• A crise em que o país está mergulhado há mais de um ano, pelos vistos, está a criar imagens virtuais que provocam ilusões ópticas em muita gente. Surgem profetas de mau agouro pressagiando devir próximo de um holocausto no país numa altura em que, acima de tudo, precisa-se de entendimento, paz e estabilidade. Não falam de mortos mas os subentendidos terríficos dos discursos que pronunciam dizem tudo, porquanto ilustram a instabilidade política e económica em que o país está mergulhado.

    Já não é segredo, que no âmago da crise que abala a Guiné-Bissau estão em jogo interesses vários, sobretudo, pessoais, disfarçados em conteúdos políticos que, supostamente, são lançados em defesa do povo. Todavia, na realidade, não beneficiam o povo em nada.
    Sem adiantar muito, e, mudando de direção, um acontecimento actual chama atenção: Discursos políticos que pressagiam guerra, mais uma, no país. São vaticínios que apontam alegadas desinteligências na esfera política que vão despoletar uma guerra com todas as consequências inerentes. Só que, os profetas que tiveram a visão divulgada não esclarecem estas incógnitas: Quem vai pegar em armas? Quem será a “carne de canhão” a sacrificar nesse panorama? Que benefícios vai ter o povo da suposta guerra? Mais e melhores escolas? Mais e melhores hospitais? Melhores estradas? Luz e água potável para todos? Repita-se: A guerra vai resolver os problemas de quem? Que tipos de problemas? Dos empresários? Políticos? Povo?
    Parece que há quem deseja que a história se repita ao estilo e moldes de 7 de Junho. Por isso, estão a caracterizar o ambiente, a preparar o espírito colectivo, o povo em geral, para uma guerra violenta que pode abalar o país «i kana tarda». Será que a conjuntura é favorável a esse desiderato? Mas, afinal das contas, para que servem os políticos, os profissionais da política? De que vale estarem lá «com todos os direitos e regalias – em nome do povo», se são manifestamente incapazes de articular argumentos para se fazerem entender civilizadamente? Ou, será que estão a prestar serviços escusos a entidades escondidas com o rabo de fora?
    De 2014 a esta parte, os militares têm-se mantido fora da arena política contrariando a sua propensão dos anos idos de comandar directa e indirectamente os destinos do país, atitude que ia frontalmente contra as disposições constitucionais que dizem que «As FARP são apartidárias e os seus elementos, no activo, não podem exercer qualquer actividade política».  Que diz militares diz forças da segurança que Constituição da República refere nestes termos: «As forças de segurança têm por função defender a legalidade democrática e garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos e são apartidárias, não podendo os seus elementos, no activo, exercer qualquer actividade política.»
    Com bastante regozijo os cidadãos notam que não obstante as mil e uma tentativas ensaiadas aqui e ali, a classe castrense mantém-se fora e, assumidamente, separada e ausente das lides políticas nacionais. Até aqui, sublinhe-se, o chefe de Estado-maior General das Forças Armadas, General Biagué Na N’tam, conseguiu manter-se fiel ao compromisso expresso a 17 de Setembro de 2014 na cerimónia do seu empossamento nas novas funções: respeitar a Constituição da República e demais leis, organizar as Forças Armadas e criar as condições para a formação dos jovens.
    O que se questiona é: Em caso de guerra quem vai disparar contra quem? Porquê?
    As interrogações são muitas, todas carecendo de respostas elucidativas para serem entendidas. Na guerra de 7 de Junho, o conflito gerou duas trincheiras nitidamente separadas chamadas de “Governamental” (forças do Governo) e “Junta Militar” (rebelião). Hoje a verificar-se a premonição da desgraça, como serão definidas as trincheiras?
    Para muita gente , uma das VANTAGENS DA GUERRA DE 7 DE JUNHO foi o PAGAMENTO DE QUE BENEFICIARAM PELO « PREJUÍZO DE GUERRA SOFRIDO”. Foram bilhões de francos CFA pagos tanto aos que perderam bens materiais avaliados em avultadas somas, como aos indivíduos que, longe do teatro da guerra, não perderam absolutamente nada mas, beneficiando de algum “djitu” conseguiram receber uma boa maquia. Sorte grande lhes saiu.
    Contudo as evidências e a forma como a comunidade internacional tem tratado a questão da Guiné-Bissau são reveladoras de que a “paciência está no limite”, para não dizer que chegou ao ponto de “tolerância zero”.
    Humberto Monteiro
  • O Movimento dos Cidadãos Livres (MCL) reclamou esta quarta-feira, através de uma nota, a criação de um tribunal constitucional que, teria como propósito dirimir os conflitos e averiguar a constitucionalidade das leis e decisões decorrentes do exercício dos titulares de cargos públicos. Neste ótica, o MCL recomenda uma revisão profunda da Constituição da República, de forma a [...]

    Read more

    MANCHAS DE PÓLVORA NA ROSEIRA E NO CAPIM

    Luis Carlos Alves de Melo*  Disna, i ka di aos ku tera tindji di burmedju, ku sukuru bisti bom dia (não é de hoje que a terra se tinge de vermelho, e que a luz se transforma em escuridão). A citação com a qual este artigo principia ilustra um dos capítulos de uma obra pouco difundida na esfera cultural: trata-se do livro Entre a Roseira e a Pólvora, o Capim[1], da poetisa guineense [...]

    Read more

    PRESIDENTE DA ANP DENUNCIA ALEGADO ALICIAMENTO DE JUÍZES DO SUPREMO TRIBUNAL

    O líder do Parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, denunciou terçoje um alegado aliciamento de juízes do Supremo Tribunal (STJ), que no próximo dia 04 de abril elegem o seu novo presidente. Segundo Cassamá, que falava num seminário hoje no Parlamento em Bissau, informações “veiculadas publicamente” indicam “investidas do poder político” no aliciamento de magistrados e [...]

    Read more

    ACORDO DE CONAKRY: FIM DA CRISE OU CRISE EM STAND BY?

      "Ter razão não dá razão", diz-se algures. A crise despoletada em Agosto de 2015 com a demissão do primeiro Governo da legislatura pelo Presidente da República, levou que tentativas várias fossem feitas para serenar os ânimos (no círculo do PAIGC), enquanto em níveis mais amplos, multilaterais, eram desenvolvidas iniciativas e acções que acabaram por envolver a comunidade [...]

    Read more

    “(…) Arrependi-me de fazer esta enumeração de problemas porque o leitor da Guiné, depois de a ler, dirá logo ao primeiro amigo que tudo isso é desnecessário (se não disser qualquer nome feio) porque sempre se viveu sem se saber das condições de vida do preto e a Guiné progrediu sem isso e até porque desses inquéritos não resultará aumento de volume de negócios ou de riqueza [...]

    Read more

    PAIGC DIVIDIDO, O PAÍS À DERIVA!

    Após as últimas eleições tidas como justas e transparentes, ainda não percebi quando foi findado o governo de transição. Até agora não senti esse corte. Sinto que ainda vivemos na transição para a estabilidade e tranquilidade verdadeira e necessária! Verdadeira no sentido transparente: sem “jogos e joguinhos”, sem dia de “cair”. Estamos sempre na espectativa! Todo este [...]

    Read more

    AS FINANÇAS PÚBLICAS: Problemas e Soluções (2)

    O pagamento do salário, na Guiné-Bissau, constitui um das questões que afectam consideravelmente o funcionamento normal das instituições do país e, consequentemente, contribui para a sua fragilização, originando distorções e injustiças gritantes na sua Administração Pública. A título ilustrativo, verifica-se que o salário auferido por um servente é pago 60 vezes pelo mais alto [...]

    Read more

    GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    A RESPONSABILIDADE SOCIAL E POLÍTICA DO ESTADO!

    Dentro das realidades deste país, sobretudo neste contexto de mudanças de mentalidade que se quer e que é sobretudo necessário, as atitudes e os comportamentos, sociais e políticos, devem ser sumariamente revestidos de boa conduta. Este estádio de exigência tem a sua controvérsia, no nosso contexto, pela constante prática de actos contrários à saudável vivência social e política, [...]

    Read more

    Região de Bafatá: CONAEGUIB e RAJ realizam encontro nacional

    A terceira edição do campo de formação, estudo, trabalho, primeiro encontro de desenvolvimento comunitário, adiado para o mês Agosto iniciou no sábado em Bafatá. O encontro organizado pela Confederação Nacional dos Estudantes da Guiné-Bissau (CONAEGUIB) e a Rede das Associações Juvenis (RAJ) reúne organizações vindas de diferentes quadrantes do território nacional. O [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>