• Dos resultados saídos das eleições, dos apelos da comunidade internacional e das vontades políticas internas, tendo como pano de fundo o espírito da inclusão, assim se formou o XXI governo da República da Guiné-Bissau empossado no passado dia 4 de Julho de 2014 pelo Presidente da República. Um governo liderado pelo Eng° Domingos Simões Pereira, Presidente do partido vencedor das eleições legislativas com maioria absoluta, o PAIGC.

    Com mais de um mês de exercício de funções este governo começa a sentir na pele quais as pressões inerentes à função, apesar de integrar alguns já experimentados no assunto, a começar pelo próprio Primeiro-Ministro. Promovendo um espírito de diálogo permanente com os tradicionais parceiros sociais e de desenvolvimento, entre concertações e consensos, depois da onda de expectativas iniciais defraudadas, conforme comentários de analistas políticos da nossa sociedade e das conversas sociais nas tertúlias improvisadas, certeza é que este governo ganhou o coração do comum cidadão. Desde logo, já pagou três dos quatro meses em dívida para com os funcionários públicos, pensionistas e reformados. E ainda aliviou as pesadas contas das nossas representações no exterior que já contavam com uma vintena de meses de atrasados salariais. Um governo para arrasar com tudo mas não com todos.

    Com dezasseis ministérios e quinze secretarias de estado, este governo conseguiu surpreender os mais desatentos dos últimos acontecimentos políticos no país que desembocaram nas eleições gerais, legislativas e presidenciais. Resultado de um amplo consenso político visto que todos os partidos com assento parlamentar estão aí representados, e ainda elementos apartidários, este governo é, acreditamos, o governo possível. Uma engenharia política de entendimento complexo ao substrato político interno amplamente caracterizado de múltiplas alas no interior de cada partido político que entre si lutam para fazer parte de um governo. Mas como este modelo não tem dado bons resultados,

    logo, benefício de dúvida é devi- do a esta nova fórmula. Contudo, a sociedade civil aqui não entrou, mas também não devia. Um assunto a desenvolver mais à frente.

    Depois de uma longa cavalgada interna, o PAIGC conseguiu realizar o seu congresso e eleger os seus órgãos. Entre alianças e desconfianças, o partido conseguiu reestruturar-se e ganhou as eleições legislativas com maio- ria absoluta, conseguindo assim, legitimidade constitucional de formar o seu próprio governo. Um governo à medida dos desafios projectados pelo partido para fazer face aos gravíssimos problemas que o país enfrenta. Um governo PAIGC conforme as regras do jogo político. Da sua responsabilidade política. Como bem frisou o Presidente da República aquando da toma de posse do governo. Esta situação coloca os partidos integrantes, em primeira mão, num verdadeiro labirinto político. Serei responsável inclusive pelos actos dos outros? Uma questão que ficará no ar. Apesar do entendimento comum, nacional e internacional, que o país precisa de consensos amplos alcançados também pelo diálogo político inclusivo, e sobre esta matéria muito já foi dito e escrito, a sua arquitectura foi sempre de difícil assunção dada a própria estruturação deste tipo de paradigma político, a coligação. Para além do paradoxo no ganhar absolutamente e ainda ter que partilhar o ganho com a oposição. Simplesmente não é lógico. Mas como a lógica nem sempre faz parte da política. Quiçá!

    Mas também existem ganhos subjacentes às coligações de forças políticas. Desde logo a todos o dever de participar responsavelmente na execução da sua função de governante tendo em mãos a bandeira do país e não do partido, na perspectiva de se pôr em marcha um programa de governo que traduza o engajamento de todos em políticas de desenvolvimento socioeconómico realistas e, sobretudo, realizáveis. E ainda que permitam alicerçar uma consciência comum sobre os reais problemas sociais e políticos que o país em concreto enfrenta e que a população espera vê-los resolvidos. Portanto, estando todos juntos, a tarefa fica tendencialmente mais facilita- da.

    A conjuntura sociopolítica instalada tem colocado o país numa fragilidade generalizada. Todos os sectores encontram-se num estado de abandono pelas autoridades da república, dando a entender que o país é conduzido pelas instituições internacionais ou por elas financiadas. O aparelho do estado tem prestado um serviço passivo face às demandas da população, provocando descrédito e consequente afastamento, abrindo assim caminho para a busca de soluções individuais, que em determinadas situações têm-se apresentado fatal, casos de justiça popular, por exemplo. Portanto, este governo deverá inscrever nas suas prioridades o resgate da administração pública e seu devido reposicionamento no contexto nacional, recuperando assim o seu papel de gestor principal para melhor administrar o seu território. Uma reforma à larga escala é sobejamente necessária e urgente, de forma a se conseguir dar dignidade ao estado, à sua população e às suas instituições. Uma reforma que se oriente para sectores prioritários começando sobretudo por uma profunda mas ajustada reforma de um sector fis- cal que coloque todos os contribuintes e utentes, sem grandes excepções, a participarem activamente no financiamento das necessidades sociais básicas a serem satisfeitas pelo governo. De um sector de educação que privilegie o conhecimento racional ínsito a qualquer homem, com rigor e modernização mas sem políticas convencionais. De um sector de saúde que assista sobretudo preventivamente a população sem olhar a substratos sociais, raciais ou políticos. De um sector agroindustrial que faça aumentar a auto-suficiência alimentar e que permita colocar o selo de made in Guiné-Bissau. Um sector de justiça promotor de uma saudável segurança jurídica longe das mãos ocultas. Um sector de infraestruturas e comunicações capazes de modernizar as ligações terrestres, marítimas e aéreas sem risco e custo maior para os utilizadores tornando o país num espaço moderno e acessível. Um sector do ambiente e do turismo que criem condições para sustentabilidade futura das nossas riquezas naturais.

    O país espera deste governo coligado uma estabilidade governativa e institucional que traga o bem-estar social há muito estacionado numa memória longínqua. Realidade que acreditamos haver condições mínimas para o ponta pé de saída dum projecto social de longo prazo, daí a cautela devida em não se exigir mais do que de imediato é possível e, com isto, também não quer dizer que se deve relaxar à sombra da bananeira à espera que os parceiros de desenvolvimento ditem as regras do jogo. Um governo exigente nas áreas pilares da sociedade de maneira a serem protegidos os valores e os princípios sociais e morais, e no pleno zelo da nossa nacionalidade. A responsabilidade política deverá ser permanentemente avaliada pela Assembleia Nacional Popular e pelo Presidente da República, na expectativa que tudo farão para que haja a estabilidade política necessária para os mandatos serem cumpridos e, de facto, conseguirmos ter um ciclo legislativo completo. Para que os momentos de instabilidade tenham sido passados necessários para compreendermos que temos que dar oportunidade ao desenvolvimento como o demos à luta pela independência. Todas as instituições civis devem participar nesta nova dinâmica de forma a poder criticar construtivamente em benefício de todos e não numa tentativa de intervenção apenas porque têm que se mostrar presentes. Daí o entendimento que neste contexto em que o governo foi formado, a sociedade civil não deve- ria fazer parte, porquanto ser a única voz do povo face à governação, uma responsabilidade que deve ser acolhida com tenacidade, a mesma inscrita nos seus ideais.

    A todos a responsabilidade de ajudar os representantes do esta- do a cumprirem com os seus mandatos num ambiente positivamente alimentada com valências individuais ou colectivas, sejam elas residentes ou não mas, para que espírito patriótico permaneça acima das diferenças e das incompreensões políticas, sociais e culturais. Que consigamos gradualmente definir um novo paradigma social para a nossa querida Guiné distante do abismo homofóbico a que fomos conduzidos nestes últimos anos e que nos tem levado ao isola- mento neste mundo que é suposto ser de solidariedade globalizada.

    Ricardo Rosa

  • Movimento Nacional de Apoio a boa Governação defende busca de consenso como solução para actual crise política

    Abdel Abduramane Djalo, falava esta terça-feira numa conferência de imprensa para tornar público a intenção da sua organização na busca de solução para actual crise na ANP. Segundo este jovem activista é urgente encontrar consenso interno no seio do Partido Africano da Independencia da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e na Assembleia Nacional Popular (ANP), para uma governação sólida da[...]

    Read more

    PM Embaló promete incentivar partidos a acabarem com a crise política no país

    O novo primeiro-ministro Umaro Sissoco Embaló disse que vai falar com todos os partidos representados no parlamento para incentiva-los a acabarem com a crise política que assola o país há 15 meses. Empossado no cargo na sexta-feira pelo Presidente José Mário Vaz, o novo primeiro-ministro partiu no sábado para uma visita de trabalho ao senegal onde, disse, que ia fazer o ponto da [...]

    Read more

    O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou quarta-feira aos políticos guineenses para aplicarem o Acordo de Bissau para acabar com o impasse político que o país vive, noticiou a Lusa.

    Read more

    O PAIGC PADECE DE AMNÉSIA?

    A Guiné-Bissau aspira uma vida simples e segura, uma governação baseada no pragmatismo, porque o contexto político e social da nossa Pátria amada se encontra muito complicado o que mergulhando os cidadãos num desespero difícil de descrever. A classe política em si, não constitui um povo. É ele que ordena e coordena o quadro governativo, que proporciona o bom convívio entre o povo e o[...]

    Read more

    BCEAO e FMI organizam conferência regional sobre inclusão financeira

    Na abertura da reunião o director-executivo do BCEAO no país, João Aladji Mamadu Fadia, a partir da sede em Bissau, disse que a iniciativa visa a discussão entre os participantes, sobre o nível da taxa de bancarização na sub-região, considerada a mais baixa do mundo. “Queremos fazer de tudo para permitir as nossas populações o acesso as finanças”, afirmou. No entanto, João [...]

    Read more

    «Não há crise política na Guiné-Bissau, mas sim impasse institucional» - Soares Sambu, ministro dos Negócios Estrangeiros A situação na Guiné-Bissau foi novamente objecto de um debate no Conselho de Segurança da ONU. O relatório do secretário-geral não é muito otimista, se o impasse persistir. O Conselho de Segurança mantém as sanções e acredita que esta medida permitiu [...]

    Read more

    QUE SAÍDAS PARA A POLÍTICA INTERNA E EXTERNA DA GUINÉ-BISSAU?

      A recente visita do soberano marroquino ao país, Rei Mohamed VI, induziu-me a esboçar uma pequena reflexão sobre a diplomacia, área em que para além da minha formação, possuo como background mais de 30 anos de experiência efectiva, passados no desempenho de várias funções tanto ao nível do país, como no estrangeiro. No momento em que estão ser dados os primeiros passos no [...]

    Read more

    Article posté le 06-09-2013 No arcabouço teórico da Teoria Democrática Contemporânea emergem linhas interpretativas distintas no que concerne ao modelo de democracia. A produção acadêmica da Ciência Política tem sido significativa no sentido de teorizar questões relevantes para o fortalecimento dos regimes democráticos. Todavia, a forma e os instrumentos para tal apresentam [...]

    Read more

    GUINÉ-BISSAU: De politiquices à instabilidade crónica

    Transitamos para a democracia, mas não olhamos atrás para ver se as raízes do colonialismo e da ditadura estão mortas. Recentemente o país completou um ano de crise institucional entre e intra órgãos de soberania que o deixou sem norte e nem rumo face aos propósitos do desenvolvimento e de boa governação. O atual contexto de incerteza alicerçado num obscurantismo político-jurídico [...]

    Read more

    Guineenses residentes em Itália, nomeadamente, estudantes, enfrentam dificuldades devido a falta de passaportes.Até esta data as autoridades não cumpriram a promessa de regularizar essa situação. Eis o que um estudantes relatou a GN: « Estávamos aflitos com o problema de passaportes caducados, solicitamos a intervenção das autoridades competentes para a resolução do caso e o [...]

    Read more

    Veja mais artigos >>