• « Não há crise política na Guiné-Bissau, mas sim impasse institucional » – Soares Sambu, MNECIC

    9 février 2017 | Politica | Admin
  • «Não há crise política na Guiné-Bissau, mas sim impasse institucional» – Soares Sambu, ministro dos Negócios Estrangeiros

    A situação na Guiné-Bissau foi novamente objecto de um debate no Conselho de Segurança da ONU. O relatório do secretário-geral não é muito otimista, se o impasse persistir.
    O Conselho de Segurança mantém as sanções e acredita que esta medida permitiu deixar os militares longe de qualquer tentativa de tomada do poder pela força. Outra forma de pressionar as autoridades é usada: a suspensão da ajuda financeira ao orçamento do Estado pelo Banco Mundial, o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e a União Europeia.

    Para enfrentar esta situação, o Presidente José Mário Vaz acaba decretar, na quarta conferência dos embaixadores, que um plano de redução de representações diplomáticas é necessário, « o país não dispõe de meios financeiros para manter embaixadas em todas as partes ».
    Atualmente, a Guiné-Bissau tem 16 representações diplomáticas no estrangeiro, incluindo seis na Europa. O atual governo de Baciro Dja está em dificuldades, o prazo de 60 dias para apresentar o programa de governo foi largamente ultrapassado. A lei estabelece que, se o prazo não for cumprido, o governo deve demitir-se.
    Mas a culpa não cai no governo, mas sim na presidência da Assembleia Nacional Popular, que se esforça para impedir que esta votação tenha lugar.
    Como disse o chanceler atual, Soares Sambu, para diplomatas africanos « não há crise política na Guiné-Bissau, mas um impasse institucional. »
    O Presidente José Mário Vaz deve abordar a situação política e económica no país durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, mas, antes disso, multiplicou deslocações no continente.
    Visitou o Congo – Brazzaville e Sudão.
    O Presidente solicitou ao general Embalo, para organizar a viagem africana, um especialista em questões regionais já foi no passado um missi dominici de outros chefes de Estado da sub-região.
    Em Brazzaville, o acolhimento foi extremamente quente, o Presidente Vaz foi ouvir e procurar aconselhamento do seu « amigo » Sassou Nguesso. Em Cartum, uma reunião de trabalho foi realizada na Presidência e uma entrevista foi arranjada com a liderança do Banco árabe para o Desenvolvimento Económico (BADEA).
    O Presidente José Mário Vaz também pode atender empresários sudaneses e do Golfo. Esta visita a Cartum foi objecto de críticas, uma vez que o presidente Omar al-Bashir é procurado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) por genocídio.
    O Presidente Vaz respondeu a essas críticas afirmando que a sua preocupação era « arranjar soluções para os problemas econômicos do país » e que ele não interfere nos assuntos de outros países e que « eu também defendo direitos humanos. Desde que eu governo o país, ninguém foi capturado, ninguém morreu, há liberdade de imprensa e de expressão « .

    No seu regresso a Bissau, o presidente surpreendeu muita gente declarando em tom firme « enquanto eu for chefe de estado, não dissolverei o parlamento », uma maneira de convidar os principais partidos políticos a se entenderem e levar o PAIGC a maior abertura.
    Uma saída do impasse político parece possível após a visita a Bissau dos Chefes de Estado de Guiné Conakry e Libéria como parte de uma missão de bons ofícios da CEDEAO.
    Esta missão recomendou o estabelecimento de um governo de « consenso » até as eleições de 2018. Este governo terá como tarefa principal a revisão da constituição, redefinindo da missão do Executivo, o Parlamento, o judiciário, a reforma da lei eleitoral e a lei de criação de partidos políticos.
    Um extenso programa, mas um vislumbre de esperança está surgindo sob a liderança do novo Presidente da Comissão da CEDEAO, o beninense Alain Marcel de Souza, para uma possível saída desta crise uma vez que dura há mais de um ano.

    Lettre de la lusophonie

  • O diretor da Educação do Sector Autônomo de Bissau alertou, sexta-feira em Bissau aos pais e encarregados de educação que, o processo de matrícula nas escolas públicas do país irá terminar no dia 25 de Setembro. “Assim que o prazo fechar vou reunir, mais uma vez, os diretores das escolas com vista a fazer balanço dos lugares ainda restantes. Caso houver vagas, qualquer interessado [...]

    Read more

    Reações: LGDH acusa Presidente da República de ignorar esforços dos parceiros

    O secretário Nacional da Comunicação e porta-voz da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) garantiu, hoje, na sede da organização em Bissau, que o derrube do Governo pelo Presidente da República foi uma decisão isolada e projetada. Durante a comunicação a imprensa Alex Bassuko Santos Lopes disse que, infelizmente, perante todo este cenário José Mário Vaz optou por uma decisão [...]

    Read more

    A antena da Guiné-Bissau da Rede de Paz e Segurança para as Mulheres no Espaço da CEDEAO (RPSME) promoveu, hoje, uma marcha das mulheres pela paz e estabilidade, para ultrapassar a atual crise vigente na Guiné-Bissau. O evento decorreu do aeroporto Osvaldo Vieira à Praça dos Heróis Nacionais, uma distância de cerca de sete quilómetros A responsável da organização na Guiné-Bissau[...]

    Read more

    ARMANDINHO SÁ COORDENADOR DA AMBFM À GN – “LUTAMOS PELO DIREITO À HABITAÇÃO”

    Depois de concluir o curso de engenharia civil em Cuba, em 2000, de regresso à Guiné-Bissau transitou por Lisboa onde tencionava passar uns tempos, mas acabou por ficar até hoje. Não exerce a sua profissão, mas está envolvido no ativismo social, da habitação e da imigração há mais de oito anos, em Portugal. Adquiriu conhecimento na área do empreendedorismo, passando a ensinar os [...]

    Read more

    Ex-presidente Serifo Nhamadjo fala da crise política : «Eu não faria parte do problema, mas sim da solução» -

    O ex-Presidente da República de Transição, Manuel Serifo Nhamadjo, culpa os veteranos do PAIGC pela crise profunda do partido libertador cujos militantes e dirigentes estão em rota de colisão.   Em entrevista exclusiva à Rádio Makaré-FM, o ex-Chefe de Estado afirmou que “não se pode resolver um problema intensificando-o.” “Se fossemos nós a gerir esse conflito, garanto que [...]

    Read more

    “Toka-Toka”: servindo o povo entre elogios dificuldades e depreciações

    TOKA-TOKA é o transporte urbano mais usado de Bissau, mais barato, mas também o mais agitado. Começa a circular às 06 horas e só pára entre às 21 e 22 horas, das periferias ao centro da cidade. Todos passam pelo maior centro comercial do país, o Mercado Municipal de Bandim, onde se vende de tudo para todos os gostos e necessidades, e, em função de qualquer situação financeira. [...]

    Read more

    O PAIGC PADECE DE AMNÉSIA?

    A Guiné-Bissau aspira uma vida simples e segura, uma governação baseada no pragmatismo, porque o contexto político e social da nossa Pátria amada se encontra muito complicado o que mergulhando os cidadãos num desespero difícil de descrever. A classe política em si, não constitui um povo. É ele que ordena e coordena o quadro governativo, que proporciona o bom convívio entre o povo e o[...]

    Read more

    Crime organizado ganha força nas ilhas da Guiné-Bissau

    Quando lhe apontaram uma pistola, Armando Nhaga virou costas e fugiu da pista de aviação da ilha de Bubaque, Guiné-Bissau, onde trabalha como guarda. Armando, 60 anos, testemunhou ao longo da última década a aterragem de voos clandestinos que se suspeita estarem ligados ao tráfico de cocaína da América do Sul para a Europa. "Na hora em que chegavam diziam-me: 'sai'. E eu saía. Não [...]

    Read more

    SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET

    República da   Guiné-Bissau MINISTÉRIO DAS PESCAS PROJET REGIONAL DES PECHES EN AFRIQUE DE L’OUEST P119380 et P122182 IDA Grant Number H6530 – GW; GEF Grant Number 99597   SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET POUR LA SELECTION D’UN CONSULTANT INDIVIDUEL POUR L’ETUDE SUR LA TAXATION DES CAPTURES REALISEES PAR LES FLOTTES ETRANGERES ET NATIONALES DANS LA ZONE ECONOMIQUE [...]

    Read more

    AS FINANÇAS PÚBLICAS DA GUINÉ-BISSAU : PROBLEMAS E SOLUÇÕES

    O orçamento, citando G. Jéze “( …) é um acto político.” Isto porque ele “(…) é o reflexo financeiro da política governamental, na medida em que, qualquer que seja o programa político, terá necessariamente as consequências sobre as receitas e sobre as despesas e é por isso que é votado por políticos eleitos, que representam o povo no Parlamento. O orçamento reflete uma visão[...]

    Read more

    Veja mais artigos >>