• MANCHAS DE PÓLVORA NA ROSEIRA E NO CAPIM

    17 novembre 2012 | Cultura | Admin
  • Luis Carlos Alves de Melo* 

    Disna, i ka di aos ku tera tindji di burmedju, ku sukuru bisti bom dia (não é de hoje que a terra se tinge de vermelho, e que a luz se transforma em escuridão).
    A citação com a qual este artigo principia ilustra um dos capítulos de uma obra pouco difundida na esfera cultural: trata-se do livro Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim[1], da poetisa guineense Saliatu da Costa. “Mortundadi”, como se intitula o poema do qual o trecho foi retirado, integra a segunda parte do livro, o qual, por seu turno, é dividido em três: a Roseira, a Pólvora e o Capim. A autora utilizou-se de figuras de linguagem para dar corpo e alma à sua composição, já que cada uma das seções do livro traz em sua essência um significado muito além do que nossos olhos podem ver.

    A pólvora que mancha é uma expressão metafórica designada a representar os conflitos que são fatos constantes na vida do povo guineense. A roseira que está sendo manchada representa a Guiné-Bissau, flor que desabrocha mesmo em meio às tribulações, terra de homens e mulheres de coragem, que, desde cedo, têm seu destino marcado simplesmente pelo fato de serem africanos. O capim cuja essência acolhe os destroços e a seiva sangrenta da rosa despedaçada é a esperança de um novo amanhã, em que a terra deixará de ser tingida de vermelho e a luz não mais será escuridão.

    O livro se insere no contexto da literatura luso-africana, que nasceu a partir da colonização dos povos africanos por Portugal, ou pelas mãos dos simpatizantes da cultura africana, e direciona nossos olhares para diversos pontos temáticos que estão, de certa forma, impregnados em sua construção poético-literária. Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim apresenta, em seus poemas, uma série de aspectos militantes, dos quais podemos destacar a denúncia histórica, o combate moral, eivados de critica moral e social. Um dos pontos fortes é o sentimento humanitário que direciona a poesia africana a ganhar ares mais militantes do que estéticos. Os poemas partem em defesa dos homens e mulheres mortos, das mulheres mutiladas, das crianças desabrigadas, e de uma série de pontos problemáticos, exaltando a força do povo africano e da mulher negra, que ressurge com sua fachada intacta e com a alma em destroços.

    Nota-se claramente nas produções literárias a ligação com questões de identidade, como a do prazer de ser negro, transmitindo em suas obras um sentimento positivo de pertencer à cultura negra, evidenciando esse orgulho e abrindo portas para o reconhecimento e união dos povos negros em prol de sua libertação e autonomia total.

    Essa é a esperança de um povo que grita silenciosamente em meio a uma multidão que nem sequer se cala para ouvir os suspiros dos seus pensamentos.
    * Luis Carlos Alves de Melo, Graduando em Letras – Faculdade da Alta Paulista – FAP, Membro GPARA – Grupo de Pesquisas em Argumentação e Retórica Aplicadas – UFS.

    [1] Uma co-edição com sociólogo Miguel de Barros (Portugal) inclui um CD de declamações com direcção musical do Zé Manel Fortes, com vozes de Cícero Spencer Gomes e Dina Adão, algo inédito na produção literária da Guiné-Bissau.

  • QUEM VAI FAZER GUERRA NA GUINÉ?

    A crise em que o país está mergulhado há mais de um ano, pelos vistos, está a criar imagens virtuais que provocam ilusões ópticas em muita gente. Surgem profetas de mau agouro pressagiando devir próximo de um holocausto no país numa altura em que, acima de tudo, precisa-se de entendimento, paz e estabilidade. Não falam de mortos mas os subentendidos terríficos dos discursos que [...]

    Read more

    GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    ENTRENÓS KU NÓS : Desafio ao PRS - Partido da Rebovação Social

    “A Liberdade Mental deve ser da autoria do Próprio Individuo”- Dr. Kumba Yalá Desde as eleições muito tenho escrito sobre a Guiné- Bissau, mas nunca tinha dedicado umas linhas ao maior partido da Oposição. Melhor, ao Partido do arco da governação. Um partido que, num total de 102 deputados na assembleia da república, por ter 41 deputados merece toda a atenção de todos os [...]

    Read more

    CHUVA DE RUMORES EM BISSAU - POPULARIDADE DE JOMAV AQUÉM DE ZERO

    CHUVA DE RUMORES EM BISSAU - POPULARIDADE DE JOMAV AQUÉM DE ZERO O PAÍS VAI MAL. No espaço de dois anos o actual Governo é o QUINTO Governo da legislatura. Há salários em atraso; o Executivo governa sem Programa nem Orçamento (o limite legal do recurso a duodécimos foi atingido); as escolas públicas estão encerradas devido a greve dos professores. A Assembleia Nacional Popular [...]

    Read more

    SINDEPROF desmente declarações da ministra da Educação sobre pagamento de salários aos professores

     “É triste quando um alto responsável de um órgão da soberania do país se dá ao luxo de fazer tais declarações”, lamentou Armando Vaz do SINDEPROF esta terça-feira. Conforme o sindicalista, «infelizmente», desde o anuncio da ministra, segunda-feira  qualquer professor que já passou pelos bancos saiu de lá muito chocado pois, «nenhum dinheiro foi colocado nos bancos». [...]

    Read more

    O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos lamentou, quarta-feira, em Bissau o facto do país celebrar o seu 42º aniversário, numa altura em que ainda se encontram muitas crianças em idade escolar fora do sistema do ensino, sem peça de identificação da Guiné-Bissau e mulheres morrendo no parto. Augusto Mário da Silva fez saber que o 42º aniversário do país é caracterizado por[...]

    Read more

    A Associação de Saneamento Básico, Protecção de Água e Ambiente (ASPA) da Região de Bafatá iniciou, ontem, o repovoamento do Parque Natural de Bomma em Bafatá com árvores de variedades locais. Os trabalhos desenvolvidos nos últimos dias devem-se ao mau tempo que assola aquela região, que derrubou várias árvores de grande porte. Por essa razão, a ASPA vai semear quatro tipos de [...]

    Read more

    Reações: LGDH acusa Presidente da República de ignorar esforços dos parceiros

    O secretário Nacional da Comunicação e porta-voz da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) garantiu, hoje, na sede da organização em Bissau, que o derrube do Governo pelo Presidente da República foi uma decisão isolada e projetada. Durante a comunicação a imprensa Alex Bassuko Santos Lopes disse que, infelizmente, perante todo este cenário José Mário Vaz optou por uma decisão [...]

    Read more

    PIRÂMIDE INVERTIDA!

    15 janvier 2015 | Reflexão
    PIRÂMIDE INVERTIDA!

    “O poder tende a corromper, e o poder absoluto corrompe absolutamente”. Exatamente aqui está o perigo de quem detém o poder. A linha para manter o caráter livre deste perigo é muito tênue. E poucos são os que conseguem entrar na esfera do poder e sair intacto. Considero que só os verdadeiros líderes no sentido lato da questão conseguem essa proeza. Os que nasceram para servir[...]

    Read more

    A SOLUÇÃO DA CRISE ESTÁ À MÃO DE SEMEAR

    «Kadda kusa ku si kumsada i ta tem si fim son si Deus ka misti ki kata kaba!» (Tudo o que começa acaba; só não acaba se Deus não quiser!) – José Carlos Schwarz músico guineense. A crise que se vive na Guiné-Bissau começou algures mas, para não esgravatar a história recente do PAIGC, Partido vencedor das últimas eleições gerais, vamos situar o ponto de partida na Assembleia [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>