• GUINEENSES NAS RUAS DE BISSAU CONTRA JOSÉ MÁRIO VAZ

    31 mars 2017 | Sociedade | Admin
  • Manifestantes exigiram, este sábado (25.03), na Guiné-Bissau, a demissão do Presidente da República. Segundo os movimentos sociais, José Mário Vaz é o principal responsável pela crise que se arrasta no país.

    Centenas de pessoas foram às ruas da capital guineense, Bissau, no sábado (25 de março), para exigir a renúncia do Presidente José Mário Vaz. A manifestação pacífica foi organizada pelo Movimento Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI), formado por várias organizações da sociedade civil.

    As forças de segurança tentaram impedir o acesso dos manifestantes ao centro da capital, com objetivo de evitar que o protesto chegasse ao palácio presidencial.

    Segundo informações da agência de notícias Lusa, as autoridades colocaram uma plataforma móvel na Avenida Combatentes da Liberdade da Pátria, a cerca de 250 metros da Praça Império, onde se situa o palácio presidencial, bem como a sede do PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde).

    Com cartolinas vermelhas, simbolizando um “cartão vermelho” mostrado ao chefe de Estado, e palavras de ordem como “rua, rua”, “Jomav rua, Jomav fora” (usando o nome pelo qual o Presidente é conhecido) e “viva a liberdade”, os cidadãos permaneceram junto à barreira formada pelas forças de segurança.

    Para os manifestantes, é o chefe de Estado o responsável pela persistência da crise política que se arrasta há mais de um ano e meio em Bissau.

    Cidadãos insatisfeitos

    Na marcha participaram guineenses de diversas faixas-etárias, inconformados com a situação política do país. A enfermeira Clotilde Fy, de 60 anos, voltou para a Guiné-Bissau após passar dois anos em Portugal. Agora, desempregada, está se diz insatisfeita com a vida no seu país.

    “Fica pior a cada dia. Não sei como é que uma pessoa faz. Deixei tudo para trás em Portugal para voltar para a minha terra. E agora esta situação catastrófica”, disse a enfermeira ao correspondente da DW, Adrian Kriesch.

    Tony Goia, um dos dirigentes do MCCI, em entrevista à Lusa, defendeu a demissão de José Mário Vaz e a entrega da gestão da Guiné-Bissau às Nações Unidas por no mínimo 10 anos. Goia também enalteceu a “coragem crescente dos jovens” guineenses e apelou-os a participarem mais em “ações de protesto democrático”. Segundo ele, é possível “mudar o paradigma deste país”.

    Apesar do bloqueio ao acesso dos cidadãos ao palácio presidencial, o presidente do MCCI, Sana Canté, avaliou que a marcha de hoje decorreu de forma pacífica e assim vai continuar até que José Mário Vaz deixe o cargo.

    Governo vai até o fim?

    O Presidente da República encontrava-se fora de Bissau, numa visita de trabalho ao sul do país. Um dos 15 dissidentes do PAIGC, que foram alegadamente expulsos do Parlamento da Guiné-Bissau, Braima Camará, falou à DW África. Ele defendeu o Governo de José Mário Vaz.

    “Ele [o Presidente José Mário Vaz] é um homem que ama o seu país e seus compatriotas. O comboio está a rolar e nenhum poder na terra pode pará-lo. Este Governo vai governar até o fim”, afirmou.

    O porta-voz do PAIGC, João Bernado Vieira, é de opinião contrária. “A única possibilidade de sair deste caos, é deixar a voz do povo da Guiné-Bissau ser ouvida. Precisamos de eleições antecipadas. Essa seria a solução”, afirmou à DW.

    Crise em Bissau

    Há mais de um ano e meio que o Parlamento guineense não funciona devido às divergências entre os dois principais partidos políticos do país, o PAIGC e o Partido da Renovação Social (PRS). O atual chefe de Estado guineense foi eleito Presidente em 2014 para um mandato de cinco anos e desde então já nomeou cinco governos.

    Esta semana, o presidente do Parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, apelou aos parceiros. Em reunião com os representantes do chamado P5 – que envolve a ONU, a União Africana, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e a União Europeia, Cassamá apresentou uma proposta elaborada por si para a saída da crise.

    A proposta de Cipriano Cassamá passa, essencialmente, pela formação de um novo Governo que incluísse os cinco partidos com assento no Parlamento. O novo governo seria liderado, então, pelo PAIGC, vencedor das últimas eleições legislativas, mas que tem sido impedido de governar devido às divergências com o chefe de Estado.

  • GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    BCEAO e FMI organizam conferência regional sobre inclusão financeira

    Na abertura da reunião o director-executivo do BCEAO no país, João Aladji Mamadu Fadia, a partir da sede em Bissau, disse que a iniciativa visa a discussão entre os participantes, sobre o nível da taxa de bancarização na sub-região, considerada a mais baixa do mundo. “Queremos fazer de tudo para permitir as nossas populações o acesso as finanças”, afirmou. No entanto, João [...]

    Read more

    EGOCENTRISMO NA POLÍTICA É CRIME MORAL!

    O mundo é constituído de Homens excepcionais em todos os domínios; podem ser bons assim como maus em certas especialidades. É imprescindível que o homem que aspira a exercer funções de liderança nas instituições públicas, imperativamente, abdique do valor egocêntrico. O diálogo é a única riqueza de um verdadeiro partido político, porque, dialogando é que os homens conseguem [...]

    Read more

    O PAIGC PADECE DE AMNÉSIA?

    A Guiné-Bissau aspira uma vida simples e segura, uma governação baseada no pragmatismo, porque o contexto político e social da nossa Pátria amada se encontra muito complicado o que mergulhando os cidadãos num desespero difícil de descrever. A classe política em si, não constitui um povo. É ele que ordena e coordena o quadro governativo, que proporciona o bom convívio entre o povo e o[...]

    Read more

    O Movimento Nacional da Sociedade Civil para Democracia e Desenvolvimento (MNSCDD) exige ao Presidente da República, a exoneração do novo Primeiro-Ministro nomeado recentemente por sua própria iniciativa. No comunicado distribuído à imprensa, MNSCDD recomenda ao PR José Mário Vaz ouvir o PAIGC e outras formações políticas com assento parlamentar. Tendo mostrado surpreendido com a [...]

    Read more

    ENCONTRO/CONVÍVIO EM LISBOA DIA DA COMUNIDADE GUINEENSE EM PORTUGAL

    Os guineenses residentes em Portugal reuniram-se, no sábado dia 10 de Novembro, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, para um djubaiinformal sobre a vida da comunidade na diáspora e a atual situação que se vive na Guiné-Bissau.  Espetáculos musicais, desfile de moda, lançamento de livros, exposição de artesanato e gastronomia foram os ingredientes da festa que começou a tarde e terminou[...]

    Read more

    Quem Ganha e Quem Perde Nesta Crise de Surdos?

    “Atualmente, não sei como lograremos passar da palavra a ação, atendendo a esse lastimável teatro do poder”. Achille Mbembe   Quando procuramos observar com isenção a atual crise política guineense o sentimento que nos interpela é o de estarmos perante uma patética e acirrada disputa em que o principal objetivo é esmagar o adversário e, consequentemente manter [...]

    Read more

    AOS HOMENS DA ARTE?E CULTURA: OS ETERNOS PRESENTES SEMPRE ESQUECIDOS

    Sempre que um FIDJU DI TERA é chamado noutra partes do mundo por motivos outros distantes das "eternas crises" nacionais, rejubilamos, congratulamos por isso. Cada HOMENAGEM, cada premiação, reconhecimento sentido do talento, das capacidades de um FIDJU DI TERA, é a expressão de BALUR DI TCHON - FIDJU DI GUINÉ BALI PENA. Fora das reduzidas dimensões das politiquices que minam a [...]

    Read more

    A DÍVIDA HIPOTECA O FUTURO DO PAÍS

    O Homem íntegro é incorruptível; aquele cuja integridade leva a agir de acordo com as suas convicções, sem fazer qualquer concessão que ponha em causa a sua honra e dignidade. Esse homem pode ser um político? Qual é o preço da convicção de um governante? Pode ser negociado? Será que, em nome da chefia, pode-se negociar as convicções de um povo? Claro que não! Assim diria um [...]

    Read more

    A RESPONSABILIDADE SOCIAL E POLÍTICA DO ESTADO!

    Dentro das realidades deste país, sobretudo neste contexto de mudanças de mentalidade que se quer e que é sobretudo necessário, as atitudes e os comportamentos, sociais e políticos, devem ser sumariamente revestidos de boa conduta. Este estádio de exigência tem a sua controvérsia, no nosso contexto, pela constante prática de actos contrários à saudável vivência social e política, [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>