• QUE SAÍDAS PARA A POLÍTICA INTERNA E EXTERNA DA GUINÉ-BISSAU?

    13 juin 2015 | Reflexão | Admin
  •  

    A recente visita do soberano marroquino ao país, Rei Mohamed VI, induziu-me a esboçar uma pequena reflexão sobre a diplomacia, área em que para além da minha formação, possuo como background mais de 30 anos de experiência efectiva, passados no desempenho de várias funções tanto ao nível do país, como no estrangeiro. No momento em que estão ser dados os primeiros passos no âmbito da dinâmica TERA RANKA esponho este meu modesto contributo esperando, contudo, que sirva a quem de direito de subsídio para aplicar onde julgar conveniente. 

    A Guiné-Bissau precisa de um projecto coerente para si própria. Um projecto que passe pela construção de uma visão partilhada entre todos sobre a política externa do país.

    A questão coloca-se então: o que quererão os guineenses para o seu país no domínio das relações internacionais? Saber, para lá da retórica de circunstância ou do tempo de campanha, debater, organizar, acordar, fixar uma política comum, um conjunto de pontos transversais, equidistantes aos partidos e às ideologias políticas, suficientemente sérios e sustentáveis, e que representem a mesma visão sobre a política externa da Guiné-Bissau.

    Ora, esse papel só pode ser assumido e desenvolvido na Guiné-Bissau pelo Chefe de Estado.

    A sua posição no ápice do Estado e o horizonte temporal da sua permanência no cargo, para além das competências que lhe são atribuídas pela Constituição, conferem-lhe um protagonismo que deve, ao mesmo tempo, ser utilizado na defesa e promoção dos interesses guineenses e zelar com cautela, em coordenação com os outros órgãos de soberania para que a Guiné-Bissau fale a uma só voz no plano internacional.

    Assim, pensamos que o prestígio e a autoridade moral decorrentes do cargo de Presidente da República irão contribuir nos esforços necessários que o seu futuro gabinete não desenvolver para a promoção da imagem da Guiné-Bissau no exterior e, para o reforço e a consolidação das relações políticas e económicas com os nossos parceiros.

    Representar a Guiné-Bissau no mundo, como Presidente da República, significa levar a bandeira nacional aos cinco continentes, reforçar o diálogo político com os países aos quais estamos mais estritamente ligados, proporcionar novos horizontes, oportunidades e contactos aos nossos empresários, divulgar o melhor da nossa cultura, contribuir em suma para consolidar e aumentar o prestígio internacional que a Guiné-Bissau indiscutivelmente começou a construir com a boa realização das últimas eleições legislativas e presidenciais.

    Implica, igualmente, a necessidade de viajar e de receber delegações estrangeiras. Como é evidente, nem todas as visitas têm a mesma importância política. Algumas terão particular significado desse ponto de vista. Mas, uma visita de estado é uma operação vasta e complexa cujos objectivos vão além dos contactos estabelecidos a nível político. Essas visitas são grandes Embaixadas lideradas pelo Presidente da República e composta por membros do Governo, Deputados, Empresários, Artistas, Intelectuais, cujos objectivos serão impulsionar as relações bilaterais e divulgar as realidades e a imagem da Guiné-Bissau.

    A sua operação deve merecer a preocupação do Presidente da República, evitando que elas sejam meros acontecimentos protocolares, de pompa e circunstância, mas antes, que se revestiam de utilidade concreta, em particular no plano económico, permitindo aos empresários que integrarem a comitiva de tirar partido dos contactos e dos eventos que lhes forem proporcionados em cada uma dessas ocasiões.

    A visibilidade conferida por essas visitas deverá também ser utilizada para promover as potencialidades económicas, turísticas e artísticas da Guiné-Bissau.

    Não se pode, naturalmente, esquecer o acolhimento entusiástico que sempre é dispensado pelas comunidades guineenses ao Presidente da República quando está de visita no país que escolheram como segunda Pátria. Por vezes, é no estrangeiro, no contacto com os nossos emigrantes, que sentimos de forma mais vibrante o pulsar do espírito patriótico. Mas esses contactos não servem apenas para avivar o seu amor à Guiné-Bissau pois elas permitem também transmitir uma mensagem indispensável, a da importância da sua intervenção cívica nos países de acolhimento.

    Nesta perspectiva, os actos de sua Excelência devem ser cuidadosamente seleccionados e minuciosamente preparados devendo ele, nos próximos tempos, empenhar-se a fundo para tornar as relações da Guiné-Bissau com os nossos parceiros e vizinhos mais imediatas, mais sólidas e dinâmicas. O melhor que pode acontecer à Guiné-Bissau é que os seus vizinhos estejam bem.

    NO PLANO SUB-REGIONAL

    No plano sub-regional espero que Sua Excelência o Senhor Presidente da República nunca hesitará em considerar que o processo que nos conduziu à integração à UEMOA é fundamental para o nosso país. Esta instituição deve estar no centro da nossa Política Externa pois ela exerce uma influência decisiva no plano interno, como se tornou evidente para todos, pelo menos durante o conflito militar de 1998, e durante a transição que acabamos de viver.

    O Presidente da República tem um papel relevante a desempenhar neste âmbito, estimulando o interesse, o conhecimento e o debate das questões de integração e aprofundamento das relações bilaterais com os países membros. Neste sentido, e por considerarem haver na Guiné-Bissau um nível de esclarecimento insuficiente em relação a estas questões, o Presidente da República deverá procurar alargar o seu espaço de discussão através de uma série de iniciativas dirigidas a vários políticos.

    Estes são alguns aspectos relevantes das actividades internacionais do Presidente da República, aspectos que não foram aqui abordados à exaustão.

    Estou convencido de que Sua Excelência o Senhor Presidente da República as desenvolverá com amor, gosto, e profundo sentido de dever, a bem da Guiné-Bissau e do Povo Guineenses.

    Bubacar Sidi Baldé

    Diplomata

  • Quem Ganha e Quem Perde Nesta Crise de Surdos?

    “Atualmente, não sei como lograremos passar da palavra a ação, atendendo a esse lastimável teatro do poder”. Achille Mbembe   Quando procuramos observar com isenção a atual crise política guineense o sentimento que nos interpela é o de estarmos perante uma patética e acirrada disputa em que o principal objetivo é esmagar o adversário e, consequentemente manter [...]

    Read more

    «Não há crise política na Guiné-Bissau, mas sim impasse institucional» - Soares Sambu, ministro dos Negócios Estrangeiros A situação na Guiné-Bissau foi novamente objecto de um debate no Conselho de Segurança da ONU. O relatório do secretário-geral não é muito otimista, se o impasse persistir. O Conselho de Segurança mantém as sanções e acredita que esta medida permitiu [...]

    Read more

    Ensino Público : Aberto novo ano lectivo 2015-2016

    O ano lectivo 2015/2016 sob o lema "De mãos dadas para uma Educação Inclusiva" foi aberto oficialmente esta segunda-feira (11 de outubro)  em Bissau, numa cerimónia presidida pela ministra da Educação Nacional, Maria Odete Costa Semedo. Na ocasião, a ministra explicou que o acto se realizou graças a coragem do seu pelouro, uma vez que o país se encontra mergulhado há dois meses numa [...]

    Read more

    A INVENCIBILIDADE DO CABRALISMO

    A primeira Republica apontou como desígnio da sociedade guineense a RECONSTRUÇÃO NACIONAL. Nada mais justo e coerente com o facto de que a proclamação do Estado, para lá do seu significado Jurídico-político, é o reassumir formal e integral da condução do nosso destino. Isso faz do organizarmo-nos em Estado ou construir o nosso Estado, tarefa central, vital, para o avanço e [...]

    Read more

    A Plataforma das Organizações da Sociedade Civil para Democracia Cidadania e Direitos Humanos (POSCDCDH) afirmou, hoje em conferência de imprensa que, é urgentíssimo a formação de um Governo constitucional, a fim de desbloquear o país e continuar efetuar esforços para o seu desenvolvimento. Caso contrário, diz a organização, o atraso na sua formação pode comprometer a abertura do [...]

    Read more

    Assaltada por um vazio, deito a mão ao actual livro de cabeceira, a compilação “Pensar para Melhor Agir”, das intervenções do Fundador das nacionalidades GB e CV, Amilcar Cabral, no Seminário de Quadros, 1969. E leio: “ Alguns camaradas, mesmo entre os que estão sentados nesta sala, têm a tendência de procurar comodidades à medida que crescem as suas responsabilidades. Há [...]

    Read more

    O Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF) prometeu, hoje, avançar, no dia 20 do corrente mês, com um pré-aviso de greve no sector do ensino por alegado não cumprimento pelo governo do memorando de entendimento assinado entre as partes. Em entrevista concedida ao Gazeta de Notícias, o vice-presidente daquela organização sindical, Eusébio Có acusou o executivo, na pessoa da [...]

    Read more

    A SOLUÇÃO DA CRISE ESTÁ À MÃO DE SEMEAR

    «Kadda kusa ku si kumsada i ta tem si fim son si Deus ka misti ki kata kaba!» (Tudo o que começa acaba; só não acaba se Deus não quiser!) – José Carlos Schwarz músico guineense. A crise que se vive na Guiné-Bissau começou algures mas, para não esgravatar a história recente do PAIGC, Partido vencedor das últimas eleições gerais, vamos situar o ponto de partida na Assembleia [...]

    Read more

    CRISE POLÍTICA PERSISTE GUNÉ-BISSAU NUM BECO SEM SAÍDA?

    José Mário Vaz, cidadão guineense eleito Presidente da República da Guiné-Bissau na segunda volta das eleições presidenciais, a 17 de Maio de 2014, tem vindo a ser objecto de duras críticas e ataques de cidadãos particulares e partidos políticos. Em consequência disso, em alguns círculos murmura-se e chega-se ao ponto de considerá-lo o «PIOR PRESIDENTE DA REPÚBLICA QUE A [...]

    Read more

    NOVO PGR PROMETE “FAZER JUSTIÇA”

    O novo Procurador-geral da República prometeu, ontem (07/10), “fazer a justiça”, através da promoção da acção penal e da defesa da legalidade “até à exaustão “. Estas palavras do Hermenegildo Pereira foram proferidas momentos depois do acto de transferência de poderes, esta terça-feira em Bissau, do antigo PGR, Abdú Mané ao novo número Um do Ministério Público (MP). [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>