• O programa do Governo guineense foi aprovado

    29 janvier 2016 | Reflexão | Admin
  • Depois de duas semanas de grande turbulência, o programa do Governo de Carlos Correia acabou por passar na Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, mas os narcotraficantes latino-americanos tudo farão para que o Estado guineense continue fraco, pois só assim servirá os seus interesses.
    Com muita dificuldade, o PAIGC conseguiu substituir os deputados que não haviam inicialmente respeitado a disciplina de voto; e o programa governamental foi finalmente aprovado pela sua bancada, encontrando-se ausentes da sala os deputados do Partido da Renovação Social (PRS).
    O Tribunal Regional de Bissau deu razão à mesa da Assembleia, que mandara substituir os deputados rebeldes, e evitou-se assim, pelo menos para já, que o Presidente da República, José Mário Vaz, procurasse constituir um novo executivo à revelia da direcção do PAIGC, partido maioritário; ou tratasse mesmo de dissolver a Assembleia Nacional Popular, marcando umas dispendiosas eleições antecipadas.
    Toda esta turbulência tem vindo a ser assacada aos meios, incluindo os associados ao narcotráfico, que preferem na África Ocidental regimes fracos, altamente instáveis, de modo a que possam proceder a toda a espécie de manigâncias, em detrimento do interesse das populações.
    Na Guiné-Bissau não se combate por ideais, mas sim por interesses, muitos deles alheios ao próprio continente africano.
    Cada político ou cada grupo de indivíduos procura beneficiar com os dinheiros disponibilizados pela comunidade internacional, com o abate das florestas e com as verbas inerentes ao narcotráfico que passa pela região, a caminho da Europa.
    Não há princípios, nem noção de pátria, mas sim o salve-se quem puder, com uns quantos a tentarem sempre obter benefícios materiais, enriquecer, enquanto o país continua pobre, entre os 15 ou 20 mais pobres do mundo.
    Sempre houve muitos erros na acção do PAIGC, conforme o reconheceu o seu próprio fundador, Amílcar Cabral, que deixou escrito que certas coisas que deveriam ter sido feitas não o foram na devida altura, ou até mesmo nunca.
    Se isto já era assim há 43 anos, imagine-se hoje, depois da passagem pelo poder de muitas pessoas que não tinham, nem de perto nem de longe, a honestidade de Amílcar. Errou o PAIGC, errou o PRS, entretanto surgido, e erraram outros.
    A Guiné-Bissau é um território de oportunidades perdidas, onde muitos dão mais valor aos laços étnicos e aos seus negócios do que à construção de um Estado viável, imune a pressões externas.
    Os princípios definidos foram muitas vezes letra morta, de modo que, em solo guineense, o idealizado por Amílcar, e que Luís Cabral tentou levar à prática, ficou em grande parte no papel, enquanto a população continuou a sofrer.
    Tem-se chamado ao PAIGC partido dos libertadores, porque conseguiu libertar o país da administração colonial portuguesa; mas não o libertou de forma alguma da miséria nem da falta de coesão nacional.
    Quanto ao PRS, a segunda força partidária destas últimas décadas, é em grande parte um movimento étnico, para defender sobretudo os balantas, aos quais por vezes parece importar mais essa condição do que a de guineenses.
    Só quando balantas, fulas, mandingas, manjacos, beafadas, papéis e todas as demais etnias se unirem, num grande esforço comum, ultrapassando as divergências do passado, é que a Guiné-Bissau se tornará viável e poderá realmente aproveitar as riquezas existentes no seu solo, subsolo e águas.
    Enquanto isso não acontecer, aprova-se um programa de Governo mas não se consegue cumpri-lo; realizam-se eleições mas não se leva uma legislatura até ao fim; pedem-se verbas às grandes instituições internacionais e não se sabe aproveitá-las para o bem geral.
    Pode-se e deve-se fazer mais, mais e melhor, para arrancar de uma vez por todas com uma pátria que há 42 anos patina, como se ainda estivesse a dar os primeiros passos.
    Acabem-se com os aspectos negativos de certas tradições, como a de ver sempre no outro um inimigo, um adversário a abater. Deixe-se de destilar ódio nos escritos e nas palavras.
    Só quando isso for feito é que poderá haver finalmente uma Guiné-Bissau, digna desse nome, a trabalhar em uníssono, num belo rincão da África Ocidental.

    Jorge Heitor
    29 de Janeiro 2016

  • Voluntários fazem limpeza no Hospital Militar Principal

    O quinto grupo dos finalistas da Unidade Escolar «23 de Janeiro», Bloco 2, com o objetivo de contribuir para a melhoria das condições higiênicas do hospital Militar, em Bissau realizou, no sábado trabalhos de limpeza voluntária no recinto daquele centro hospitalar, inclusive o tratamento do relvado. Na ocasião, o presidente da comissão organizadora dos trabalhos prometeu desenvolver [...]

    Read more

    O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou esta quarta-feira aos políticos guineenses para aplicarem o Acordo de Bissau para acabar com o impasse político que o país vive. O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou esta quarta-feira aos políticos guineenses para aplicarem o Acordo de Bissau para acabar com o impasse político que o país vive. Num comunicado [...]

    Read more

    A QUEDA DO GOVERNO NÃO É NOVO E NÃO PASSA DO “DÉJÀ-VU”

    O gesto de demissão do Governo bissau-guineense, procedido ontem (12.08,2015) pela S Ex. Sr. Presidente da República da Guiné-Bissau é mau, uma loucura!  Mas enfim, ele não é novo e não passa do “déjà-vu” dos últimos 21 anos da instituição e “exercício” da nossademocracia pluralista, multipartidária e parlamentar. As 1aseleições de 1994 constituiram o pontapé de [...]

    Read more

    AS FINANÇAS PÚBLICAS: Problemas e Soluções (2)

    O pagamento do salário, na Guiné-Bissau, constitui um das questões que afectam consideravelmente o funcionamento normal das instituições do país e, consequentemente, contribui para a sua fragilização, originando distorções e injustiças gritantes na sua Administração Pública. A título ilustrativo, verifica-se que o salário auferido por um servente é pago 60 vezes pelo mais alto [...]

    Read more

    GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    O líder do Movimento Patriótico manifestou-se sexta-feira contra uma eventual constituição de um Governo de unidade nacional, mostrando a sua inexistência na Constituição da República. Por isso, defende que se não for o PAIGC, se não for uma nova maioria, então que se dissolva a Assembleia Nacional Popular permitindo ao povo eleger novos parlamentares. José Paulo Semedo lembrou [...]

    Read more

    A DÍVIDA HIPOTECA O FUTURO DO PAÍS

    O Homem íntegro é incorruptível; aquele cuja integridade leva a agir de acordo com as suas convicções, sem fazer qualquer concessão que ponha em causa a sua honra e dignidade. Esse homem pode ser um político? Qual é o preço da convicção de um governante? Pode ser negociado? Será que, em nome da chefia, pode-se negociar as convicções de um povo? Claro que não! Assim diria um [...]

    Read more

    O PAIGC PADECE DE AMNÉSIA?

    A Guiné-Bissau aspira uma vida simples e segura, uma governação baseada no pragmatismo, porque o contexto político e social da nossa Pátria amada se encontra muito complicado o que mergulhando os cidadãos num desespero difícil de descrever. A classe política em si, não constitui um povo. É ele que ordena e coordena o quadro governativo, que proporciona o bom convívio entre o povo e o[...]

    Read more

    CRISE INTERNA DO PAIGC FALSO DILEMA

    Reflexão de Ernesto Dabó em saudação ao 44º aniversário da independência da Guiné-Bissau. No passado dia 15 deste Setembro nacional, recebi convite da Comissão organizadora da CONFERÊNCIA NACIONAL DE REFLEXÃO PARA SALVAÇÃO DO PAIGC DE CABRAL, patrocinado pelo grupo dos 15, sob o lema: “UM PAIGC REUNIFICADO E COESO PARA ENFRENTAR FUTUROS DESAFIOS”. Confesso que acolhi o convite[...]

    Read more

    CRISE POLÍTICA PERSISTE GUNÉ-BISSAU NUM BECO SEM SAÍDA?

    José Mário Vaz, cidadão guineense eleito Presidente da República da Guiné-Bissau na segunda volta das eleições presidenciais, a 17 de Maio de 2014, tem vindo a ser objecto de duras críticas e ataques de cidadãos particulares e partidos políticos. Em consequência disso, em alguns círculos murmura-se e chega-se ao ponto de considerá-lo o «PIOR PRESIDENTE DA REPÚBLICA QUE A [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>