• MANCHAS DE PÓLVORA NA ROSEIRA E NO CAPIM

    17 novembre 2012 | Cultura | Admin
  • Luis Carlos Alves de Melo* 

    Disna, i ka di aos ku tera tindji di burmedju, ku sukuru bisti bom dia (não é de hoje que a terra se tinge de vermelho, e que a luz se transforma em escuridão).
    A citação com a qual este artigo principia ilustra um dos capítulos de uma obra pouco difundida na esfera cultural: trata-se do livro Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim[1], da poetisa guineense Saliatu da Costa. “Mortundadi”, como se intitula o poema do qual o trecho foi retirado, integra a segunda parte do livro, o qual, por seu turno, é dividido em três: a Roseira, a Pólvora e o Capim. A autora utilizou-se de figuras de linguagem para dar corpo e alma à sua composição, já que cada uma das seções do livro traz em sua essência um significado muito além do que nossos olhos podem ver.

    A pólvora que mancha é uma expressão metafórica designada a representar os conflitos que são fatos constantes na vida do povo guineense. A roseira que está sendo manchada representa a Guiné-Bissau, flor que desabrocha mesmo em meio às tribulações, terra de homens e mulheres de coragem, que, desde cedo, têm seu destino marcado simplesmente pelo fato de serem africanos. O capim cuja essência acolhe os destroços e a seiva sangrenta da rosa despedaçada é a esperança de um novo amanhã, em que a terra deixará de ser tingida de vermelho e a luz não mais será escuridão.

    O livro se insere no contexto da literatura luso-africana, que nasceu a partir da colonização dos povos africanos por Portugal, ou pelas mãos dos simpatizantes da cultura africana, e direciona nossos olhares para diversos pontos temáticos que estão, de certa forma, impregnados em sua construção poético-literária. Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim apresenta, em seus poemas, uma série de aspectos militantes, dos quais podemos destacar a denúncia histórica, o combate moral, eivados de critica moral e social. Um dos pontos fortes é o sentimento humanitário que direciona a poesia africana a ganhar ares mais militantes do que estéticos. Os poemas partem em defesa dos homens e mulheres mortos, das mulheres mutiladas, das crianças desabrigadas, e de uma série de pontos problemáticos, exaltando a força do povo africano e da mulher negra, que ressurge com sua fachada intacta e com a alma em destroços.

    Nota-se claramente nas produções literárias a ligação com questões de identidade, como a do prazer de ser negro, transmitindo em suas obras um sentimento positivo de pertencer à cultura negra, evidenciando esse orgulho e abrindo portas para o reconhecimento e união dos povos negros em prol de sua libertação e autonomia total.

    Essa é a esperança de um povo que grita silenciosamente em meio a uma multidão que nem sequer se cala para ouvir os suspiros dos seus pensamentos.
    * Luis Carlos Alves de Melo, Graduando em Letras – Faculdade da Alta Paulista – FAP, Membro GPARA – Grupo de Pesquisas em Argumentação e Retórica Aplicadas – UFS.

    [1] Uma co-edição com sociólogo Miguel de Barros (Portugal) inclui um CD de declamações com direcção musical do Zé Manel Fortes, com vozes de Cícero Spencer Gomes e Dina Adão, algo inédito na produção literária da Guiné-Bissau.

  • Li atentamente e na íntegra o discurso do Senhor Presidente da República (PR), José Mário Vaz, a propósito da actual crise guineense. Parece-me objectivo e claro. Antes, tinha lido também a comunicação do Senhor Primeiro Ministro (PM), Domingos Simões Pereira. Bastante clara quanto ao seu objectivo. No essencial há apenas uma conclusão a tirar: perda de confiança mútua. A [...]

    Read more

    CHUVA DE RUMORES EM BISSAU - POPULARIDADE DE JOMAV AQUÉM DE ZERO

    CHUVA DE RUMORES EM BISSAU - POPULARIDADE DE JOMAV AQUÉM DE ZERO O PAÍS VAI MAL. No espaço de dois anos o actual Governo é o QUINTO Governo da legislatura. Há salários em atraso; o Executivo governa sem Programa nem Orçamento (o limite legal do recurso a duodécimos foi atingido); as escolas públicas estão encerradas devido a greve dos professores. A Assembleia Nacional Popular [...]

    Read more

    “(…) Arrependi-me de fazer esta enumeração de problemas porque o leitor da Guiné, depois de a ler, dirá logo ao primeiro amigo que tudo isso é desnecessário (se não disser qualquer nome feio) porque sempre se viveu sem se saber das condições de vida do preto e a Guiné progrediu sem isso e até porque desses inquéritos não resultará aumento de volume de negócios ou de riqueza [...]

    Read more

    AS FINANÇAS PÚBLICAS DA GUINÉ-BISSAU : PROBLEMAS E SOLUÇÕES

    O orçamento, citando G. Jéze “( …) é um acto político.” Isto porque ele “(…) é o reflexo financeiro da política governamental, na medida em que, qualquer que seja o programa político, terá necessariamente as consequências sobre as receitas e sobre as despesas e é por isso que é votado por políticos eleitos, que representam o povo no Parlamento. O orçamento reflete uma visão[...]

    Read more

    EGOCENTRISMO NA POLÍTICA É CRIME MORAL!

    O mundo é constituído de Homens excepcionais em todos os domínios; podem ser bons assim como maus em certas especialidades. É imprescindível que o homem que aspira a exercer funções de liderança nas instituições públicas, imperativamente, abdique do valor egocêntrico. O diálogo é a única riqueza de um verdadeiro partido político, porque, dialogando é que os homens conseguem [...]

    Read more

    A antena da Guiné-Bissau da Rede de Paz e Segurança para as Mulheres no Espaço da CEDEAO (RPSME) promoveu, hoje, uma marcha das mulheres pela paz e estabilidade, para ultrapassar a atual crise vigente na Guiné-Bissau. O evento decorreu do aeroporto Osvaldo Vieira à Praça dos Heróis Nacionais, uma distância de cerca de sete quilómetros A responsável da organização na Guiné-Bissau[...]

    Read more

    ENTRENÓS KU NÓS : Desafio ao PRS - Partido da Rebovação Social

    “A Liberdade Mental deve ser da autoria do Próprio Individuo”- Dr. Kumba Yalá Desde as eleições muito tenho escrito sobre a Guiné- Bissau, mas nunca tinha dedicado umas linhas ao maior partido da Oposição. Melhor, ao Partido do arco da governação. Um partido que, num total de 102 deputados na assembleia da república, por ter 41 deputados merece toda a atenção de todos os [...]

    Read more

    A organização não governamental internacional Greenpeace” denunciou que mais de 90 (noventa) navios pescam ilegalmente nas águas territoriais da Guiné-Bissau. A denúncia consta no relatório sobre os trabalhos de fiscalização levados a cabo pelo navio da organização durante quatro dias nas águas territoriais da Guiné-Bissau, que foi apresentado ao Presidente da República, José [...]

    Read more

    MANCHAS DE PÓLVORA NA ROSEIRA E NO CAPIM

    Luis Carlos Alves de Melo*  Disna, i ka di aos ku tera tindji di burmedju, ku sukuru bisti bom dia (não é de hoje que a terra se tinge de vermelho, e que a luz se transforma em escuridão). A citação com a qual este artigo principia ilustra um dos capítulos de uma obra pouco difundida na esfera cultural: trata-se do livro Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim[1], da poetisa guineense [...]

    Read more

    Depois de duas semanas de grande turbulência, o programa do Governo de Carlos Correia acabou por passar na Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, mas os narcotraficantes latino-americanos tudo farão para que o Estado guineense continue fraco, pois só assim servirá os seus interesses. Com muita dificuldade, o PAIGC conseguiu substituir os deputados que não haviam inicialmente [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>