• MANCHAS DE PÓLVORA NA ROSEIRA E NO CAPIM

    17 novembre 2012 | Cultura | Admin
  • Luis Carlos Alves de Melo* 

    Disna, i ka di aos ku tera tindji di burmedju, ku sukuru bisti bom dia (não é de hoje que a terra se tinge de vermelho, e que a luz se transforma em escuridão).
    A citação com a qual este artigo principia ilustra um dos capítulos de uma obra pouco difundida na esfera cultural: trata-se do livro Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim[1], da poetisa guineense Saliatu da Costa. “Mortundadi”, como se intitula o poema do qual o trecho foi retirado, integra a segunda parte do livro, o qual, por seu turno, é dividido em três: a Roseira, a Pólvora e o Capim. A autora utilizou-se de figuras de linguagem para dar corpo e alma à sua composição, já que cada uma das seções do livro traz em sua essência um significado muito além do que nossos olhos podem ver.

    A pólvora que mancha é uma expressão metafórica designada a representar os conflitos que são fatos constantes na vida do povo guineense. A roseira que está sendo manchada representa a Guiné-Bissau, flor que desabrocha mesmo em meio às tribulações, terra de homens e mulheres de coragem, que, desde cedo, têm seu destino marcado simplesmente pelo fato de serem africanos. O capim cuja essência acolhe os destroços e a seiva sangrenta da rosa despedaçada é a esperança de um novo amanhã, em que a terra deixará de ser tingida de vermelho e a luz não mais será escuridão.

    O livro se insere no contexto da literatura luso-africana, que nasceu a partir da colonização dos povos africanos por Portugal, ou pelas mãos dos simpatizantes da cultura africana, e direciona nossos olhares para diversos pontos temáticos que estão, de certa forma, impregnados em sua construção poético-literária. Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim apresenta, em seus poemas, uma série de aspectos militantes, dos quais podemos destacar a denúncia histórica, o combate moral, eivados de critica moral e social. Um dos pontos fortes é o sentimento humanitário que direciona a poesia africana a ganhar ares mais militantes do que estéticos. Os poemas partem em defesa dos homens e mulheres mortos, das mulheres mutiladas, das crianças desabrigadas, e de uma série de pontos problemáticos, exaltando a força do povo africano e da mulher negra, que ressurge com sua fachada intacta e com a alma em destroços.

    Nota-se claramente nas produções literárias a ligação com questões de identidade, como a do prazer de ser negro, transmitindo em suas obras um sentimento positivo de pertencer à cultura negra, evidenciando esse orgulho e abrindo portas para o reconhecimento e união dos povos negros em prol de sua libertação e autonomia total.

    Essa é a esperança de um povo que grita silenciosamente em meio a uma multidão que nem sequer se cala para ouvir os suspiros dos seus pensamentos.
    * Luis Carlos Alves de Melo, Graduando em Letras – Faculdade da Alta Paulista – FAP, Membro GPARA – Grupo de Pesquisas em Argumentação e Retórica Aplicadas – UFS.

    [1] Uma co-edição com sociólogo Miguel de Barros (Portugal) inclui um CD de declamações com direcção musical do Zé Manel Fortes, com vozes de Cícero Spencer Gomes e Dina Adão, algo inédito na produção literária da Guiné-Bissau.

  • O Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF) prometeu, hoje, avançar, no dia 20 do corrente mês, com um pré-aviso de greve no sector do ensino por alegado não cumprimento pelo governo do memorando de entendimento assinado entre as partes. Em entrevista concedida ao Gazeta de Notícias, o vice-presidente daquela organização sindical, Eusébio Có acusou o executivo, na pessoa da [...]

    Read more

    O Presidente do Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF) disse esta terça-feira (11 de 10) que os professores não podem continuar a receber "magros salários" e a terem uma vida "altamente miserável" e numa condição de insuficiência de salas de aulas. No acto do fecho e da abertura do ano escolar (2015-2016 e 2016-2017) Laureano Pereira da Costa disse que os tempos que agora [...]

    Read more

    Ensino Público : Aberto novo ano lectivo 2015-2016

    O ano lectivo 2015/2016 sob o lema "De mãos dadas para uma Educação Inclusiva" foi aberto oficialmente esta segunda-feira (11 de outubro)  em Bissau, numa cerimónia presidida pela ministra da Educação Nacional, Maria Odete Costa Semedo. Na ocasião, a ministra explicou que o acto se realizou graças a coragem do seu pelouro, uma vez que o país se encontra mergulhado há dois meses numa [...]

    Read more

    O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos lamentou, quarta-feira, em Bissau o facto do país celebrar o seu 42º aniversário, numa altura em que ainda se encontram muitas crianças em idade escolar fora do sistema do ensino, sem peça de identificação da Guiné-Bissau e mulheres morrendo no parto. Augusto Mário da Silva fez saber que o 42º aniversário do país é caracterizado por[...]

    Read more

    RETROSPECTIVA DE 2016 NA GUINE-BISSAU

    Cronologia Janeiro  1 de Janeiro -  O Chefe de Estado, José Mário Vaz, reconheceu que no ano de 2016 perfilaram-se vários desafios que devem ser resolvidos para que se possa cimentar as bases de um desenvolvimento sustentável. 11 - As bancadas parlamentares do PRS e do PAIGC chegaram a consenso quanto ao agendamento da sessão extraordinária para o próximo dia 18, a fim de, [...]

    Read more

    A INVENCIBILIDADE DO CABRALISMO

    A primeira Republica apontou como desígnio da sociedade guineense a RECONSTRUÇÃO NACIONAL. Nada mais justo e coerente com o facto de que a proclamação do Estado, para lá do seu significado Jurídico-político, é o reassumir formal e integral da condução do nosso destino. Isso faz do organizarmo-nos em Estado ou construir o nosso Estado, tarefa central, vital, para o avanço e [...]

    Read more

    Greve de professores: SINDEPROF agenda marcha pacífica de reivindicação contra o silêncio do governo

    O SINDEPROF (Sindicato Democrático dos Professores) agendou uma marcha pelas ruas de Bissau esta quinta-feira como forma de chamar a atenção para as causas da reivindicação em curso. É necessário acompanhar a actual greve da classe com uma marcha pacífica no sentido de informar a opinião pública nacional e internacional sobre a posição do governo relativamente as reivindicações da[...]

    Read more

      O coordenador nacional dos Assuntos dos peregrinos admitiu, hoje, em Bissau, a culpa em nome do Alto comissariado para Peregrinação aos lugares Sagrados do Islão pela não participação dos muçulmanos guineenses no cumprimento do quinto pilar do islão. O pedido de desculpas aos que não conseguiram deslocar-se à Meca foi feito publicamente em conferência de imprensa. Dino [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    "OS SOLIDÁRIOS"

    3 octobre 2017 | Reflexão
    &quote;OS SOLIDÁRIOS&quote;

    A chefe nenhum falta solidariedade. Por esta qualidade ser parilhada, os que a partilham são solidários, ou seja, pessoas entre as quais há responsabilidade recíproca e que por isso agem de forma mancomunada. Mais que em qualquer outra esfera de actividade humana, é na política que este fenómeno é observável. Por conseguinte, ter qualquer chefe político, por único responsável duma [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>