• Li atentamente e na íntegra o discurso do Senhor Presidente da República (PR), José Mário Vaz, a propósito da actual crise guineense. Parece-me objectivo e claro.

    Antes, tinha lido também a comunicação do Senhor Primeiro Ministro (PM), Domingos Simões Pereira. Bastante clara quanto ao seu objectivo.

    No essencial há apenas uma conclusão a tirar: perda de confiança mútua.

    A estrutura do Estado tem uma hierarquia, resultando daí que o 1º magistrado da nação é o PR. Sabe-se, sobretudo agora, que as dificuldades de relacionamento entre o PR e o PM já duravam há bastante tempo. Provavelmente o PR entendeu que já não havia mais condições para manter uma relação praticamente impossível e, por conseguinte, passível de pôr em causa o cumprimento do n.º 3 do Art.º 97 da Constituição da República.

    De todas as soluções possíveis creio que o PR optou pela melhor delas. Qualquer outra não seria mais do que o prolongamento da crise no tempo. O país não pode estar bem quando o seu PR e o PM andam de costas voltadas.

    Creio sinceramente que esta crise resulta apenas da indisciplina generalizada que se apoderou da classe política guineense, agravada pelo desconhecimento da ética ou simplesmente pela sua inobservância, de tal maneira que, até os mais ponderados acabam por se deixar contaminar.

    Por exemplo, o PR foi desrespeitado publicamente por um ministro. O que aconteceu ao ministro? Nada. Em qualquer país civilizado –a minha amada Guiné-Bissau ainda o é- o funcionário público que ousa criticar ou ofender um PR é punido por essa conduta. Um ministro é um funcionário público e não é um qualquer. Logo, tem maiores responsabilidades.

    Domingos Simões Pereira (DSP) não terá compreendido que um braço de ferro com o Presidente poderia pôr em causa a sua liderança do governo. Ninguém ignora que ele, enquanto Presidente do PAIGC, ajudou a eleger o PR.

    No entanto, a perda de confiança declarada e agravada pelo teor da comunicação dos dois protagonistas significa simplesmente que é improvável de todo uma nova coabitação entre os dois. Nisso, o Presidente está a ser mais realista. O PM demitido considera que, apesar de tudo, é possível manter uma coabitação!

    Antevendo a crise anunciada o PM resolveu jogar uma cartada que julgara decisiva na tentativa de demover o PR, fazendo uma comunicação antecipada ao país. Com isso ganhou pontos seguramente, mas terá porventura irritado ainda mais o PR.

    De resto, a perda de confiança assumida pelos dois, só por si, é razão suficiente para a demissão do governo.

    O Presidente demitiu o governo em funções justificando-se e bem. Pediu ao partido vencedor das últimas legislativas que indicasse um nome para novo PM. Na realidade, a substituição do PM nos termos propostos não está sequer fora do quadro constitucional.

    Chegado a este ponto, pelo menos um dos dois tem que sair de cena sob pena de aprofundar ainda mais a crise.

    O PR não praticou qualquer ilegalidade já que se socorre apenas de uma prerrogativa que a constituição lhe confere.

    O DSP pode muito bem dizer que se socorre também dos estatutos do partido para manter o braço de ferro, mantendo o seu nome como candidato ao cargo de 1.º ministro. A isso chama-se confrontação. Consequência: vai prolongar uma crise cujo impacto real ninguém pode prever. Certo, porém, é que terá sempre custos elevadíssimos para o país.

    A alegada hipótese de pedir a destituição do PR, creio honestamente que é a pior de todas as soluções uma vez que os fundamentos a invocar, à luz da constituição, dificilmente poderão ser suficientemente consistentes para produzir eficácia em tempo útil.

    Alternativamente, faço um apelo em 1º lugar ao DSP para que saia de cena, ainda que possa caso assim entenda, manter o seu cargo de presidente do partido, mas delegando a responsabilidade de chefia da governação a um outro colega do partido ou até a um independente a designar por consenso.

    Neste caso, seria possível manter o decurso da atual legislatura em que o PAIGC mantém o controlo do parlamento (60% dos votos), podendo a qualquer momento derrubar o governo em funções, bastando para isso fazer aprovar uma moção de censura nos termos da constituição.

    Uma saída de cena nestas condições enobrece a qualquer um porque, ao fazê-lo, será em nome de uma causa maior: a Guiné-Bissau. Fá-lo-á para devolver imediatamente a estabilidade ao país. Desta forma, quem sabe se daqui a quatro anos não se apresentará como candidato mais forte para a substituição do actual Presidente.

    Em 2º lugar, gostaria de estender o meu apelo ao PAIGC, como partido responsável que é, partido libertador e maior partido do país, para que tenha a capacidade de, caso prevaleça o impasse, convocar extraordinariamente o seu Comité Central, órgão competente para impor uma solução viável, como seja, por exemplo, a de propor um outro nome que não do DSP para a chefia do novo governo. Respeito a estratégia do partido, o qual, pela experiência dos seus dirigentes, saberá sempre o melhor momento e qual a melhor forma de intervenção a adotar.

    “O PR é teimoso”, dizem muitos de nós. Acredito que não terá seguido o conselho recebido de grande parte das várias entidades que consultou e que apontava para o caminho do diálogo, já que “estava a correr tudo tão bem…”. Ainda assim, creio também, que tomou a melhor decisão. Confiemos, pois, na boa-fé do PR. Vamos dar-lhe o benefício da dúvida e pedir-lhe maior responsabilidade na condução dos destinos do país.

    Compreendo as manifestações que têm ocorrido no país e até fora dele, todas elas bem intencionadas, acredito, mas sem grande efeito prático. Creio que seria muito mais eficaz se essas manifestações fossem mais racionais e menos emocionais. Com efeito, faria mais sentido se as manifestações fossem, por exemplo, no sentido de oferecer solidariedade ao Eng. Domingos Simões Pereira mas, ao mesmo tempo, sugerindo-lhe que abdicasse para facilitar a solução do actual problema. Mais ainda, podia-se juntar um pedido de maior responsabilidade ao Presidente da Republica na condução dos destinos do país.

    E se fosse o PR a demitir-se? É uma solução possível embora me pareça de maior complexidade, pois no mínimo, em condições normais, obrigaria à realização imediata de novas eleições. De resto, devemos ter em conta que a carta magna do país dá primazia ao PR.

    Certo, certo é que o país está parado e impõe-se uma solução o mais rapidamente possível.

    Mantenhas fortes.

    Augusto Gomes

    in simintera.com

  • Movimento Nacional de Apoio a boa Governação defende busca de consenso como solução para actual crise política

    Abdel Abduramane Djalo, falava esta terça-feira numa conferência de imprensa para tornar público a intenção da sua organização na busca de solução para actual crise na ANP. Segundo este jovem activista é urgente encontrar consenso interno no seio do Partido Africano da Independencia da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e na Assembleia Nacional Popular (ANP), para uma governação sólida da[...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    A Plataforma das Organizações da Sociedade Civil para Democracia Cidadania e Direitos Humanos (POSCDCDH) afirmou, hoje em conferência de imprensa que, é urgentíssimo a formação de um Governo constitucional, a fim de desbloquear o país e continuar efetuar esforços para o seu desenvolvimento. Caso contrário, diz a organização, o atraso na sua formação pode comprometer a abertura do [...]

    Read more

    O Movimento dos Cidadãos Livres (MCL) reclamou esta quarta-feira, através de uma nota, a criação de um tribunal constitucional que, teria como propósito dirimir os conflitos e averiguar a constitucionalidade das leis e decisões decorrentes do exercício dos titulares de cargos públicos. Neste ótica, o MCL recomenda uma revisão profunda da Constituição da República, de forma a [...]

    Read more

    BACIRO EMBALÓ ASSASSINADO EM GÃ MAMUDO : &quote;REGISTO BIOGRÁFICO&quote;

    Acontece que no dia 19/08/2016, aladje Baciro Embalo, mais conhecido por Aladje Baciro Embalo, mais conhecido por Aladje Sidi Cantchungo barbaramente assassinado a tiro, a queima roupa, junto a porta da sua casa, em Gã Mamudo, sector de Mansoa região de Oio, por um homem desconhecido. O aladje Seidi Cantchungo, foi surpreendido pelo assassino, quando se preparava para ir realizar a sua [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas.   Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo [...]

    Read more

    GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    PAIGC É UM MAL NECESSÁRIO?

    A Guiné-Bissau vive uma grave crise política e institucional quando, em condições normais, devia estar longe dessa situação devido a particularidade do cenário político. Vencedor das eleições democráticas de 2014, o PAIGC, apoiante do candidato presidencial vitorioso, enquanto primeira força política do país tem vindo a demonstrar incapacidade de gerir o poder absoluto que detém. [...]

    Read more

    Governo inviabiliza marcha dos professores

    Segundo Laureano Pereira, estes tipos de atitudes não são correctos, porque são uma violação aos direitos humanos, a liberdade de expressão, a liberdade de opinião e de manifestação dos professores. Afirmou que no quadro da preparação da marcha pacífica, entregou, na última segunda-feira, uma nota ao ministério do Interior e ao presidente da Câmara Municipal de Bissau, com vista [...]

    Read more

    No âmbito do Dia Nacional da literatura e poesia, a Associação Guineense dos Escritores (AGE) homenageou hoje, no Clube do Bairro d´Ajuda, o pioneiro da música guineense, José Carlos Schwartz. A iniciativa visa atribuir valor, como é habitual, à uma figura falecida ou viva, ligada a literatura ou música. As atividades comemorativas foram marcadas com récitas de poesias, atuação [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>