• GUINE-BISSAU: REFLETINDO EM NOME DAS GERAÇÕES FUTURAS EIS ALGO PARA PENSAR…

    6 octobre 2016 | Reflexão | Admin
  • Desde o início da sua história, a Guiné-Bissau tem sido sempre um país diverso. Se você ler os boletins culturais e/ou outras publicações emitidas pelas autoridades portuguesas durante a época colonial, descobre que o território que constitui a Guiné-Bissau era ainda mais diversificada na década de 1940 do que é hoje.

    Após a independência, mais particularmente nos anos 80, as autoridades nacionais da Guiné-Bissau começaram a dar-nos uma falsa sensação de hegemonia cultural sob a capa de uma unidade nacional vibrante. Esta unidade nacional forjada, foi pensada para ser o para-fogo para uma sobrevivência política continuada que muitos descrevem como um regime “Unitário“, impulsionada para sustentar o seu poder e evitar abrir mão do seu sentido de dominância.

    Refletindo muitos outros movimentos independentistas e partidos políticos em todo o contine06sido historicamente visto como o inimigo da hegemonia sociopolítica. Esta foi também a “porta de entrada” para a consolidação política do país, de acordo com a regra de um partido político e uma elite. Indivisível.

    À medida que mais pessoas se tornam instruídas e academicamente formadas – graças a essa mesma regra política, para ser justo, – hoje, muitas das estruturas políticas e institucionais do país são incapazes de lidar com a sedição do multiculturalismo intelectual. Resultado: apreensão, desespero, falhas (muitas vezes reacionárias) ideias e ações políticas, todos com raízes numa matriz de cultura política que igualam a Guiné-Bissau a um partido único.

    Agora, há muitas décadas, todas as estruturas políticas e administrativas da Guiné-Bissau foram interligadas através de um nível simplista de abordagem do poder centralizado, sem dúvida, ligada por uma cultura de não prestação de contas à população em geral. Ter esquecido ou ignorado esta ligação umbilical ao passado político, manifestações, como a diversidade, etnicidade, práticas religiosas, tradicionalismo e multiculturalismo, todos parecem ter perdido seu significado e importância. Para ser franco, os políticos optaram por esquecer ou obscurecer os seus próprios fundos étnicos e culturais, ricos, em prol da hegemonia política, muitas vezes, disfarçada de unidade nacional.

    Todos estes desenvolvimentos políticos e fatos históricos impõem a seguinte questão:

    já se perguntou por que Amílcar Cabral e outros grandes líderes do PAIGC foram capazes de se unir com sucesso numa ainda mais diversificada e menos instruída Guiné Portuguesa na década de 1960?

    À medida que procuramos respostas, muitos de nós caímos sobre questões da unidade política como o caminho mais fácil para a saída. Mas, acredite-se ou não, a política de unidade acabará por emergir ou solidificar, mas será através de um processo natural demorado que vai levar anos para construir através da sensibilização e da educação, valorizando e respeitando as premissas essenciais de elementos sociais, culturais e religiosos das nossas sociedades.

    Através de imagens históricas de vídeos e fotografias, muitos daqueles que têm seguido e estudado Amílcar Cabral podem tê-lo visto andando pelas tabancas em todo o território da província de Portugal. E aqueles que o estudaram dirão como Cabral estava com vontade de encontrar e recrutar camponeses para se juntarem à luta, ele não tentou forçar a hegemonia (cultural ou política) entre os guineenses. Pelo contrário, Cabral optou respeitar a diversidade e maximizar o seu potencial. Mais importante ainda, abraçou cada membro da população “indígena” da então Guiné portuguesa.

    Além disso, tanto quanto eu fui inspirado por Cabral e aprendi com os seus ensaios, escritos e discursos, eu não ousaria reivindicar ser um especialista em “pensamento de Cabral” mas é amplamente conhecida a sua capacidade de construir pontes entre as zonas urbanas e rurais e, sobretudo, através de todas as etnias e origens culturais. Da mesma forma, ele realmente abraçou todas as ideias brilhantes dos poucos compatriotas que estavam academicamente e tecnicamente equipados e dispostos a dar o seu tempo e as suas vidas a uma causa comum maior – a independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde.

    Na verdade, Cabral foi capaz de desafiar o pensamento convencional e – contra todas as probabilidades e desafios – ele conduziu campanhas políticas, diplomáticas e militares excecionais, que são muitas vezes referenciadas como os melhores exemplos de vitórias nacionais contra os poderes coloniais na África.

    Agora, vamos avançar rapidamente para hoje e prepare-se para ser confrontado com uma nação muito pouco convencional cujas instituições estão dispostas a submergir nas águas lamacentas de intolerância política, juntamente com a ganância, corrupção e egoísmo.

    Mas, lembre-se disto: Cabral teve muito menos recursos intelectuais e tecnológicos disponíveis para si do que os disponíveis hoje para nós. No entanto, ele conseguiu superar humildemente os desafios através da compreensão, compromisso, trabalho de equipa e sacrifício.

    Como Guiné-Bissau esforça-se para encontrar um caminho viável para avançar, não devemos esquecer o preço pago por Cabral e outros, para que a Guiné-Bissau e Cabo Verde se tornem nações independentes. À luz desta luta da heroica e profunda luta pela liberdade, muitos dos nossos cidadãos, bem como a comunidade internacional pode estar a questionar se existem lições culturais, sociológicas e políticas que podem ser aprendidas a partir de um dos movimentos de guerrilha mais patrióticos e corajosos da África.

    Estou absolutamente certo de que há muitas lições, se as gerações que se seguiram ousarem olhar ao redor e aprender com a história e com aqueles que ainda restam algures. E eu também estou absolutamente certo de que qualquer tipo de hegemonia não constitui uma pré-condição nacional e não vai levar a uma coexistência social e política pacífica. Como foi mostrado em muitos países, inclusive em África, o multiculturalismo pode ser compatível com unidade e democracia, desde que não se perca o espírito humano da humanidade e o sentido de humanidade e da comunidade.

    Pode estar a questionar se os temas que acabo de expor aqui são as principais questões que impedem o país desenvolver. Se me perguntar, provavelmente responderia com um firme “não”. Na verdade muitos desses temas, os problemas, os desafios e as preocupações estão de tal maneira misturados que poderá ter dificuldades em compreender o alcance dos problemas com que a Guiné-Bissau se depara. No entanto, esta exposição – que reflete a minha opinião pessoal – pode oferecer alguns indicadores sobre a complexidade “sociocultural“ de uma turbulência política aparentemente interminável.

    Assim, o desafio de encontrar todas as causas dos nossos problemas está em nós, todos nós. Mas, vai ter coragem de olhar em volta e desafiar-se a si mesmo, como um verdadeiro patriota, em nome de cada Guiné-Bissau, independentemente da sua origem social, cultural e religiosa ou vai estar disposto a deitar ao rio tudo pelo qual as pessoas que vieram antes, que nos representavam, lutaram e perderam a vida? E, encontrar todas as causas tem que começar com uma verdadeira compreensão do nosso tecido social – incluindo os valores e premissas – que dão sentido à nossa história e existência como uma nação pluralista.

    Felizmente ainda não é demasiado tarde e a Guiné-Bissau vai ser capaz de falar em harmonia e a uma só voz, mas a medida do nosso progresso também deve contar com a riqueza das nossas opiniões, posições e ações.

    Assim, mesmo falando em vozes diferentes, os nossos desígnios nacionais devem ser orientados para promessas muito nobres: dignificar o nosso povo, recuperar a confiança, elevar as esperanças e as aspirações das gerações que se orgulham de hoje como sendo os verdadeiros seguidores de Amílcar Cabral e muitos outros heróis. É imperativo lembrar que a nação pacífica e próspera com que sonharam e pela qual lutaram valeu os sacrifícios e morrer por ela.

    Nota: Umaro Djau é um jornalista da Guiné-Bissau e os seus pontos de vista e opiniões não refletem necessariamente as da CNN, sua empregadora.

    Publicação: 14 de setembro de 2016 | GBissau.com

  • Ensino Público : Aberto novo ano lectivo 2015-2016

    O ano lectivo 2015/2016 sob o lema "De mãos dadas para uma Educação Inclusiva" foi aberto oficialmente esta segunda-feira (11 de outubro)  em Bissau, numa cerimónia presidida pela ministra da Educação Nacional, Maria Odete Costa Semedo. Na ocasião, a ministra explicou que o acto se realizou graças a coragem do seu pelouro, uma vez que o país se encontra mergulhado há dois meses numa [...]

    Read more

    Baciro Djá «nem aqueceu a poltrona»: como vice-presidente do paigc vai voltar ou não à chefia do próximo governo?

    Baciro Djá foi primeiro-ministro de 13 de Agosto a 09 de Setembro de 2015. Substituiu Domingos Simões Pereira, cujo Governo foi demitido um dia antes, a 12 de Agosto, pelo Presidente da República alegadamente no uso das prerrogativas que a Lei Magna do país lhe confere situação seguida por fortes contestações de uma larga franja do PAIGC, algumas formações políticas, algumas [...]

    Read more

    A DÍVIDA HIPOTECA O FUTURO DO PAÍS

    O Homem íntegro é incorruptível; aquele cuja integridade leva a agir de acordo com as suas convicções, sem fazer qualquer concessão que ponha em causa a sua honra e dignidade. Esse homem pode ser um político? Qual é o preço da convicção de um governante? Pode ser negociado? Será que, em nome da chefia, pode-se negociar as convicções de um povo? Claro que não! Assim diria um [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas.   Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo [...]

    Read more

    QUEBEC (CANADÁ) - Ernesto Dabó: Uma descoberta incomum

    No ano passado, Ernesto Dabó lançou Lembrança, um disco fabuloso, gravado com músicos de Quebec, mas infelizmente passou despercebido aqui. Na Guiné-Bissau, é muito diferente, pois o cantor-autor-compositor é considerado um dos pais da música moderna guineense. Diz-se mesmo que Dabo é Vigneault (grande autor-compositor-intérprete de Quebec) da Guiné-Bissau. Aqui ele encontrou seus [...]

    Read more

    EGOCENTRISMO NA POLÍTICA É CRIME MORAL!

    O mundo é constituído de Homens excepcionais em todos os domínios; podem ser bons assim como maus em certas especialidades. É imprescindível que o homem que aspira a exercer funções de liderança nas instituições públicas, imperativamente, abdique do valor egocêntrico. O diálogo é a única riqueza de um verdadeiro partido político, porque, dialogando é que os homens conseguem [...]

    Read more

    No âmbito do Dia Nacional da literatura e poesia, a Associação Guineense dos Escritores (AGE) homenageou hoje, no Clube do Bairro d´Ajuda, o pioneiro da música guineense, José Carlos Schwartz. A iniciativa visa atribuir valor, como é habitual, à uma figura falecida ou viva, ligada a literatura ou música. As atividades comemorativas foram marcadas com récitas de poesias, atuação [...]

    Read more

    GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    AVIS D’APPEL D’OFFRES NATIONAL (AAON)

    República da Guiné-Bissau MINISTÉRIO DAS PESCAS ------------- PROJET REGIONAL DES PECHES EN AFRIQUE DE L’OUEST (PRAO-GB) P119380 IDA Grant Number H6530 – GW AVIS D’APPEL D’OFFRES NATIONAL (AAON)  CONSTRUCTION D’UNE STATION CÔTIERE RADAR A PONTÃO – ILE DE CAIÓ AON No. MP/PRAO-GB/T01/2016 Le présent Avis d’appel d’offres suite à l’Avis [...]

    Read more

    A SOLUÇÃO DA CRISE ESTÁ À MÃO DE SEMEAR

    «Kadda kusa ku si kumsada i ta tem si fim son si Deus ka misti ki kata kaba!» (Tudo o que começa acaba; só não acaba se Deus não quiser!) – José Carlos Schwarz músico guineense. A crise que se vive na Guiné-Bissau começou algures mas, para não esgravatar a história recente do PAIGC, Partido vencedor das últimas eleições gerais, vamos situar o ponto de partida na Assembleia [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>