• QUE SAÍDAS PARA A POLÍTICA INTERNA E EXTERNA DA GUINÉ-BISSAU?

    13 juin 2015 | Reflexão | Admin
  •  

    A recente visita do soberano marroquino ao país, Rei Mohamed VI, induziu-me a esboçar uma pequena reflexão sobre a diplomacia, área em que para além da minha formação, possuo como background mais de 30 anos de experiência efectiva, passados no desempenho de várias funções tanto ao nível do país, como no estrangeiro. No momento em que estão ser dados os primeiros passos no âmbito da dinâmica TERA RANKA esponho este meu modesto contributo esperando, contudo, que sirva a quem de direito de subsídio para aplicar onde julgar conveniente. 

    A Guiné-Bissau precisa de um projecto coerente para si própria. Um projecto que passe pela construção de uma visão partilhada entre todos sobre a política externa do país.

    A questão coloca-se então: o que quererão os guineenses para o seu país no domínio das relações internacionais? Saber, para lá da retórica de circunstância ou do tempo de campanha, debater, organizar, acordar, fixar uma política comum, um conjunto de pontos transversais, equidistantes aos partidos e às ideologias políticas, suficientemente sérios e sustentáveis, e que representem a mesma visão sobre a política externa da Guiné-Bissau.

    Ora, esse papel só pode ser assumido e desenvolvido na Guiné-Bissau pelo Chefe de Estado.

    A sua posição no ápice do Estado e o horizonte temporal da sua permanência no cargo, para além das competências que lhe são atribuídas pela Constituição, conferem-lhe um protagonismo que deve, ao mesmo tempo, ser utilizado na defesa e promoção dos interesses guineenses e zelar com cautela, em coordenação com os outros órgãos de soberania para que a Guiné-Bissau fale a uma só voz no plano internacional.

    Assim, pensamos que o prestígio e a autoridade moral decorrentes do cargo de Presidente da República irão contribuir nos esforços necessários que o seu futuro gabinete não desenvolver para a promoção da imagem da Guiné-Bissau no exterior e, para o reforço e a consolidação das relações políticas e económicas com os nossos parceiros.

    Representar a Guiné-Bissau no mundo, como Presidente da República, significa levar a bandeira nacional aos cinco continentes, reforçar o diálogo político com os países aos quais estamos mais estritamente ligados, proporcionar novos horizontes, oportunidades e contactos aos nossos empresários, divulgar o melhor da nossa cultura, contribuir em suma para consolidar e aumentar o prestígio internacional que a Guiné-Bissau indiscutivelmente começou a construir com a boa realização das últimas eleições legislativas e presidenciais.

    Implica, igualmente, a necessidade de viajar e de receber delegações estrangeiras. Como é evidente, nem todas as visitas têm a mesma importância política. Algumas terão particular significado desse ponto de vista. Mas, uma visita de estado é uma operação vasta e complexa cujos objectivos vão além dos contactos estabelecidos a nível político. Essas visitas são grandes Embaixadas lideradas pelo Presidente da República e composta por membros do Governo, Deputados, Empresários, Artistas, Intelectuais, cujos objectivos serão impulsionar as relações bilaterais e divulgar as realidades e a imagem da Guiné-Bissau.

    A sua operação deve merecer a preocupação do Presidente da República, evitando que elas sejam meros acontecimentos protocolares, de pompa e circunstância, mas antes, que se revestiam de utilidade concreta, em particular no plano económico, permitindo aos empresários que integrarem a comitiva de tirar partido dos contactos e dos eventos que lhes forem proporcionados em cada uma dessas ocasiões.

    A visibilidade conferida por essas visitas deverá também ser utilizada para promover as potencialidades económicas, turísticas e artísticas da Guiné-Bissau.

    Não se pode, naturalmente, esquecer o acolhimento entusiástico que sempre é dispensado pelas comunidades guineenses ao Presidente da República quando está de visita no país que escolheram como segunda Pátria. Por vezes, é no estrangeiro, no contacto com os nossos emigrantes, que sentimos de forma mais vibrante o pulsar do espírito patriótico. Mas esses contactos não servem apenas para avivar o seu amor à Guiné-Bissau pois elas permitem também transmitir uma mensagem indispensável, a da importância da sua intervenção cívica nos países de acolhimento.

    Nesta perspectiva, os actos de sua Excelência devem ser cuidadosamente seleccionados e minuciosamente preparados devendo ele, nos próximos tempos, empenhar-se a fundo para tornar as relações da Guiné-Bissau com os nossos parceiros e vizinhos mais imediatas, mais sólidas e dinâmicas. O melhor que pode acontecer à Guiné-Bissau é que os seus vizinhos estejam bem.

    NO PLANO SUB-REGIONAL

    No plano sub-regional espero que Sua Excelência o Senhor Presidente da República nunca hesitará em considerar que o processo que nos conduziu à integração à UEMOA é fundamental para o nosso país. Esta instituição deve estar no centro da nossa Política Externa pois ela exerce uma influência decisiva no plano interno, como se tornou evidente para todos, pelo menos durante o conflito militar de 1998, e durante a transição que acabamos de viver.

    O Presidente da República tem um papel relevante a desempenhar neste âmbito, estimulando o interesse, o conhecimento e o debate das questões de integração e aprofundamento das relações bilaterais com os países membros. Neste sentido, e por considerarem haver na Guiné-Bissau um nível de esclarecimento insuficiente em relação a estas questões, o Presidente da República deverá procurar alargar o seu espaço de discussão através de uma série de iniciativas dirigidas a vários políticos.

    Estes são alguns aspectos relevantes das actividades internacionais do Presidente da República, aspectos que não foram aqui abordados à exaustão.

    Estou convencido de que Sua Excelência o Senhor Presidente da República as desenvolverá com amor, gosto, e profundo sentido de dever, a bem da Guiné-Bissau e do Povo Guineenses.

    Bubacar Sidi Baldé

    Diplomata

  • Condé admite falhas na gestão da mediação da CEDEAO e UA Alpha Condé, presidente em exercício da União Africana, admitiu estq quinta-feira em Paris falhas na gestão da mediação da CEDEAO e da organização panafricana, incapaz de por cobro ao impasse em Bissau tendo defendido a necessidade de alterar a constituição guineense. Alpha Condé é também o chefe de Estado da Guiné [...]

    Read more

    A DÍVIDA HIPOTECA O FUTURO DO PAÍS

    O Homem íntegro é incorruptível; aquele cuja integridade leva a agir de acordo com as suas convicções, sem fazer qualquer concessão que ponha em causa a sua honra e dignidade. Esse homem pode ser um político? Qual é o preço da convicção de um governante? Pode ser negociado? Será que, em nome da chefia, pode-se negociar as convicções de um povo? Claro que não! Assim diria um [...]

    Read more

    O Movimento dos Cidadãos Livres (MCL) reclamou esta quarta-feira, através de uma nota, a criação de um tribunal constitucional que, teria como propósito dirimir os conflitos e averiguar a constitucionalidade das leis e decisões decorrentes do exercício dos titulares de cargos públicos. Neste ótica, o MCL recomenda uma revisão profunda da Constituição da República, de forma a [...]

    Read more

    É O DÉCIMO ERRO DO PAIGC E DE DSP?

    PAIGC DECLINOU O CONVITE DO PM EMBALÓ PARA INTEGRAR O GOVERNO NO ÂMBITO DO ACORDO DE CONAKRY. AONDE CONDUZIRÁ ESSA ATITUDE? DESEMBOCARÁ EM GANHOS POLÍTICOS QUE LEVARÃO À REABILITAÇÃO, REAFIRMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO PAIGC COMO A MAIOR FORÇA POLÍTICA DO PAÍS OU, SIMPLESMENTE, A UMA CATASTRÓFICA DERROTA DE CONSEQUÊNCIAS IMPREVISÍVEIS? Joga-se para ganhar e não para perder. [...]

    Read more

    Guineenses residentes em Itália, nomeadamente, estudantes, enfrentam dificuldades devido a falta de passaportes.Até esta data as autoridades não cumpriram a promessa de regularizar essa situação. Eis o que um estudantes relatou a GN: « Estávamos aflitos com o problema de passaportes caducados, solicitamos a intervenção das autoridades competentes para a resolução do caso e o [...]

    Read more

    «Considero-me um cidadão político... cujo primeiro compromisso é com o país, a Guiné-Bissau»

    - Garante o escritor Fernando Casimiro “Didinho” Fernando Jorge Gomes da Fonseca Casimiro, “Didinho”, concedeu uma entrevista exclusiva a Gazeta de Notícias em que aborda as diversas facetas da actualidade guineense. Radicado em Portugal desde 1988, autor de vários artigos de opinião, autor de três obras literárias publicadas, “Didinho” define-se como “Humanista, pensador,[...]

    Read more

    O QUE FAZ CORRER JOMAV E DSP?

      “A nosso ver, a única alternativa à Paz é a própria Paz. Com a paz, e aqui destacamos o papel dos partidos políticos, da comunicação social, das confissões religiosas e de outras organizações da sociedade civil, com a paz sentimos a nossa irmandade a penetrar nas profundezas do âmago da nossa guinendade, do nosso sistema de valores. Com a paz galvanizamo-nos para desenvolver[...]

    Read more

    Reações: LGDH acusa Presidente da República de ignorar esforços dos parceiros

    O secretário Nacional da Comunicação e porta-voz da Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) garantiu, hoje, na sede da organização em Bissau, que o derrube do Governo pelo Presidente da República foi uma decisão isolada e projetada. Durante a comunicação a imprensa Alex Bassuko Santos Lopes disse que, infelizmente, perante todo este cenário José Mário Vaz optou por uma decisão [...]

    Read more

    Minino di nha Terra

    27 janvier 2016 | Cultura
    Minino di nha Terra

    Minino di nha Terra Lundjo ma perto santado ma sin pressa gritos sunhos misti bidá bardade má ‘sperança cu confianca nó cumpanher minino ku na lanta ka bu dissa é robau mass kil ky di bó, bu liberdade dirito di vive na bu terra sin sinti kumá abó y di kintal sin cunsi trato de mufino Minino di nha terra É terra y ká kintal di nin Presidente y ká bulanha di políticos[...]

    Read more

    Mudanças climáticas: Ministério da Educação promete integrar matéria ambiental no sistema de ensino

    Maria Odete Semedo falava durante a cerimónia de lançamento do Calendário 2016 sobre “O Parque natural dos Tarrafes do Rio Cacheu, face às Mudanças Climáticas” produzidas pela ONG Tiniguena. De acordo com a ministra, pretende-se com a iniciativa facultar aos estudantes e as comunidades conhecimentos e habilidades para melhorar as suas formas de lidar com problemas ambientais. [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>