• “O poder tende a corromper, e o poder absoluto corrompe absolutamente”.

    Exatamente aqui está o perigo de quem detém o poder. A linha para manter o caráter livre deste perigo é muito tênue. E poucos são os que conseguem entrar na esfera do poder e sair intacto.

    Considero que só os verdadeiros líderes no sentido lato da questão conseguem essa proeza.

    Os que nasceram para servir Estado e Pessoas.

    Verdadeiros humanistas e patrióticos, que têm a pretensão de deixar um legado positivo. Que se preocupam com Honra e Glória!

    Mas parece-me que falta essa ambição a muitos líderes africanos!

    Senão vejamos:

    No índice de Mo Ibrahim, criada com objectivo de ajudar os cidadãos, sociedade civil, governo, parlamento a medir o progresso no seu país.

    Na sequência disso é lançado um prêmio para a liderança de excelência em áfrica no valor de 5 milhões de dólares, acrescido de uma pensão vitalícia como incentivo e motivação aos chefes de Estado que tenham promovido critérios em avaliação:

    – Segurança e Estado de Direito;

    – Participação e Direitos Humanos;

    -Oportunidade Econômica Sustentável;

    -Desenvolvimento Humano.

    A questão é que desde 2007 data que marca início deste índice apenas 3 Chefes de Estado o venceram:

    – Presidente de Moçambique, Joaquim Chissano em 2007.

    – Presidente de Botswana, Festus Mogae em 2008.

    – Presidente de Cabo Verde, Pedro Pires em 2011.

    Sendo que há 2 anos consecutivos não houve nenhum vencedor.

    Porque será? Falta de ambição e vontade dos líderes africanos em contribuir e promover a boa governação?

    Outro dado que importa aqui mencionar, é de que num universo de 52 países africanos avaliados Cabo Verde surge em 2° lugar no ranking de boa governação e o melhor entre os países Lusófonos, São Tome e Príncipe (12°, Moçambique (22°), Angola (44°).

    Sabem em que lugar está a nossa orgulhosa Pátria Guiné- Bissau?

    Em 48° posição, nos 5 piores países avaliados!

    Há pessoas que não gostam que se faça comparação com Cabo Verde, mas os exemplos servem para isso mesmo, retirar ilações. Até porque as comparações são inevitáveis, não vivemos num mundo à parte. Somos parte integrante de uma sociedade cada vez mais globalizada.

    Vários indicadores internacionais têm vindo a colocar Cabo Verde com bons índices de desenvolvimento. Com estes resultados encorajadores, se torna mais surpreendente para um país com fracos recursos naturais, os tais que muitos outros países de áfrica possuem.

    Será que estes bons indicadores são porque os seus governantes são mais capazes? Ou terão uma varinha mágica?

    Não! Talvez seja da boa vontade em servir bem?

    Terão mais preocupação com o seu povo? Terão mais orgulho na sua pátria?

    Não deve ser muito difícil perceber o porquê!

    Os indicadores econômicos não enganam!

    Factos são factos!

    Tudo o resto é retórica!

    Digam-me se estes dados não fazem pensar? Então o que fará pensar?

    Pergunto aos nossos governantes na Guiné, todos em geral sem excluir ninguém em particular, os que se disponibilizaram para nos representar, afim de darem um rumo, um bom rumo ao nosso país se a prioridade neste momento é discutir, negociar, dar atenção aos salários, prêmios, subsídios, etc?

    Acham mesmo que o momento é oportuno e a discussão prioritária, para um país sem recursos e com receitas insuficientes face a sua despesa para sustentar o seu próprio orçamento?

    Um país dependente economicamente do estrangeiro?

    Onde está a legitimidade em pedirmos ajudas ou financiamentos se a mão que está a pedir está cheia de “anéis”?

    Pergunto de novo, a discussão, reuniões, não deveria ser no sentido contrário? Corte de despesas de estado, face a situação de dificuldade que o país enfrenta? Onde podemos cortar? Onde se pode racionalizar?

    Como exemplos posso indicar alguns caminhos:

    Regalias, despesas de representação com comitivas alargadas, viagens em classe de executivos, carros de luxo etc…

    Esse controlo nas despesas se impõe com rigor financeiro, afim de não prejudicar os contribuintes e até condicionar gerações futuras.

    Quando se exige, ou se pede paciência ao povo, compreensão no tempo que implica resoluções dos problemas, muitos deles básicos, é crucial que o bom exemplo venha dos governantes em todas as estruturas do estado.

    Não pretendo desvalorizar os interesses de ninguém e muito menos de grupos. Entendo porém que estamos a inverter claramente as prioridades, face aos interesses do país e das pessoas em geral!

    Não “brinquem” com quem vos elegeu.

    Não “brinquem” com o órgão soberano. O povo! Que tem a legitimidade de dar e retirar confiança sempre que se verificar não estar a ser dignamente representado.  O povo elogia e aplaude sempre que se justifica.

    Mas também se “revolta”. O país foi adiado muitas vezes, devido aos caprichos de alguns, e interesses de outros! Puro acto de egoísmo! Defendo claramente que as pessoas devem ser bem remuneradas de acordo com a função, empenho e mérito!

    Mas também sou de opinião que essa remuneração deve ser exemplar e de acordo com os recursos existentes no recurso do país, assim como ter em conta o salário mínimo praticado!

    É uma afronta a qualquer cidadão que receba mais ou menos 50 euros por mês, ter um governante a receber 120 vezes mais!

    Não são 12 vezes mais!

    Repito, 120 vezes mais!

    Uma sociedade, onde o fosso entre os exageradamente ricos, onde a ostentação da riqueza é gritante, essa sociedade está assente num barril de “pólvora”.

    Este meu entendimento é válido para qualquer sociedade do mundo, considero constituir um perigo, porque o povo está mais esclarecido atento e vigilante!

    Não fazem parte do povo só os esclarecidos ou iluminados mas também no meio temos a “turba”, uma “onda” que leva tudo à frente sem olhar a quem.

    “O pior que pode acontecer a um líder é ser abandonado por seus liderados “. Sejamos merecedores das várias oportunidades que nos são disponibilizados a fim de erguermos a nossa pátria!

    Com tempo, é certo.

    Mas com dignidade e orgulho para todos!  O equilíbrio e a justa distribuição de sacrifícios e bens, deve ser a preocupação para a boa governação! Faz-me alguma confusão os pseudo moralistas que tentam impor sacrifícios em nome do país, situação que não praticam e muito menos acreditam! Governar exige qualidades humanas, pessoas de boa vontade, com espírito de sacrifício, um patriota, porque no seu íntimo acredita que o bem-estar geral é uma questão de orgulho pessoal! Nenhuma diferença nos pode separar, nenhum interesse nos pode desviar do essencial e fundamental: O Povo e o País!

    Penso e continuarei a pensar pela minha cabeça. Pensem também pelas vossas cabeças, como Cabral dizia! Mas no fim, Guiné- Bissau 1°.

    Amélia Costa Injai

    (ACI)

  • Serviço comunitário MTN irá investir cerca de treze milhões de francos CFA em Faculdades de Medicina de Bissau e Bafatá

      A empresa de Telecomunicação MTN em parceria com Ministério de Saúde publica irão investirem, acerca de treze milhões de francos cfa para as faculdades de medicina de Bissau e de Bafata com salas de informática completa, no quadro da jornada 21 dias do serviço à comunidade. A revelação foi feita hoje pelo Diretor-geral desta empresa de telecomunicação Jabulane [...]

    Read more

    Quem Ganha e Quem Perde Nesta Crise de Surdos?

    “Atualmente, não sei como lograremos passar da palavra a ação, atendendo a esse lastimável teatro do poder”. Achille Mbembe   Quando procuramos observar com isenção a atual crise política guineense o sentimento que nos interpela é o de estarmos perante uma patética e acirrada disputa em que o principal objetivo é esmagar o adversário e, consequentemente manter [...]

    Read more

    A DÍVIDA HIPOTECA O FUTURO DO PAÍS

    O Homem íntegro é incorruptível; aquele cuja integridade leva a agir de acordo com as suas convicções, sem fazer qualquer concessão que ponha em causa a sua honra e dignidade. Esse homem pode ser um político? Qual é o preço da convicção de um governante? Pode ser negociado? Será que, em nome da chefia, pode-se negociar as convicções de um povo? Claro que não! Assim diria um [...]

    Read more

    ANTONIO GUTERRES E O NOVO SECRETARIO-GERAL DA ONU

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas escolheu, esta quinta-feira, por unanimidade e aclamação o antigo primeiro-ministro português António Guterres como secretário-geral da organização. "O Conselho de Segurança recomenda à Assembleia-Geral que o senhor António Guterres seja designado como secretário-geral das Nações Unidas, entre 1 de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de [...]

    Read more

    QUEM VAI FAZER GUERRA NA GUINÉ?

    A crise em que o país está mergulhado há mais de um ano, pelos vistos, está a criar imagens virtuais que provocam ilusões ópticas em muita gente. Surgem profetas de mau agouro pressagiando devir próximo de um holocausto no país numa altura em que, acima de tudo, precisa-se de entendimento, paz e estabilidade. Não falam de mortos mas os subentendidos terríficos dos discursos que [...]

    Read more

    Dezanove (19) dos 190 fiéis muçulmanos não puderam ir à peregrinação na cidade Santa de Meca, este ano, para cumprirem o quinto pilar do Islão, mesmo pagando os 2.250.000 F CFa (dois milhões e duzentos e cinquenta mil francos CFA) exigidos a cada peregrino. Segundo informações disponíveis o alto comissário nacional para peregrinação aos lugares sagradas de Arábia Saudita não [...]

    Read more

    «Considero-me um cidadão político... cujo primeiro compromisso é com o país, a Guiné-Bissau»

    - Garante o escritor Fernando Casimiro “Didinho” Fernando Jorge Gomes da Fonseca Casimiro, “Didinho”, concedeu uma entrevista exclusiva a Gazeta de Notícias em que aborda as diversas facetas da actualidade guineense. Radicado em Portugal desde 1988, autor de vários artigos de opinião, autor de três obras literárias publicadas, “Didinho” define-se como “Humanista, pensador,[...]

    Read more

    QUEBEC (CANADÁ) - Ernesto Dabó: Uma descoberta incomum

    No ano passado, Ernesto Dabó lançou Lembrança, um disco fabuloso, gravado com músicos de Quebec, mas infelizmente passou despercebido aqui. Na Guiné-Bissau, é muito diferente, pois o cantor-autor-compositor é considerado um dos pais da música moderna guineense. Diz-se mesmo que Dabo é Vigneault (grande autor-compositor-intérprete de Quebec) da Guiné-Bissau. Aqui ele encontrou seus [...]

    Read more

    PRESIDENTE DA ANP DENUNCIA ALEGADO ALICIAMENTO DE JUÍZES DO SUPREMO TRIBUNAL

    O líder do Parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, denunciou terçoje um alegado aliciamento de juízes do Supremo Tribunal (STJ), que no próximo dia 04 de abril elegem o seu novo presidente. Segundo Cassamá, que falava num seminário hoje no Parlamento em Bissau, informações “veiculadas publicamente” indicam “investidas do poder político” no aliciamento de magistrados e [...]

    Read more

    PR JOMAV ESTÁ Satisfeito COM O "AMBIENTE QUE VIVE HOJE NA GUINÉ BISSAU" MAS ... HÁ QUESTÕES QUE INTIMAM O GUINEENSE "A alteração da Constituição não é matéria da competência do Presidente da República, é matéria da competência dos guineenses e dos políticos. É uma matéria da exclusiva competência do povo e compete ao povo falar sobre isso", disse no dia 13 de setembro (era [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>