• Há Chantagem emocional para colocar o povo contra JOMAV?

    15 août 2015 | Politica | Admin
  • Não é por acaso que o Presidente da República, José Mário Vaz, não marcou presença, quando devia presidir o acto da celebração da efeméride do 3 de Agosto e a cerimônia de entrega das obras de requalificação da Praça dos Mártires de Pindjiguiti que veio a ser, presidido pelo presidente da ANP, Cipriano Cassamá, que no seu discurso se preocupou em tecer elogios ao governo e trazer a público o telefonema particular com  Engenheiro Carlos Correia, alto dirigente do PAIGC ao invés de se focalizar no acto central.

    Como ilustre convidado à cerimônia, o Combatente da Liberdade da Pátria e ex-presidente cabo-verdiano Pedro Verona Pires chegou ao país na noite que antecedia a cerimônia da entrega das obras de requalificação da praça. Nas primeiras horas do dia D recebeu informações sobre JOMAV de modo que não teve tempo para digerir as informações porque tinha que discursar dentro de horas.

    Durante o acto foram proferidos diferentes discursos mas com a maioria à dar ênfase ao aspecto político em detrimento ao carácter social da data como foi o caso do ministro da Função Pública, Admiro Nelson Belo, que anunciou, para este ano, o reajuste salarial ansiosamente esperado pelos funcionários públicos guineenses.

    Mas os mais fortes dentre os discursos proferidos naquele dia foram, francamente, os do presidente da Câmara Municipal de Bissau (CMB), Adriano Ferreira (Atchutchi) e do ex-presidente de Cabo Verde, Pedro Verona Pires, que nos seus dizeres prenunciavam a predisposição de JOMAV em “derrubar o governo”, segundo veio a anunciar o próprio presidente da ANP, Cipriano Cassamá dias depois perante os deputados e toda a nação guineense.

    Mas onde estão os homens do Estado? Pergunto, porque o presidente da ANP não demonstrou nenhuma noção do segredo de Estado, isto para um responsável político que pretende um dia vir assumir a dianteira deste país.

    Doutro modo, pergunto: porque é que Cipriano Cassamá disse publicamente no salão da Assembleia Nacional Popular que falou ao Presidente da República e que este lhe demonstrou a sua intenção em derrubar o governo se bem que foi uma conversa intrainstitucional sobre um assunto que devia ser tratado sob a capa de segredo de Estado?

    Bom, voltando aos discursos do 3 de Agosto, era como se o presidente da CMB soubesse que o seu discurso viria a provocar a reação do Presidente da República. Na verdade a química entre os discursos de Atchutchi e Pedro Pires e o temperamento de José Mário Vaz surtiu efeito indesejável para o país.

    “Temos que nos reconciliar com este povo porque temos estado a prestar maus serviços aos guineenses através das disputas políticas que não nos levam a lado nenhum se não nos satisfazermos à nós próprios”, disse Adriano Ferreira no seu discurso de 3 de Agosto sem mencionar o nome do responsável político ao qual se referia, numa altura em que todos marcaram presença menos o Presidente da República.

    Por sua vez o comandante Pedro Pires disse estar confiante de que com a nova liderança de Domingos Simões Pereira e o presidente da Assembleia Nacional Popular a Guiné-Bissau o país vai mudar. “Esta é uma nova geração que não está envolvida em muitas “sakalatas” que o presidente da CMB disse”, afirmou o comandante Pedro Pires adiantando que é uma oportunidade para o povo da Guiné-Bissau ter uma liderança jovem competente com formação e comprometida com o país, porque há duas coisas, uma é sermos comprometidos com a nossa própria pessoa, onde só os nossos assuntos de hoje nos interessam.

    Pedro Pires elogiou todos, o governo, a ANP e o povo, deixando de fora a Presidência da República que esteve representado por alguns dos seus conselheiros mas nem por isso foram mencionados. O mais evidente de tudo foi o fecho do discurso de Pedro Pires que foi conclusivo na sua afirmação de que o povo da Guiné-Bissau sempre respondeu corretamente nas urnas mas os seus eleitos é que nunca souberam corresponder com as expectativas.

  • Eliminatórias CAN2017 – Zambia - Guiné-Bissau (0-0)

    A Guiné-Bissau arrancou, em Lusaca, sábado, 13 de Junho, um precioso empate (0-0) frente à Zâmbia. A jornada de sábado da competição foi auspiciosa para os países africanos de expressão portuguesa. Depois da vitória copiosa de Cabo Verde sobre os irmãos de São Tomé e Príncipe – assim ditou o calendário – Angola venceu, em casa, a formação da República Centro Africana por [...]

    Read more

    “(…) Arrependi-me de fazer esta enumeração de problemas porque o leitor da Guiné, depois de a ler, dirá logo ao primeiro amigo que tudo isso é desnecessário (se não disser qualquer nome feio) porque sempre se viveu sem se saber das condições de vida do preto e a Guiné progrediu sem isso e até porque desses inquéritos não resultará aumento de volume de negócios ou de riqueza [...]

    Read more

    Depois da crise política e institucional fazer o quê?

    Carlos Correia é o nome indicado pelo presidente do PAIGC, com aprovação do Bureau Político, como “candidato alternativo ao cargo de Primeiro-Ministro” (número 2 do artigo 40 dos estatutos do PAIGC). O Presidente da República, deu anuência e, a Guiné-Bissau tem um novo Primeiro-Ministro. Desta feita, um HOMI GARANDI, competente, experiente, de poucas palavras. PAIGC está de [...]

    Read more

    ACORDO DE CONAKRY: FIM DA CRISE OU CRISE EM STAND BY?

      "Ter razão não dá razão", diz-se algures. A crise despoletada em Agosto de 2015 com a demissão do primeiro Governo da legislatura pelo Presidente da República, levou que tentativas várias fossem feitas para serenar os ânimos (no círculo do PAIGC), enquanto em níveis mais amplos, multilaterais, eram desenvolvidas iniciativas e acções que acabaram por envolver a comunidade [...]

    Read more

    CHUVA DE RUMORES EM BISSAU - POPULARIDADE DE JOMAV AQUÉM DE ZERO

    CHUVA DE RUMORES EM BISSAU - POPULARIDADE DE JOMAV AQUÉM DE ZERO O PAÍS VAI MAL. No espaço de dois anos o actual Governo é o QUINTO Governo da legislatura. Há salários em atraso; o Executivo governa sem Programa nem Orçamento (o limite legal do recurso a duodécimos foi atingido); as escolas públicas estão encerradas devido a greve dos professores. A Assembleia Nacional Popular [...]

    Read more

    Depois de duas semanas de grande turbulência, o programa do Governo de Carlos Correia acabou por passar na Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, mas os narcotraficantes latino-americanos tudo farão para que o Estado guineense continue fraco, pois só assim servirá os seus interesses. Com muita dificuldade, o PAIGC conseguiu substituir os deputados que não haviam inicialmente [...]

    Read more

    «Considero-me um cidadão político... cujo primeiro compromisso é com o país, a Guiné-Bissau»

    - Garante o escritor Fernando Casimiro “Didinho” Fernando Jorge Gomes da Fonseca Casimiro, “Didinho”, concedeu uma entrevista exclusiva a Gazeta de Notícias em que aborda as diversas facetas da actualidade guineense. Radicado em Portugal desde 1988, autor de vários artigos de opinião, autor de três obras literárias publicadas, “Didinho” define-se como “Humanista, pensador,[...]

    Read more

    GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    12 décembre 2009 | Djumbai

    Clicar aqui para Abrir o Djumbai          

    Read more

    GUINEENSES NAS RUAS DE BISSAU CONTRA JOSÉ MÁRIO VAZ

    Manifestantes exigiram, este sábado (25.03), na Guiné-Bissau, a demissão do Presidente da República. Segundo os movimentos sociais, José Mário Vaz é o principal responsável pela crise que se arrasta no país. Centenas de pessoas foram às ruas da capital guineense, Bissau, no sábado (25 de março), para exigir a renúncia do Presidente José Mário Vaz. A manifestação pacífica foi [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>