• A crise em que o país está mergulhado há mais de um ano, pelos vistos, está a criar imagens virtuais que provocam ilusões ópticas em muita gente. Surgem profetas de mau agouro pressagiando devir próximo de um holocausto no país numa altura em que, acima de tudo, precisa-se de entendimento, paz e estabilidade. Não falam de mortos mas os subentendidos terríficos dos discursos que pronunciam dizem tudo, porquanto ilustram a instabilidade política e económica em que o país está mergulhado.

    Já não é segredo, que no âmago da crise que abala a Guiné-Bissau estão em jogo interesses vários, sobretudo, pessoais, disfarçados em conteúdos políticos que, supostamente, são lançados em defesa do povo. Todavia, na realidade, não beneficiam o povo em nada.
    Sem adiantar muito, e, mudando de direção, um acontecimento actual chama atenção: Discursos políticos que pressagiam guerra, mais uma, no país. São vaticínios que apontam alegadas desinteligências na esfera política que vão despoletar uma guerra com todas as consequências inerentes. Só que, os profetas que tiveram a visão divulgada não esclarecem estas incógnitas: Quem vai pegar em armas? Quem será a “carne de canhão” a sacrificar nesse panorama? Que benefícios vai ter o povo da suposta guerra? Mais e melhores escolas? Mais e melhores hospitais? Melhores estradas? Luz e água potável para todos? Repita-se: A guerra vai resolver os problemas de quem? Que tipos de problemas? Dos empresários? Políticos? Povo?
    Parece que há quem deseja que a história se repita ao estilo e moldes de 7 de Junho. Por isso, estão a caracterizar o ambiente, a preparar o espírito colectivo, o povo em geral, para uma guerra violenta que pode abalar o país «i kana tarda». Será que a conjuntura é favorável a esse desiderato? Mas, afinal das contas, para que servem os políticos, os profissionais da política? De que vale estarem lá «com todos os direitos e regalias – em nome do povo», se são manifestamente incapazes de articular argumentos para se fazerem entender civilizadamente? Ou, será que estão a prestar serviços escusos a entidades escondidas com o rabo de fora?
    De 2014 a esta parte, os militares têm-se mantido fora da arena política contrariando a sua propensão dos anos idos de comandar directa e indirectamente os destinos do país, atitude que ia frontalmente contra as disposições constitucionais que dizem que «As FARP são apartidárias e os seus elementos, no activo, não podem exercer qualquer actividade política».  Que diz militares diz forças da segurança que Constituição da República refere nestes termos: «As forças de segurança têm por função defender a legalidade democrática e garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos e são apartidárias, não podendo os seus elementos, no activo, exercer qualquer actividade política.»
    Com bastante regozijo os cidadãos notam que não obstante as mil e uma tentativas ensaiadas aqui e ali, a classe castrense mantém-se fora e, assumidamente, separada e ausente das lides políticas nacionais. Até aqui, sublinhe-se, o chefe de Estado-maior General das Forças Armadas, General Biagué Na N’tam, conseguiu manter-se fiel ao compromisso expresso a 17 de Setembro de 2014 na cerimónia do seu empossamento nas novas funções: respeitar a Constituição da República e demais leis, organizar as Forças Armadas e criar as condições para a formação dos jovens.
    O que se questiona é: Em caso de guerra quem vai disparar contra quem? Porquê?
    As interrogações são muitas, todas carecendo de respostas elucidativas para serem entendidas. Na guerra de 7 de Junho, o conflito gerou duas trincheiras nitidamente separadas chamadas de “Governamental” (forças do Governo) e “Junta Militar” (rebelião). Hoje a verificar-se a premonição da desgraça, como serão definidas as trincheiras?
    Para muita gente , uma das VANTAGENS DA GUERRA DE 7 DE JUNHO foi o PAGAMENTO DE QUE BENEFICIARAM PELO « PREJUÍZO DE GUERRA SOFRIDO”. Foram bilhões de francos CFA pagos tanto aos que perderam bens materiais avaliados em avultadas somas, como aos indivíduos que, longe do teatro da guerra, não perderam absolutamente nada mas, beneficiando de algum “djitu” conseguiram receber uma boa maquia. Sorte grande lhes saiu.
    Contudo as evidências e a forma como a comunidade internacional tem tratado a questão da Guiné-Bissau são reveladoras de que a “paciência está no limite”, para não dizer que chegou ao ponto de “tolerância zero”.
    Humberto Monteiro
  • PAIGC DIVIDIDO, O PAÍS À DERIVA!

    Após as últimas eleições tidas como justas e transparentes, ainda não percebi quando foi findado o governo de transição. Até agora não senti esse corte. Sinto que ainda vivemos na transição para a estabilidade e tranquilidade verdadeira e necessária! Verdadeira no sentido transparente: sem “jogos e joguinhos”, sem dia de “cair”. Estamos sempre na espectativa! Todo este [...]

    Read more

    GOVERNO DOA 6500 SACOS DE AÇUCAR À COMUNIDADE MUÇULMANA

    O Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira procedeu dia 03 a entrega de 6500 sacos de açúcar à Comunidade muçulmana, partidos políticos, órgãos da soberania e  sociedade civil no quadro do Ramadäo, mês de jejum. Durante a cerimônia de entrega dos donativos, o chefe do executivo disse que o gesto feito pelo governo é realizado em nome de todas as autoridades guineenses. Domingos [...]

    Read more

    Sistema Eleitoral, Justiça Eleitoral e os Desafios do Aprofundamento da Democracia

    Rui Jorge Semedo Sistema Eleitoral, Justiça Eleitoral e os Desafios do Aprofundamento da Democracia No âmbito da 3ª Sessão do ciclo de Conferências que marcou a comemoração do 30º aniversário do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (INEP), cRui Jorge Semedo, Mestre em Ciências Políticas, enquanto convidado prestou o seu contributo com o tema “Sistema eleitoral, justiça [...]

    Read more

    SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET

    República da   Guiné-Bissau MINISTÉRIO DAS PESCAS PROJET REGIONAL DES PECHES EN AFRIQUE DE L’OUEST P119380 et P122182 IDA Grant Number H6530 – GW; GEF Grant Number 99597   SOLICITATION DE MANIFESTATION D’INTERET POUR LA SELECTION D’UN CONSULTANT INDIVIDUEL POUR L’ETUDE SUR LA TAXATION DES CAPTURES REALISEES PAR LES FLOTTES ETRANGERES ET NATIONALES DANS LA ZONE ECONOMIQUE [...]

    Read more

    « ARISTIDES PEREIRA : UM CONTURBADO DEPOIMENTO

    No seu Minha vida, nossa história[i], o ex-Presidente da República de Cabo-Verde confirma o perfil de alguém que à priori nada predestinava a endossar os altos cargos que finalmente  acabou por ocupar. Secretário-Geral do PAIGC por obrigação, Presidente da República à força, sem a ambição que engloba necessáriamente tais desafios, o homem foi arrastado pelos ventos hesitando [...]

    Read more

    QUEBEC (CANADÁ) - Ernesto Dabó: Uma descoberta incomum

    No ano passado, Ernesto Dabó lançou Lembrança, um disco fabuloso, gravado com músicos de Quebec, mas infelizmente passou despercebido aqui. Na Guiné-Bissau, é muito diferente, pois o cantor-autor-compositor é considerado um dos pais da música moderna guineense. Diz-se mesmo que Dabo é Vigneault (grande autor-compositor-intérprete de Quebec) da Guiné-Bissau. Aqui ele encontrou seus [...]

    Read more

    "OS SOLIDÁRIOS"

    3 octobre 2017 | Reflexão
    &quote;OS SOLIDÁRIOS&quote;

    A chefe nenhum falta solidariedade. Por esta qualidade ser parilhada, os que a partilham são solidários, ou seja, pessoas entre as quais há responsabilidade recíproca e que por isso agem de forma mancomunada. Mais que em qualquer outra esfera de actividade humana, é na política que este fenómeno é observável. Por conseguinte, ter qualquer chefe político, por único responsável duma [...]

    Read more

    CRISE INTERNA DO PAIGC FALSO DILEMA

    Reflexão de Ernesto Dabó em saudação ao 44º aniversário da independência da Guiné-Bissau. No passado dia 15 deste Setembro nacional, recebi convite da Comissão organizadora da CONFERÊNCIA NACIONAL DE REFLEXÃO PARA SALVAÇÃO DO PAIGC DE CABRAL, patrocinado pelo grupo dos 15, sob o lema: “UM PAIGC REUNIFICADO E COESO PARA ENFRENTAR FUTUROS DESAFIOS”. Confesso que acolhi o convite[...]

    Read more

    FALAR RECONCILIAÇÃO FAZER EXCLUSÃO

    Dá muito jeito falar de reconciliação na Guiné-Bissau, porque no mercado politico nacional é produto que se procura desesperadamente, a ponto de, na maioria dos casos, comprarmos gato por lebre sem nos importarmos com o bichano que compramos. Precisamos dela como de água no deserto. Essa dramática necessidade, paradoxalmente tem sido aproveitada mais para se ocupar centros de decisão e [...]

    Read more

    A INVENCIBILIDADE DO CABRALISMO

    A primeira Republica apontou como desígnio da sociedade guineense a RECONSTRUÇÃO NACIONAL. Nada mais justo e coerente com o facto de que a proclamação do Estado, para lá do seu significado Jurídico-político, é o reassumir formal e integral da condução do nosso destino. Isso faz do organizarmo-nos em Estado ou construir o nosso Estado, tarefa central, vital, para o avanço e [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>