• No fim do mês de Janeiro corrente, o Senhor José Ramos Horta vai iniciar o exercício das suas actividades como Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas na República da Guiné-Bissau. Apesar da minha profunda convicção, de que anima-o a intenção de trabalhar em prol da paz e da estabilidade, e que esse sentimento é sincero, permita-me dizer que não acredito que vai conseguir vencer a luta contra o tempo num xadrez complicado em que o tabuleiro é multicolorido e difícil de arrumar.

    A minha dúvida não quer dizer que subestimo a vossa capacidade. Mas, o problema do nosso país, deixou simplesmente de ser um problema político ou de instabilidade passando a ser um problema do tempo. O nosso tempo é escasso, está quase parado. Tenho a impressão que a minha Pátria amada, perdeu a noção do tempo, perdeu o sentido dos ponteiros do relógio; o calendário com as datas, tornou-se num instrumento obsoleto, que não interessa à ninguém.

    O país esta completamente estático; as greves sucessivas, que abalam todos os sectores… O ano letivo encurta-se a cada ano… Os salários magros não chegam para suportar as despesas até ao final do mês… As campanhas comerciais da castanha de caju, e outras frutas tropicais, sempre andam em atraso… Tudo isso, são factores de instabilidade, que geram guerras, miséria, e, frustração a vários níveis porque a perca do tempo cria empobrecimento, que, por sua vez engendra fatores de bloqueio.

    Ora, o bloqueio do tempo é um perigo nefasto para as gerações futuras. A minha geração vive hoje no desespero, preso entre o futuro e o passado, uma vez que nós desconhecemos o presente. As gerações vindouras após a minha, viverão na frustração, sem saber, se um dia serão capazes de sanear, todos os males que vão herdar dos mais velhos. E, quando começarem a ceifar os males do tempo deles, então nós estaremos fora do tempo.

    O tempo é necessário para avaliar as perdas, as vitórias. Mas, não podemos somente calcular as duas hipóteses devemos, sobretudo, calcular a quantidade do tempo perdido a tentar conquistar uma vitória, os meios despendidos, humanos e financeiros.

    A teoria do cálculo do tempo, no caso da Guiné-Bissau, é sumamente difícil, mas não impossível de todo. Aproveito para vos felicitar em aceitar o desafio de representar o Secretário-geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau, quer dizer, chefiar o Bureau do UNIOGBIS (Escritório Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da paz na Guiné-Bissau). Pra refrescar a memória coletiva, vou referir o tempo que esta missão das Nações Unidas já gastou na Guiné-Bissau. Foram 14 anos. A representação especial foi criada a 6 de Abril de 1999, pela resolução 1233 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Quantos representantes já ocuparam esse posto? Samuel Nana-sinkam, camaronês – 1999-2002;  David Stephen, inglês – 2002-2004;  João Bernardo Honwana, moçambicano – 2004-2006;  Shola Omoregie, nigeriano – 2006-2008; Joseph Mutaboba, ruandês – 2009-2012.

    O que é que esses diplomatas trouxeram à Guiné-Bissau durante a sua missão? A resposta é simples: NADA.

    Os seus antecessores, Senhor Ramos Horta, perderam tempo. Aliás, fizeram mau uso do tempo… Alguns chegaram mesmo a serem considerados persona non grata… Isso significa que não tiveram tempo de sair pela porta grande, foram jogados fora do terreno do jogo – tempo perdido.

    Ontem UNOGBIS, hoje UNIOGBIS, não deu NADA. Ao longo dos tempos esta organização produziu relatórios, comunicados, workshops… Os seus antecessores, na opinião de muita gente, escolheram sempre a divisão em vez de se pautarem pela união dos guineenses. Evidentemente, eles pensaram na questão do tempo mas a seu favor, na perspectiva de que quanto mais instabilidade houver na Guiné-Bissau, mais dinheiro se pode ganhar dado que, uma vez que a missão é de alto risco, então o prémio do risco, obviamente, tem que ser chorudo.

    O tempo é muito bem calculado em favor da riqueza pessoal de cada pessoa que trabalha nesta organização. A missão que é essencialmente de promover o diálogo para a paz, virou-se na missão de promover o dialogo para guerra, instabilidade, esquecendo-se que quando uma casa queima, o tempo deve ser usado criteriosamente, com sinceridade e responsabilidade. A Guiné-Bissau é uma casa que esta queimando.

    Sr. Ramos Horta, nos tempos que correm hoje em dia, a questão do diálogo é muito sensível. Ao longo de anos, primeiramente UNOGBIS mais tarde UNIOGBIS, usaram e abusaram desse termo sem, no entanto, fazer bom uso dele. O diálogo supõe essencialmente a consolidação da fraternidade a busca de entendimento entre irmãos, exigindo-se uma abertura e aceitação das divergências. Mas ela deve assentar-se na justiça, na procura daquilo que há de comum entre as partes em presença.

    Imagino que cada ser humano desejaria, nascer num país onde o soberano é o povo. É verdade que ninguém escolhe o seu local de nascimento. Sou Guineense, vou sê-lo até ao último minuto da minha existência com muito orgulho. Sinto-me revoltado contra mim mesmo, contra o meu povo, mas não contra, os que fazem sofrer o meu povo. Esta minha atitude pode parecer absurda, mas é verdadeira. Porque é que devo revoltar-me contra as pessoas, que não significam nada aos meus olhos? Admirei e admiro até hoje, os nossos antigos e verdadeiros combatentes da liberdade da pátria. Esses camaradas, sabiam valorizar o tempo, souberam respeitar o tempo. Ofereceram-nos o tempo de conhecer o que é o bem-estar, conhecer o valor dos tempos da liberdade apesar de tudo o que vivemos hoje.

    O único elemento, que vive no seu tempo é o povo. Os homens passam, as instituições desaparecem, mas o povo resta, o povo é intacto, o povo governa o tempo  porque ele é pura e simplesmente soberano. Mesmo sendo prisioneiro da vontade de um grupo sem escrúpulos, o povo é um vencedor nato, o tempo sempre joga a favor do povo.

    Será que Senhor Ramos Horta vai ser capaz de vencer a batalha do tempo? Em que equipa conta jogar? Das regras burocráticas das Nações unidas ou da realidade do nosso povo? O senhor é um ex-combatente, um homem sério, que combateu em nome do seu povo. A liberdade não significa nada sem que o povo viva em paz e estabilidade. E estas duas premissas não se limitam somente no silêncio das armas. Mas estende-se à múltiplas esferas: boa governação, boa educação para todos, sector de saúde eficaz, valorização dos recursos humanos, valorização do trabalho… Em resumo, que cada família do nosso país conheça o bem-estar social, económico e político.

    Porém, continuo, a não acreditar apenas na vossa boa vontade, até prova em contrário. O Senhor, para provar o contrário, será capaz de usar o tempo de uma maneira útil? Usar o tempo no presente sem se preocupar se o futuro o degradará. A essência do tempo é servir para preparar o futuro próspero.

    No seu caso, o futuro próximo que poderá prometer-nos, passa, conforme defende muita gente, pela aceitação da “convenção do divórcio” que a Guiné-Bissau tanto sonha rubricar com UNIOGBIS que é um factor de bloqueio… Enquanto existir, o nome do nosso país figurará na lista dos chamados “países de alto risco”. Em resumo um país a evitar. Esse status quo leva a que os doadores, os investidores, assim como os turistas, prefiram outro país em vez da Guiné-Bissau. Inversamente, os narcotraficantes, os malfeitores, os corruptos vão escolher o nosso país, como é o caso hoje em dia, para manifestarem a sua exuberância e liberdade de movimentos.

    Sr. Ramos Horta boa sorte.

    Adulai Indjai

  • APELO

    27 janvier 2016 | Cultura
    APELO

    É nessa manhã que eu gostaria de me acordar para que olhares dos meninos, jovens e velhos me possam transmitir esperanças que já me abandonaram forças que já não consigo sentir nestes momentos de passos irreversíveis de construir uma sociedade justa, mais social, sem maldade Nesta manhã de apelos para mais união, sem vingança gostaria de ver esperanças nas feições de cada [...]

    Read more

    Assaltada por um vazio, deito a mão ao actual livro de cabeceira, a compilação “Pensar para Melhor Agir”, das intervenções do Fundador das nacionalidades GB e CV, Amilcar Cabral, no Seminário de Quadros, 1969. E leio: “ Alguns camaradas, mesmo entre os que estão sentados nesta sala, têm a tendência de procurar comodidades à medida que crescem as suas responsabilidades. Há [...]

    Read more

    SINDEPROF desmente declarações da ministra da Educação sobre pagamento de salários aos professores

     “É triste quando um alto responsável de um órgão da soberania do país se dá ao luxo de fazer tais declarações”, lamentou Armando Vaz do SINDEPROF esta terça-feira. Conforme o sindicalista, «infelizmente», desde o anuncio da ministra, segunda-feira  qualquer professor que já passou pelos bancos saiu de lá muito chocado pois, «nenhum dinheiro foi colocado nos bancos». [...]

    Read more

    EGOCENTRISMO NA POLÍTICA É CRIME MORAL!

    O mundo é constituído de Homens excepcionais em todos os domínios; podem ser bons assim como maus em certas especialidades. É imprescindível que o homem que aspira a exercer funções de liderança nas instituições públicas, imperativamente, abdique do valor egocêntrico. O diálogo é a única riqueza de um verdadeiro partido político, porque, dialogando é que os homens conseguem [...]

    Read more

    PAIGC DIVIDIDO, O PAÍS À DERIVA!

    Após as últimas eleições tidas como justas e transparentes, ainda não percebi quando foi findado o governo de transição. Até agora não senti esse corte. Sinto que ainda vivemos na transição para a estabilidade e tranquilidade verdadeira e necessária! Verdadeira no sentido transparente: sem “jogos e joguinhos”, sem dia de “cair”. Estamos sempre na espectativa! Todo este [...]

    Read more

    QUEBEC (CANADÁ) - Ernesto Dabó: Uma descoberta incomum

    No ano passado, Ernesto Dabó lançou Lembrança, um disco fabuloso, gravado com músicos de Quebec, mas infelizmente passou despercebido aqui. Na Guiné-Bissau, é muito diferente, pois o cantor-autor-compositor é considerado um dos pais da música moderna guineense. Diz-se mesmo que Dabo é Vigneault (grande autor-compositor-intérprete de Quebec) da Guiné-Bissau. Aqui ele encontrou seus [...]

    Read more

    A Plataforma das Organizações da Sociedade Civil para Democracia Cidadania e Direitos Humanos (POSCDCDH) afirmou, hoje em conferência de imprensa que, é urgentíssimo a formação de um Governo constitucional, a fim de desbloquear o país e continuar efetuar esforços para o seu desenvolvimento. Caso contrário, diz a organização, o atraso na sua formação pode comprometer a abertura do [...]

    Read more

    O Movimento Nacional da Sociedade Civil para Democracia e Desenvolvimento (MNSCDD) exige ao Presidente da República, a exoneração do novo Primeiro-Ministro nomeado recentemente por sua própria iniciativa. No comunicado distribuído à imprensa, MNSCDD recomenda ao PR José Mário Vaz ouvir o PAIGC e outras formações políticas com assento parlamentar. Tendo mostrado surpreendido com a [...]

    Read more

    ONG turca doa cinco toneladas de géneros alimentícios às pessoas carentes

    Cinco toneladas de géneros alimentícios foram doados pela ONG turca (HASSENE) sedeada na Alemanha às crianças necessitadas da Guiné-Bissau através da Associação Juvenil para a Reinserção Social (AJURES). Arroz, leite, açúcar e maionese, fazem parte do lote de géneros doados no âmbito da Segunda Edição da tradicional jornada de distribuição de géneros alimentícios durante o [...]

    Read more

    CRISE POLÍTICA PERSISTE GUNÉ-BISSAU NUM BECO SEM SAÍDA?

    José Mário Vaz, cidadão guineense eleito Presidente da República da Guiné-Bissau na segunda volta das eleições presidenciais, a 17 de Maio de 2014, tem vindo a ser objecto de duras críticas e ataques de cidadãos particulares e partidos políticos. Em consequência disso, em alguns círculos murmura-se e chega-se ao ponto de considerá-lo o «PIOR PRESIDENTE DA REPÚBLICA QUE A [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>