações das gerações que se orgulham de hoje como sendo os verdadeiros seguidores de Amílcar Cabral e muitos outros heróis. É imperativo lembrar que a nação pacífica e próspera com que sonharam e pela qual lutaram valeu os sacrifícios e morrer por ela.

    Nota: Umaro Djau é um jornalista da Guiné-Bissau e os seus pontos de vista e opiniões não refletem necessariamente as da CNN, sua empregadora.

    Publicação: 14 de setembro de 2016 | GBissau.com

  • Movimento Nacional de Apoio a boa Governação defende busca de consenso como solução para actual crise política

    Abdel Abduramane Djalo, falava esta terça-feira numa conferência de imprensa para tornar público a intenção da sua organização na busca de solução para actual crise na ANP. Segundo este jovem activista é urgente encontrar consenso interno no seio do Partido Africano da Independencia da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e na Assembleia Nacional Popular (ANP), para uma governação sólida da[...]

    Read more

    A Deontologia como dimensão éticO-PROFISSIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICO - ALGUMAS EMULAÇÕES - Os Servidores públicos são pessoas que prestam serviços ao Estado e às entidades da Administração Pública, com remuneração paga pelos cofres públicos, sendo responsáveis pelo desenvolvimento dos Serviços Públicos, e consequentemente do País, a partir de contribuições que, [...]

    Read more

    O Presidente do Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF) disse esta terça-feira (11 de 10) que os professores não podem continuar a receber "magros salários" e a terem uma vida "altamente miserável" e numa condição de insuficiência de salas de aulas. No acto do fecho e da abertura do ano escolar (2015-2016 e 2016-2017) Laureano Pereira da Costa disse que os tempos que agora [...]

    Read more

    Mamadu Iaia Djaló, líder do Partido da Nova Democracia (PND), demitiu-se esta sexta-feira das funções de conselheiro especial do Presidente da República por questões de "honestidade política". Em carta dirigida ao Presidente José Mário Vaz, o líder do PND justifica a sua decisão alegando "questões de princípios, coerência, transparência e honestidade política" como motivos que o[...]

    Read more

    SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET

    República da   Guiné-Bissau MINISTÉRIO DAS PESCAS PROJET REGIONAL DES PECHES EN AFRIQUE DE L’OUEST P119380 et P122182 IDA Grant Number H6530 – GW; GEF Grant Number 99597   SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET POUR LA SELECTION D’UN CONSULTANT INDIVIDUEL POUR L’ETUDE SUR LA TAXATION DES CAPTURES REALISEES PAR LES FLOTTES ETRANGERES ET NATIONALES DANS LA ZONE ECONOMIQUE [...]

    Read more

    A Associação de Saneamento Básico, Protecção de Água e Ambiente (ASPA) da Região de Bafatá iniciou, ontem, o repovoamento do Parque Natural de Bomma em Bafatá com árvores de variedades locais. Os trabalhos desenvolvidos nos últimos dias devem-se ao mau tempo que assola aquela região, que derrubou várias árvores de grande porte. Por essa razão, a ASPA vai semear quatro tipos de [...]

    Read more

    AS FINANÇAS PÚBLICAS: Problemas e Soluções (2)

    O pagamento do salário, na Guiné-Bissau, constitui um das questões que afectam consideravelmente o funcionamento normal das instituições do país e, consequentemente, contribui para a sua fragilização, originando distorções e injustiças gritantes na sua Administração Pública. A título ilustrativo, verifica-se que o salário auferido por um servente é pago 60 vezes pelo mais alto [...]

    Read more

    ENCONTRO/CONVÍVIO EM LISBOA DIA DA COMUNIDADE GUINEENSE EM PORTUGAL

    Os guineenses residentes em Portugal reuniram-se, no sábado dia 10 de Novembro, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, para um djubaiinformal sobre a vida da comunidade na diáspora e a atual situação que se vive na Guiné-Bissau.  Espetáculos musicais, desfile de moda, lançamento de livros, exposição de artesanato e gastronomia foram os ingredientes da festa que começou a tarde e terminou[...]

    Read more

    Não é por acaso que o Presidente da República, José Mário Vaz, não marcou presença, quando devia presidir o acto da celebração da efeméride do 3 de Agosto e a cerimônia de entrega das obras de requalificação da Praça dos Mártires de Pindjiguiti que veio a ser, presidido pelo presidente da ANP, Cipriano Cassamá, que no seu discurso se preocupou em tecer elogios ao governo e trazer a[...]

    Read more

    « ARISTIDES PEREIRA : UM CONTURBADO DEPOIMENTO

    No seu Minha vida, nossa história[i], o ex-Presidente da República de Cabo-Verde confirma o perfil de alguém que à priori nada predestinava a endossar os altos cargos que finalmente  acabou por ocupar. Secretário-Geral do PAIGC por obrigação, Presidente da República à força, sem a ambição que engloba necessáriamente tais desafios, o homem foi arrastado pelos ventos hesitando [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>